rosacruz

Sintra, 1982

No Mistério da Rosa se oculta o Espírito da Vida.

O seu simbolismo no mundo esotérico, mormente ocidental, elevou-a ao panteão dos diversos simbolismos mais ou menos crípticos de que usufruem hermetistas e alquimistas, sufis e gnósticos e tantos mais Iluminados na Sabedoria Iniciáticas das Idades cujas traves-mestras – Ciência, Arte e Filosofia – se encontram na única Teosofia, ou Religião-Sabedoria. Desde os tempos mais remotos a Rosa é, pois e por excelência, a Flor Perfeita.

Rosa vermelha púrpura esta cor a recebe de Júpiter, mas a fragrância suave é de Vénus, e com isso associada de imediato à Mãe Divina, a Rosa Mística da ladainha mariana, e aos atributos da Pureza, do Amor…

Os romanos a tinham como símbolo dos enamorados, havendo o costume dos casais jovens, na procura de um futuro nupcial feliz, oferecerem rosas a Afrodite, deusa do amor. Hábito igual tinham os gregos. Igualmente os católicos orientais e ocidentais fazem uso do simbolismo da rosa, atribuindo-lhe as virtudes da Pureza e da Inocência, e, para manter viva a tradição ancestral ligada a ela, todos os anos o Papa, em Roma, diante da multidão benze uma Rosa de Ouro traçando sobre ela o sinal da Cruz. Isto vale por Rosa+Cruz, sibilino contudo magno emblema da Realização Verdadeira no Mundo, o que a Natureza aponta sendo a Pedra Filosofal como solução final da Quadratura do Círculo… Redimir coagulando a Prata da Terra e libertar solvendo o Ouro do Céu, sim, a Quadratura da Terra no Círculo do Céu, na maior Alquimia mediante a qual se obtém o Elixir da Vida Eterna – a Imortalidade Espiritual.

Terá sido essa a razão dos antigos hermetistas chamarem a todo o verdadeiro tratado de Alquimia de Roseiral Mariano ou Roseira de Maria, essa a Ciência das Transformações e Sublimações cujo Orago é Shiva, o Espírito Santo representado tanto por Fátima como por Maria… Rosa Mística ela é.

Lá está ela, envolta nos éteres do Mistério, coroando o Zimbório do Segundo Trono ou Cristo Universal, em todo o Templo consagrado da Muito Nobre Ordem do Santo Graal, Rosa no Cruzeiro ou Pramantha evolucional levando em seus palos o Tetragramaton, assim, como Círculo Celeste, traçando com o Nome do Eterno a Quadratura Terrestre – a Expressão Ideoplástica do Homem Cósmico (Jehovah), de quem o Templo é a forma estática.

Interior do Templo de Maitreya

Com efeito, o Templo é um espaço onde cada elemento se encontra disposto de acordo com os cânones sagrados que fundamentam a Harmonia Universal. Nas suas formas, dimensões, cores e símbolos se encontram plasmados os princípios arquetípicos que permitem a ligação com outras realidades de ordem transcendental. De todos os símbolos presentes no Templo, sem dúvida que se consigna como dos mais importantes aquele da Rosa+Cruz refulgindo encrostado no centro do zimbório. O privilégio dessa posição destacada remete igualmente para o simbolismo da Scalae Coeli. Com efeito, se considerar-se, do ponto de vista simbólico, que o Templo é a Montanha a cujo topo todo o Iniciado deve subir, então só no seu cume se poderá encontrar esse poderoso foco irradiante, muito bem conformado à expressão “assumptio” Pico do Graal.

Cruz Alta. o "Pico do Graal", na Serra Sagrada de Sintra

Cruz Alta. o “Pico do Graal”, na Serra Sagrada de Sintra

A Rosa+Cruz constitui-se, em verdade, como vértice ou coroamento do Templo. Ponto de convergência efectivo das energias templárias no seu duplo movimento, ascendente e descendente, como seja Kundalini e Fohat, “Fogo Quente” e “Luz Fria”. É através desse ponto focal que as energias flamejantes afluindo no Seio da Terra e trabalhadas no Templo são dispensadas para a Humanidade e enviadas para o Alto, no sentido ascensional, na direcção do Cristo Cósmico, o 2.º Trono representado pelos Mestres Perfeitos e Anjos Alados que, com a sua Vontade, irão colocá-las ao serviço do Desígnio de Deus, o Eterno.

Mas é também através da Rosa+Cruz no zimbório representando o Mundo Celeste no espaço sagrado do Templo, que neste confluem as energias luminosas desse mesmo Mundo e que aos Templários compete trabalhar e reelaborar. Portanto, compreender este augusto Símbolo Sagrado é entender de que forma o Templo se liga à tessitura espiritual na qual ele se integra.

Colocada no ápice, no cume do Templo, a Rosa+Cruz é a oposição polar do ponto central virtual colocado ao nível do solo e marcado pelo Trípode ou Braseiro onde ardem as chamas do Fogo Sagrado (Agni). O Pólo Celeste e o Pólo Terrestre estão assim em perfeito equilíbrio.

