Preceptório Madras

GRANDE PRIORADO DO BRASIL

ORDENS UNIDAS RELIGIOSAS, MILITARES E MAÇÔNICAS DO TEMPLO E DE SÃO JOÃO DE JERUSALÉM,

PALESTINA, RODES E MALTA

 

Consagrações em 17 dezembro 2004 e 18 Janeiro 2005

Mantido pela Associação Cultural de Aperfeiçoamento Maçônico do GOB.

 

Mario Sergio Nunes da Costa

Eminentíssimo e Supremo Grão-Mestre

 

Wagner Veneziani Costa

M.A.D.E. Grande Senescal

 

Prezado Cavaleiro,

Por ordem do Eminente Preceptor Gerson Magdaleno, estais sendo convocado/convidado para a Sessão nº 1 de 2010 deste Preceptório.

CONVOCAÇÃO

Sessão INSTALAÇÃO e PALESTRA

Cavaleiros Templários

Preceptório MADRAS – 22 

 14/04/2010  às 19:00 h. 

Rua Gabriel Piza, 441 – Santana – SP

Segue anexo AGENDA com o Convite/Convocação para a Sessão Ordinária nº 1 de 2010 do Preceptório Madras nº 22.

PEDIMOS A ATENÇÃO AOS CAVALEIROS E CANDITADOS COM RELAÇÃO AO HORÁRIO DE INÍCIO DA SESSÃO, 19:00 HORAS, POIS HAVERÁ, DEPOIS DA SESSÃO, UMA PALESTRA DAS 21:00 HORAS ÀS 22:00 HORAS, SOBRE CAVALEIROS TEMPLÁRIOS DO ESCRITOR PORTUGUÊS VITOR MANUEL ADRIÃO, QUE SE ENCONTRA EM SÃO PAULO.

Os candidatos a Cavaleiros do Templo, devem comparecer com os paramentos do Sagrado Arco Real.

Obs.: Reforçando – Estão aptos a serem Instalados Cavaleiros Templários somente os Companheiros do Sagrado Arco Real.                           

 

 

No passado dia 14 de Abril, quarta-feira, do ano corrente de 2010, o Preceptório Madras do Grande Priorado Templário do Brasil, na cidade de São Paulo, pelas 22:00 horas, em sessão magna conferiu no seu Templo o diploma Mérito de Honra e a cruz templária Mérito Madras ao conterrâneo português Vitor Manuel Adrião, escritor, professor e dirigente da Comunidade Teúrgica Portuguesa.

A iniciativa da homenagem ao ilustre autor lusitano partiu de Wagner Veneziani Costa, detentor de alto Grau na Maçonaria Templária Brasileira e proprietário da Madras Editora, a maior empresa editorial e distribuidora de literatura espiritualista na América do Sul.

Acompanhado da sua esposa, Ilda Esperança Carreiras, Vitor M. Adrião recebeu as homenagens dos confrades brasileiros confessando-se, no final, comovido, tendo atribuído um significado profundo ao nobre gesto afirmando que «estreitou mais ainda a relação humana e espiritual entre Portugal e o Brasil, a Teosofia e a Maçonaria, a Teurgia e o Templo, assim fincando o EQUILÍBRIO Passado – Presente – Futuro».

Vindo directamente da Capital Espiritual do Brasil, São Lourenço (Sul de Minas Gerais), para a capital paulista, a caminho de Portugal, quis a Lei de CAUSALIDADE que Vitor Manuel Adrião recebesse os meritosos galardões precisamente em 14 de Abril, data do RENASCIMENTO DE AKBEL, e numa quarta-feira, dia de MERCÚRIO, consequentemente, consagrado ao mesmo AKBEL como Luzeiro desse Globo. Mais uma prova indiscutível da ligação espiritual do autor ao Luzeiro na pessoa do saudoso Professor HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA, consignado MESTRE JHS por Teúrgicos, Teósofos, Eubiotas, Maçons, Rosacruzes, etc.

 

O dia 14 de Abril de 1957 veio a ser o DIA 0, DIA DO EQUILÍBRIO, do RENASCIMENTO DE AKBEL (R. A.). Nessa data, na Face da Terra às 12:00 horas, hora solar, o relógio sideral MATRA-AKASHA que está no Altar do Templo de MEKA-TULAN, Capital do Mundo de BADAGAS, marcou ZERO, dando início ao CALENDÁRIO DE MAITREYA, o CRISTO DE AQUARIUS que já iniciou (15:00 horas de 28.09.2005).

Nessa precisa hora solar (12:00 horas) na Face da Terra, o Venerável Mestre JHS realizou um importantíssimo Ritual da mais elevada transcendência no Portal do Templo, em São Lourenço. Ladeado pela sua Venerável Contraparte, D. HELENA JEFFERSON DE SOUZA, os GÉMEOS ESPIRITUAIS, corpos respectivos de AKBEL e ALLAMIRAH, acompanhados pelas suas Colunas Vivas e restantes Membros da GUARDA DO SANTO GRAAL, entraram no Templo Supremo da Ordem. Outros Irmãos Maiores, MUNINDRAS, abriram alas quando o Excelso Mestre ordenou que se abrissem os PORTAIS AKÁSHICOS DE SHAMBALLAH (8.ª Cidade Capital do Mundo de AGHARTA), todas as Embocaduras do Mundo, todas as Montanhas Sagradas e Orifícios da Terra, para dar saída a ARABEL na pessoa do REI SAULO (donde SÃO PAULO…).