Um é o “omphalo”, o umbigo do Templo, através do qual flui a Energia Electromagnética do Seio da Terra, dos Mundos Internos – Kundalini. Representa o Aspecto Feminino da Manifestação, a Vontade de Criar e trazer para a Vida. É o Pólo irradiante que transporta das Trevas para a Luz, do Imanifestado para o Manifestado. Dele aflui a Energia Planetária do Laboratório do Espírito Santo, que é Shamballah. Representa, pois, o interior da Montanha, cuja porta, fechada a sete chaves, pode ser aberta pelo Iniciado verdadeiro, puro de coração e límpido de mente, pela entoação das sete sílabas sagradas qual “Abre-te Sésamo”, e assim manifestar o Reino do Divino Espírito Santo à Face da Terra.

Logo acima, no cume da Montanha, está a Rosa+Cruz. Ponto focal superior representando o Masculino da Manifestação, dele flui a Luz do Cristo Universal ou 2.º Logos a qual inunda, qual cachoeira luminosa, o Templo. Cruzando este pilar de manifestação da Obra do Eterno está o espaço do Templo materializando, desta forma, a Cruz Divina onde os Iniciados são simbolicamente “crucificados” no seu trabalho Templário quando dão a sua vida, as suas “energias” sacrificando-se pelo desenvolvimento espiritual da Humanidade.

Postado no centro do Templo, voltado para Norte, elevando os olhos o Iniciado contempla esse Símbolo Sagrado. Verifica que ele é constituído por uma Cruz amarela em cujos palos se inscrevem, em ouro velho, as quatro letras hebraicas constituintes do Tetragramaton Sagrado (YOD-HE-VAU-HE, cujos sons, concatenados, teriam originado Jehovah, o Deus Supremo das escrituras hebraicas). No centro da Cruz, uma Rosa vermelha purpurada com um botão central constituído por 3 pétalas. A envolver esse botão encontram-se 3 coroas concêntricas, constituídas por 5 pétalas cada. Perfazem-se, desse modo, 18 pétalas.

O botão central com três pétalas corresponde à Trindade Divina manifestada através das 7 Hierarquias do Raio Divino e das 7 Hierarquias do Raio Primordial, ou sejam as de Purusha (Espírito) e as de Prakriti (Matéria), aquelas para o 2.º Trono Celeste e estas para o 3.º Trono Terrestre. Considerando ainda o Ponto Central de Irradiação (o Eterno), a Trindade de Manifestação (as Hipóstases) e os 14 Raios de Expressão, ter-se-á os 18 elementos que correspondem às 18 pétalas da Rosa na Cruz, igualmente o valor indicativo do 18.º Grau de Cavaleiro do Pelicano ou Príncipe Rosacruz na Maçonaria Escocesa, que como Arcano 18 é A Lua receptiva às transubstanciações operadas no Arcano 13, A Grande Mãe, igualmente A Morte, antes, a Transformação da Vida-Energia em Vida-Consciência e o qual é efectivamente o verdadeiro Arcano Rosacruz.

Cavaleiro Rosacruz ou Príncipe do Pelicano do 18.º Grau da Maçonaria Escocesa

Cavaleiro Rosacruz ou Príncipe do Pelicano do 18.º Grau do Rito Escocês Antigo e Aceite

Falando das Hierarquias dos Raios Divino e Primordial, a Tradição Iniciática das Idades consigna-as como sendo:

RAIO DIVINO (PURUSHA)

CÉU (FOHAT) – CRISTO

1 – LOGOS SOLARES

2 – RAIOS DO PRAMANTHA

3 – ENERGIAS ou SHAKTIS

4 – DHYAN-CHOANS SUPERIORES

5 – CONSTRUTORES MAIORES

6 – ESPÍRITOS DIANTE DO TRONO

7 – ANJOS DA PRESENÇA ou DA FACE

CORES

RAIO PRIMORDIAL (PRAKRITI)

TERRA (KUNDALINI) – MARIA

1 – LEÕES DE FOGO

2 – OLHOS E OUVIDOS ALERTA

3 – VIRGENS DA VIDA

4 – ASSURAS

5 – AGNISVATTAS

6 – BARISHADS

7 – JIVAS

Tem-se aí as Grandes Potestades conclamadas, sob nomes diversos, pelo Judaísmo e o Cristianismo com papel importantíssimo nos Ritos Místicos dos antigos Rosacruzes, usando os nomes das mesmas como são conhecidas teologicamente. Potestade significa “poder, potência, majestade”. Para a tradição judaico-cristã esse termo refere-se sobretudo às Potestades Celestes que criaram o Universo, a Terra e o Homem, estando organizados em 9 Coros chamados de Exército Celestial, composto de Arqueus, Arcanjos, Anjos, Santos e Sábios e todos liderados pelo Arcanjo São Miguel ou Mikael, o mais próximo do Trono de Deus.

Existem várias versões relativas às Ordens ou Coros Celestes. Entre as autoridades eclesiásticas que apresentaram as suas versões relativas a este assunto, destacam-se Santo Ambrósio, S. Jerónimo, o Papa Gregório I, o Magno, e a própria Constituição Apostólica. Entre as autoridades hebraicas igualmente abordando o tema, sobressaem Moisés de Leon e Moisés Maimónides, e as obras teológicas Sepher-Ha-Zohar, Maseket-Atziluth e Berith-Menusha.

Contudo, a versão mais universalmente aceite é a do Pseudo-Dionísio, datada do século VI e adjudicada à Escola fundada por Dionísio o Aeropagita, que viveu no século I d. C. Diz-se que foi o primeiro bispo de Atenas e martirizado pelos romanos durante o reinado do imperador Domiciano. São-lhe adjudicadas as obras A Hierarquia Celestial e a Hierarquia Eclesiástica, mas na realidade foram escritas muito depois por um grupo anónimo de neoplatónicos seus seguidores e por isso adoptaram o seu nome baptizando a sua composição literária de Pseudo-Dionísio.

Segundo a obra dionisiana, aprovada por São Tomás de Aquino na sua Summa Theológica, existem 3 Ordens de Potestades Celestes, cada uma composta de 3 Coros, totalizando 9 Coros, como sejam pela ordem correcta:

Primeira Ordem (PAI) – Com os seus 3 Coros está na génese do Universo, mantém a sua Harmonia e manifesta a Vontade Deus, que executam.

1. Tronos

2. Querubins

3. Serafins

Segunda Ordem (FILHO) – Com os seus 3 Coros representa o Poder de Deus e está na génese dos Planetas os quais governam, particularmente a Terra. Executam as ordens das Potestades da Primeira Ordem e dirigem as da Terceira Ordem.

4. Potestades

5. Dominações

6. Virtudes

Terceira Ordem (ESPÍRITO SANTO) – Com os seus 3 Coros está na génese do Homem, protegendo e guiando a Humanidade, e elevando os pensamentos de sabedoria e as preces de amor do Homem a Deus.

7. Principados (Arqueus)

8. Arcanjos

9. Anjos

Essa Terceira Ordem reúne em si as qualidades das anteriores e por ser a mais próxima da Humanidade, é geralmente a ela que esta se dirige e mesmo reproduz nas suas obras artísticas.

A representar cada uma dessas Hierarquias há os Sete Arcanjos diante do Trono de Deus aos quais a tradição cabalística hebraica chama de Mikael, Gabriel, Rafael, Anael, Samael, Zadkiel e Oriphiel. Os gnósticos cristãos chamaram os quatro últimos de Uriel, Baraquiel, Sealtiel e Jehudiel. A tradição judaico-cristã acabou atribuindo a estas Potestades o governo dos 7 Planetas tradicionais, cuja ordem correcta é a seguinte:

Sol – Mikael

Lua – Gabriel

Marte – Samael (Baraquiel)

Mercúrio – Rafael

Júpiter – Sakiel (Sealtiel)

Vénus – Anael (Uriel)

Saturno – Kassiel (Jehudiel)

Os Anjos e Arcanjos, como as demais Potestades, participam do Mundo Espiritual e são intermediários entre o Divino e o Terreno, como se destaca no significado do termo latino angelorum, “angélico”, que quer dizer “mensageiro” e “enviado do Logos” ou Deus Supremo.

Anjo, do latim angelus e do grego ággelos, “mensageiro”, segundo a tradição judaico-cristã, a mais divulgada no Ocidente, é uma criatura celestial acreditada como sendo superior aos homens e que serve como auxiliar ou mensageiro de Deus junto à Humanidade e toda a Criação. Na iconografia comum, os Anjos geralmente têm asas de pássaro e uma auréola. São donos de uma beleza delicada e de um forte brilho, por serem constituídos de energia divina, e por vezes são representados como uma criança, por terem inocência e virtude. Os relatos bíblicos e a hagiografia cristã contam que os Anjos muitas vezes foram autores de fenómenos miraculosos, e a crença corrente nesta tradição é que uma das suas missões é ajudar a Humanidade em sua evolução.

Os Anjos são ainda figuras importantes em outras tradições religiosas, como a muçulmana, a hindu e a budista, chamando-lhes Djins e Devas, mas, para todos os efeitos, “seres sobrenaturais” superiores ao homem comum, dotados de características e funções diversas algumas delas bastante diferentes das apontadas pela tradição judaico-cristã. Além disso, a cultura popular dos vários países do mundo deu origem a um copioso folclore sobre os Anjos, o qual muitas vezes afasta-se bastante da descrição mantida pelos credos institucionalizados dessas regiões.

Mais afim à mentalidade religiosa ocidental, o Cristianismo e o Judaísmo esotéricos, ou gnóstico e cabalístico, chamam de Anjos aos Espíritos num grau de evolução imediatamente superior ao do Homem e imediatamente inferior ao dos Arcanjos, termo significando “anjo principal”. Na Bíblia encontram-se apenas duas referências à palavra “arcanjo”, uma em 1 Tessalonicenses 4:16, e outra em Judas 9.

Se bem que a Bíblia apenas refira os nomes de três Arcanjos (Miguel, Gabriel e Rafael), todavia os escritos gnósticos e cabalísticos, como o Livro de Enoque, por exemplo, descrevem sete com os seus nomes, consideram-nos chefes de legiões de Anjos, a cada qual cabendo um planeta e respectivo dia da semana. Além disso, é atribuída a cada um deles uma figura geométrica e são evocados por determinados salmos do Antigo Testamento, por esses serem considerados detentores de propriedades teúrgicas ou de “magia divina”.

A autoria dos salmos é atribuída ao rei David, o qual teria escrito cerca de 73 poemas. Asafe é considerado autor de 12 salmos. Os filhos de Corá escreveram 9 e o rei Salomão ao menos 2. Heman, com os filhos de Corá, bem como Etan e Moisés, escreveram no mínimo 1 cada um. Todavia, dos 150 salmos há 51 cuja autoria permanece anónima, mas dando-se David, por razões convencionais, como o seu autor.

Os salmos ou tehilim, “louvores”em hebraico, são os 150 cânticos e poemas utilizados pelo antigo Israel como hinário no Templo de Salomão, e hoje são utilizados como orações ou louvores, recitados ou cantados, no Judaísmo, no Cristianismo e no Islamismo (o Corão refere os salmos como “um bálsamo”). Pelos salmos comunica-se com os Sete Arcanjos diante do Trono de Deus, como sejam:

Mikael (“Quem é Deus”, em hebreu, “Quis ut Deus”, em latim)

Mikael ou Miguel é o Príncipe dos Arcanjos e o mais próximo de Deus. É invocado para a coragem, a defesa forte e a protecção divina. Mikael é revestido de couraça e capacete e armado de espada flamejante e escudo luminoso. É o destruidor da idolatria. Disputou com o Satan o corpo de Moisés no Monte Sinai. É o Arcanjo que proclama a Unidade de Deus.

Planeta: Sol (na Terra)

Dia: Domingo (Dominicus, Soledie)

Cor: Laranja

Forma: Quadrado e hexaedro

Salmo: 111 (“Bem-aventurado o homem que teme o Senhor…”)

Gabriel (“Homem forte de Deus”, em aramaico)

Gabriel é o Príncipe dos Anjos. O Profeta Daniel viu este Príncipe caminhando sobre as águas celestes que temperam os ardores da serpente ígnea. É o Arcanjo da Natividade, da Esperança e Anunciação. É Ele quem anuncia a Maria, mãe de Jesus, que “o seu ventre é bendito”. No Corão aparece como Jibrail, o Anjo da Guarda do Profeta Maomé.

Planeta: Lua

Dia: Segunda-feira (Lunes)

Cor: Violeta

Forma: Meia-lua deitada e icosaedro

Salmo: 18 (“Os céus narram a Glória de Deus…”)

Samael (“Força de Deus”, em hebraico)

Samael é o Príncipe dos Principados ou Arqueus. Interfere nas relações interpessoais e disciplinadoras e recebe as influências da Força de Deus para as transmitir tanto aos deuses como aos homens.

Planeta: Marte

Dia: Terça-feira (Martes)

Cor: Vermelha

Forma: Triângulo vertido e tetraedro

Salmo: 65 (“Em exclamações de alegria, invoquemos a Deus…”)

Rafael (“Deus cura”, em hebraico)

Rafael é o Príncipe das Virtudes. Na Bíblia acompanha e protege a Tobias, e é o Arcanjo auxiliador da Medicina, assim auxiliando a remediar os males da Humanidade. Por isso, iconograficamente, traz numa mão uma espada ou flecha afiada e na outra um frasco dourado contendo bálsamo. Quando aparece representado com um bastão, significa que é também o fiel guardião conservador dos segredos do Templo e o intermediário do casamento legítimo.

Planeta: Mercúrio

Dia: Quarta-feira (Miércoles)

Cor: Amarela

Forma: Meia-lua vertical virada para a direita

Salmo: 8 (“Senhor, nosso Senhor, como vosso Nome é admirável!…”)

Sakiel (“Fogo de Deus”, em hebraico)

Sakiel é o Príncipe das Dominações. É invocado para a resolução favorável nos actos de justiça. Como Príncipe da profecia e da inspiração, donde carregar um pergaminho, é ligado ao sacerdócio, às artes e ao ensino. Inspira ideias renovadoras às pessoas fracas e desanimadas, para que realizem os seus objectivos.

Planeta: Júpiter

Dia: Quinta-feira (Jueves)

Cor: Púrpura

Forma: Losango

Salmo: 34 (“Julgai, Senhor, aqueles que me prejudicam e ofendem…”)

Anael (“Graça de Deus”, em hebraico)

Anael é o Príncipe das Potestades e é invocado contra as forças do mal. Era o Mestre de David, segundo o Zohar. É também o Arcanjo do Amor e favorece a resolução dos problemas de amor e matrimoniais.

Planeta: Vénus

Dia: Sexta-feira (Viernes)

Cor: Azul

Forma: Meia-lua vertical virada para a esquerda e dodecaedro

Salmo: 13 (“O insensato nega, em seu coração, a existência de Deus…”)

Kassiel (“Contemplação de Deus”, em hebraico)

É o Príncipe dos Tronos, ladeado dos Querubins e Serafins. Expressa as forças criadoras da Natureza em acção e ajuda o homem a percepcionar o futuro.

Planeta: Saturno

Dia: Sábado (Sabath)

Cor: Verde

Forma: Hexágono e octaedro

Salmo: 15 (“Conservai-me, Senhor, porque eu tenho fé em Vós…”)

????????????????????????????????????

Essas eram as Potências Espirituais dirigentes da Antiga Rosa+Cruz a qual, como emblema autêntico que é, pode ser vista e decifrada a diferentes níveis e de vários modos. É assim que as diversas coroas de pétalas que se dispõem em torno do botão central também representam os três círculos de Iniciados (Sacerdotes – Instrutores – Arautos) dispostos em torno do Rei do Mundo (Melkitsedek), tal qual se dispõem os vários cavaleiros, nos seus graus e dignidades, em torno do Grão-Mestre numa Ordem de Cavalaria – Cavaleiro, Escudeiro, Pajem.

As três primeiras contêm treze pétalas, o que se relaciona ao Arcano Treze, “A Grande Mãe”, exactamente assinalada no Cruzeiro do Sul dando-se à Manifestação através do Filho, o Cristo como ponto central e os seus doze Apóstolos, nisto também remetendo para treze elementos. A última coroa, com cinco pétalas, estará relacionada com todo o simbolismo atribuído ao número cinco e correspondente Arcano, “A Inteligência”. Número esse estando intimamente ligados aos Mistérios de Portugal, como Ponto Focal donde irradiam as Energias do Quinto Chakra da Terra, Sintra.

Quinto Chakra que, por sua vez, é animado pela Quinto Elemento ou Quintessência da Matéria como “estado subtil etérico” ou AKASHA-TATVA, sendo o Reservatório Cósmico dos CINCO TATVAS a Constelação de CRUZIAT, ZIAT ou o CRUZEIRO DO SUL, expressão sideral do SEGUNDO LOGOS cuja Estrela constelar é essa QUINTA chamada “Intrometida”, mas que melhor poderia ser chamada de ENTRONIZADA ou CENTRALIZADA abençoando o Mundo e o BRASIL em particular, assim se unindo em sua função oculta – 5.º Elemento versus 5.º Chakra – a PORTUGAL, Pátria Gémea numa só MISSÃO AVATÁRICA. Quatro Estrelas em redor de uma Quinta, ou 4 MAHARAJAS para um 5.º MAHARAJA EM FORMAÇÃO, também vale pela ROSA+CRUZ SIDERAL e, igualmente, por RAJA-SIDHI, isto é, o “Poder do Segundo Trono”, KRIS-RAM-PA em aghartino, ou seja, o “Fogo Místico de Cristo”, o CRISTO UNIVERSAL representado na Terra pelo Grão-Imperator Rosacruz até aos finais do século XVII. Razão mais que suficiente para o Professor Henrique José de Souza, o Venerável Mestre JHS dos Teúrgicos e Teósofos, ter escrito e musicado o significativo Hino Santuário do Brasil (Prefixo do Cruzeiro do Sul), como “um jacto de Luz projectado do Céu a Terra vem beijar”… como uma cachoeira de luz azul repleta de estrelas douradas.

Santuário Akdorge de Portugal

Santuário Akdorge de Portugal

Na ORDEM DO SANTO GRAAL os 12 Sacerdotes ou Goros do Rei do Mundo portam em suas capas douradas o Emblema Rosa+Cruz. Sendo a Cruz um símbolo da própria Terra no conspecto dos seus Mundos Internos, acrescida pela Rosa central vem a expressar o Espírito Divino que habita em seu Seio, Spiritus ad Pax o qual não configura uma representação exclusivamente alegórica mas, pelo contrário, uma Vida-Energia bem definida e animada pela correspondente Vida-Consciência, de profunda dimensão espiritual. Torna-se assim o Emblema dos Filhos de Agharta. Dele dimana, como sua Hipóstase, a Cruz com a Rosa. Neste sentido, o seu significado torna-se claro: a Rosa+Cruz expressa a manifestação do Espírito de Deus sobre a Terra.

Sendo uma representação do próprio Cristo junto a Maria, a Rosa é assim o símbolo de todos os Seres auto-superados que conquistaram, por seus próprios esforços, o estatuto Divino. Para todos os Iniciados verdadeiros a Rosa+Cruz é uma representação da Harmonia da Criação. Albert Pike, em Dogma e Moral da Maçonaria, referia: «Unir a Rosa à Cruz, eis o problema que se coloca aos mais altos Iniciados». Por outro lado, Joseph Campbell, em Mitologia Criativa, refere a seguinte analogia: «A Visão Beatífica, tida por Dante, da Rosa do Paraíso, e aquela outra de Galahad face ao Santo Graal, são idênticas». Na verdade Dante acaba por ser um dos primeiros a falar explicitamente do emblema da Rosa+Cruz e a explicá-lo de maneira categórica. Na sua Divina Comédia o seu Céu é composto por uma série de círculos cabalísticos, dividido por uma Cruz (tal qual como a Roda de Ezequiel), em cujo centro desabrocha e floresce uma Rosa.

Rosacruz (pintura de Yolanda Campelo)

Rosacruz (pintura de Yolanda Campelo)

Os Rosa+Cruzes Andróginos, tanto valendo por Adeptos Perfeitos, dos sete significados do simbolismo da Rosa e da Cruz desvelaram aos seus discípulos Rosacrucianos os quatro primeiros, que são:

1.º) A Rosa que coroa a Cruz é o símbolo da Divindade, que só poderá ser alcançada por um profundo sofrimento na vida mortal, o que está simbolizado pela Cruz.

2.º) A Espada que cobre a Rosa é o Espírito, que sempre se deve manter disposto na batalha da vida, com o qual se chegará a ganhar o prémio da Rosa.  Lembra os tempos da Cavalaria nos quais, em magníficas lides, com valor e elegância o cavaleiro devia ganhar a rosa da mão da rainha.

3.º) A Cruz encimada pela Coroa significa que, se o fiel discípulo souber superar com total estoicismo os sofrimentos que a vida mortal lhe reserva, conseguirá o ceptro do Magistério, de acordo com os antigos aforismos que dizem: “Toda a Coroa tem antes a sua Cruz”. Ou então: “Para alcançar a Coroa é preciso subir à Cruz”.

4.º) A Cruz Fálica significa o duplo sentido sexual que se manifesta no Universo, isto é: a união do Masculino com o Feminino, fonte de procriação do Mundo Físico e da Ideia, donde se deduz imediatamente não existir nenhuma semelhança com a simbologia grosseira dos cultos fálicos primitivos. A sua base primordial é a acção que leva ao pensamento, já que sem o movimento activo do Homem a ideia estanca e o Espírito não conseguirá dar os frutos que conduzem à Verdade, para Felicidade eterna da Humanidade.

Com efeito, como se vê, por si só o simbolismo da Rosa pode conduzir a imensas conexões ao nível iniciático. No círculo mais interno da verdadeira Ordem Rosa+Cruz dos Andróginos (hoje recolhida ao Mundo dos Sedotes ou Badagas), é conhecido o facto de antanho, quando exteriorizada sobre a Terra, os seus membros, sempre que lhes era possível, providenciarem a existência, junto à entrada das suas casas, de canteiros com rosas brancas e vermelhas, de ambos os lados. E “aqueles que sabem” conhecem o facto de nos túmulos dos verdadeiros Rosa+Cruzes deverem sempre figurar, de cada lado, um conjunto de rosas brancas (direita) e outro de rosas vermelhas (esquerda).

Passando de largo a dilucidação do significado de ambas as cores, refira-se na Inglaterra, nos finais da Idade Média, a conhecida Guerra das Rosas (1455-1485), que haveria de ensanguentar grande parte da nobreza britânica nessa luta dinástica pelo trono real travada entre as Casas de York e Lancaster. Cada uma delas representada por uma rosa: vermelha (York) e branca (Lancaster). E haveria de ser desta última Casa que surgiria essa figura extraordinária da História Portuguesa: Filipa de Lencastre, a quem Fernando Pessoa chamou, com a maior das propriedades, de “Princesa do Santo Graal”… predestinada a mãe privilegiada do maior dos Infantes – o Infante Henrique de Sagres, de quem a lenda conta ter recebido do navegador Gil Eanes uma braçada de rosas brancas como prova de ter dobrado o Cabo Bojador. Mas esta já é outra história, mesmo assim não menos dotada de maravilhosos e sagrados foros… tanto assim como esse outro facto da cor vermelha ser a mor do Rito de York da Maçonaria e, inclusive, preencher os listeis da bandeira dos Estados Unidos da América do Norte, cuja Carta de Direitos se deve a redacção maçónica.

Os cristãos quando traçam sobre si o sinal da Cruz, o seu “santo-e-senha”, raros imaginam sequer que com esse mudra ou “gesto místico” evocam a si os afluxos de poderosas Energias Universais e qual seja, pois, o sentido profundo desse mesmo mudra, tanto místico como mágico e cabalístico. Com o dedo polegar, que é o de Vénus, da mão direita, levam-no ao centro da fronte (sobre o Chakra Frontal – Sede da Sabedoria), dizendo: “Em Nome do Pai”, de quem atraem a Energia Vital: Prana. O dedo desce depois até ao centro do peito (sobre o Chakra Cardíaco – Sede do Amor), afirmando-se: “Do Filho”, evocando-se a sua Luz: Fohat. Logo sobe ao ombro esquerdo prolongando-se a linha horizontal até ao ombro direito, desfechando a evocação: “E do Espírito Santo”, atraindo-se a sua Força: Kundalini (que se manifesta como Verbo pelo Chakra Laríngeo).

Observa-se assim os Chakras superiores serem accionados da esquerda para a direita, em rotação destrocêntrica ou solar e configurando no corpo humano, de maneira soberba, o Pramantha Flogístico, estando a Rosa ideal ao centro, na região laríngea.

Para o Teúrgico isso vale pelos Atributos superiores do Odissonai. Assim, também se poderia dizer: EM NOME DOS TRÊS IRMÃOS INSEPARÁVEIS, AS TRÊS “TROMBETAS DO ETERNO”: A LUZ DE DEUS – O NOME DE DEUS – A SENTENÇA DE DEUS!

Para os Irmãos Místicos ou Frates Rosea+Crucis, Ordem Iniciática que brilhou sobre a Terra entre os séculos XIV e XVII, esse era o emblema perfeito da Imortalidade e da Iluminação, sendo tradicionalmente representado por uma cruz dourada tendo ao centro uma rosa vermelha. Já era utilizado no Antigo Egipto durante a XVIII Dinastia, no reinado do Faraó Amemhotep IV, cerca de 1350 a. C., durante as celebrações luni-solares dos Mistérios Andróginos de Ísis e Osíris, este para o Cruzeiro Mágico, aquela para a Flor Mística, juntos expressando a Sabedoria e o Amor fixados na Vontade do Hierofante dirigindo os celebrantes.

O Iniciado que alcançava a Iluminação Integral (Budhi Taijasi) transformava-se num Ser Crístico, num Adepto Perfeito, de facto e direito, um Rosa+Cruz. O candidato a esse estado supremo, evoluindo por seus próprios esforços e méritos, tanto mais que ninguém evolui por alguém, consignava-se Rosacruciano ou Rosacruzista, ainda assim, na sua fase mais adiantada, já detentor do Mental Iluminado (Manas Taijasi). E foi assim até aos finais do século XVII!… Hoje, os multivariados movimentos usando de tão digníssimo título ou serão rosacrucianos ou… nem isso serão, sabendo-se de tal pelos frutos dados por tão digna ou indigna árvore.

Devo declarar, segundo as informações disponibilizadas pela Excelsa Loja Branca, que a verdadeira Ordem da Rosa+Cruz Andrógina já não está na Europa, tampouco na face da Terra, pois se terá transferido para certa região subterrânea sob o Novo México, em El Moro, próximo a Cimarron, no Norte-América, sob a égide de Marte, sim, mas principalmente de Vénus e dos divinos Kumaras, donde ter por totem o YAK, símbolo característico dos celestiais Caprinos, e por sigla iniciática YOVE AMOLTZ KAPRUM, isto é, “JEHOVAH QUASE CAPRINO”. Decifre quem puder…

Mesmo assim, não devo deixar passar em claro a presença do YAK e a sua correlação filológica imediata ao nome hebreu de JESUS, Jeoshua, Yeoshua ou Yeshua. Não existindo o jota em hebraico, nesta língua o radical yes ou yas significa “um bode”. E o termo yahshua ou yeshua significa literalmente “o bode salvará”, em hebraico antigo. Ora o Bode de Mendes ou Memphis é simbólico da Cabra ou Caprino cuja consciência comparticipa directamente do Mental. Mental Universal (Mahat) é, afinal de contas, a Consciência do Kumara ou Espírito Planetário da Ronda tomando forma naquele Adormecido chamado Jefer-Sus (Jeoshua, Jesus…) destinado a despertar neste Novo Ciclo e dirigir os destinos do Norte-América, mas cujo Propósito Divino os homens goraram obrigando aos Homens Perfeitos a retirar às pressas do escrínio de El Moro o Avatara para o Sul-América… no rumo certo mas oculto da Serra do Roncador, destinada a Presépio ou Apta desta Nova Era de Promissão onde se forja o próximo 5.º Sistema de Evolução Universal, profundamente conectado à presente Missão Oculta de Portugal.

Sim, porque após a Tragédia do Gólgota o CRISTO é trasladado para SINTRA, onde fica por largos séculos até ir para EL MORO, e finalmente ser deslocado para o escrínio do RONCADOR…

El Moro (E.U.A.) visto por fora e por dentro

Por detrás dessa Hierarquia de Homens Perfeitos, há Alguém muitíssimo mais elevado que todos Eles juntos – o Divino P. R., siglas do Pater Rotan, o Maximus Imperator ou mesmíssimo Rei do Mundo como Chakra-Varti, pois que é “Aquele que faz mover a Roda ou Pramantha”. Ele é a própria Rosa no centro da Cruz, dando-lhe Vida e Forma como Consciência Universal nutridora de tudo e de todos!… Ainda no plano do simbolismo, a Rosa e a Cruz possuem os seus equivalentes no Coração Flamejante, designativo do Amor Divino, tão bem expresso na insígnia das Filhas de Allamirah e na Taça do Graal, a Taça da Suprema Eucaristia ou Eu-Crístico.

Nas escrituras orientais existe um outro termo que o define de modo mais sintético: Krivatza, “Aquele que traz o peito chagado” ou com ferida, a sangrar, etc. Não deixa de ser referência ao Sangue Real de todo o Mártir que, ao serviço do Rei dos Reis, logo, do Imperador Universal ou Melki-Tsedek, junto da Humanidade por esta derrama o seu precioso Sangue a favor da Evolução verdadeira da mesma. Do mesmo étimo ou origem, a própria Swástika, como Cruz Jaina, antes, Jina, em movimento destrocêntrico, tal qual se traça no sinal da Cruz, e a qual não se deve confundir, de maneira alguma, com a sinistra e nefanda Sowástika, de que tanto já falei em seguimento do que o Professor Henrique José de Souza proferiu sobre o assunto.

Quem não se lembra, ainda, desse famoso e alquímico “Milagre das Rosas transformadas de Pães” pela excelente Budhai de Sintra e antes Rainha Santa Isabel de Portugal? Momento prodigioso, diz a lenda piedosa, realizado da “Páscoa Rosada” em que o esposo D. Dinis a surpreendeu indo com o regaço cheio de pães a distribuí-los aos pobres deste mundo, dando consumação à virtude capital da Caridade ou Amor Universal… Pães de Vida que se transformaram em Rosas de Luz, de Afecto sublime e Mistério divinal… tais quais as Rosas de Santa Maria que, de além Bojador dobrado ou vencido, o argonauta Gil Eanes trouxe a seu Mestre, presenteando-o, o Infante Henrique de Sagres, hoje mesmo Budha de Sintra e já na sua época representação deifica do Budha Terreno, Mitra-Deva, aportando consigo a Omnipresença do Terceiro Trono, Deus Espírito Santo.

rainha-isabel[1]

A ver com esse acto miraculoso da Rainha Santa está o seu outro, também ocorrido em Alenquer, a “Vila Presépio”, aquando pagou a jorna aos construtores do convento de São Francisco com rosas vermelhas, e quando eles chegaram a suas casas viram, com suma admiração, que as flores haviam se transformado em moedas de ouro. Consequentemente, Rosa de Ouro, símbolo de Iluminação que é a maior paga ou conquista que um Construtor-Livre ou Iniciado Verdadeiro pode ter no final da sua Obra de Espírito Santo, de Maçonaria Original, Operativa e Iniciática, de verdadeiro Príncipe Rosacruz ou Cavaleiro do Pelicano que vai bem no Grau 18 da Maçonaria Escocesa, pois que expressa na Terra a criação do Céu, do Mundo da Mãe Divina manifestada na pessoa sublime de Ísis-Bel, a nossa Santa Rainha de Portugal, garante da Paz de Deus entre os homens.

Santa-Isabel-e-o-mendigo[1]

A flor da Rosa possui a tríplice conotação de Amor, Segredo e Fragrância, ao passo que a Cruz também comporta o tríplice significado de Auto-Sacrifício, Imortalidade e Santidade. Quando se tomam em conjunto estes dois símbolos, como sempre o estão no nome Rosa+Cruz, indicam o Amor do Auto-Sacrifício, o Segredo da Imortalidade e a doce Fragrância de uma vida Santa. Este é o significado da Floração Rosa+Cruz Redentora, tão bem expressa pelas cinco estrelas do Cruzeiro do Sul na Terra sendo as cinco quinas de Portugal, prerrogativa da REALIZAÇÃO DE DEUS.

Fernando Pessoa, vate e arrebate da Língua Portuguesa, “sua Pátria”, não deixa de a cantar na poesia de sua magistral Mensagem, no 5.º Poema “O Encoberto”, Parte III – Pax In Excelsis, decerto apontando sibilina ou encobertamente o Novo Amanhecer dessa Humanidade do Cristo Universal, o mesmo Encoberto Maitreya ou El Manu, Manu-el, tanto vale.

Que símbolo fecundo

Vem na aurora ansiosa?

Na Cruz Morta do Mundo

A Vida, que é a Rosa.

*

Que símbolo divino

Traz o dia já visto?

Na Cruz, que é o Destino,

A Rosa, que é o Cristo.
*

Que símbolo final

Mostra o sol já desperto?

Na Cruz morta e fatal

A Rosa do Encoberto.

Advertisements