Em quarta dimensão (astral) o Quinto Senhor ARABEL juntou-se ao Sexto Senhor AKBEL no Templo da Nova Jerusalém, Nova Meca ou Nova Shamballah do GRANDE OCIDENTE, e juntos, exaltados subiram ao Céu do SEGUNDO TRONO (LOGOS) indo contemplar o OITAVO SISTEMA (SOL CENTRAL DO UNIVERSO – o SUPREMO ARQUITECTO), após inaugurarem os respectivos QUINTO E SEXTO SISTEMAS DE EVOLUÇÃO UNIVERSAL, assinalados no empório sideral por VÉNUS e MERCÚRIO.

Nesse Ritual AKBEL pronunciou as Palavras de Equilíbrio: AKBEL – ASHIM – BELOI (OS TRÊS IRMÃOS QUE NUNCA SE SEPARAM)! ADVENIAT REGNUM TUUM! As quais a partir dessa data passaram a ser proferidas no início e no final de cada Ritual da ORDEM DO SANTO GRAAL.

Foi assim que o Futuro se fincou no Presente através de 3+3 Entidades Cósmicas representativas, no Plano imediato, de 3 Ordens Iniciáticas distintas:

 

AKBEL – ALLAMIRAH = ORDEM DO SANTO GRAAL

(6.º SISTEMA… MERCÚRIO… TEMPLO… METÁSTASE)

 

ASHIM – ARABEL = ORDEM DOS TRIBUTÁRIOS

(5.º SISTEMA… VÉNUS… TEATRO… SUPERAÇÃO)

 

BELOI – ATLASBEL = ORDEM MAÇÓNICA ECLESIAL

(4.º SISTEMA… TERRA… ESCOLA… TRANSFORMAÇÃO)

 

Como SÍNTESE dos LUZEIROS, contendo em Si a potencialidade de todos Eles, apresenta-se MAITREYA, entronizado com o OITAVO SISTEMA dessa data em diante, o qual como SENHOR DOS TRÊS MUNDOS (Humano, Psicomental, Espiritual) representa ao mesmo tempo os futuros 3 Sistemas de Evolução Universal no 4.º presente: 5.º, 6.º e 7.º confundido no 8.º – 1 quarto para o Presente, 1 quarto para Vénus, 1 quarto para Mercúrio, 1 quarto para Júpiter e, finalmente, os 4 quartos para o 8.º Sistema. Por isso é o AVATARA INTEGRAL, onde aos 4 quartos em manifestação junta os 3 quartos imanifestados como BRUMAS CELESTES de que Ele é, afinal, a Gloriosa SÍNTESE.

Daí que MAITREYA se apresente como TRÊS BUDAS REALIZADOS ou DESDOBRAMENTO TRIPLICADO da Sua própria Essência Divina:

 

TERRENO – Correspondente à Evolução da 4.ª Cadeia da Terra

AVATARA MOMENTÂNEO DE SHIVA (3.º TRONO)

(50% da Consciência do Absoluto)

 

HUMANO – Correspondente à Evolução da 5.ª Cadeia de Vénus

AVATARA PARCIAL DE VISHNU (2.º TRONO)

(75% da Consciência do Absoluto)

 

CELESTE – Correspondente à Evolução da 6.ª Cadeia de Mercúrio

AVATARA TOTAL DE BRAHMA (1.º TRONO)

(100% da Consciência do Absoluto)

 

Eis porque o TRABALHO AVATÁRICO DO GRANDE SENHOR AKBEL objectivou para todos os da Sua OBRA um Futuro muito remoto para ser vivenciado no Presente imediato, acelerando incomensuravelmente a evolução verdadeira de um e de todos rumo à pleniconsciência da sua dignidade original: a de Seres Divinos.

Os acontecimentos de 14 de Abril de 1957 foram de tão transcendental IMPORTÂNCIA que foi como se tivesse havido uma modificação geral, um aprestamento na evolução avante da Mónada Humana.

Quis a Lei do Eterno que Vitor Manuel Adrião recebesse o diploma e cruz de Mérito igualmente no período lunar NEUTRO ou de EQUILÍBRIO, isto é, a LUA NOVA, marcando o Matra-Akasha 19.359, cuja soma e redução dá 9, o Arcano do Ermitão, ou seja, do Adepto Perfeito como “Filho da Terra” (Jiva+Atmã, donde, Jivatmã) possuída do valor cabalístico 9.

Antes da imposição e entrega da cruz e diploma, o Senescal do Preceptório Madras, Wagner Veneziani Costa, fez a apresentação do ilustre visitante português aos presentes, descrevendo a sua biografia e obra.

Após, Vitor Manuel Adrião predicou de improviso dirigindo-se à assembleia com saudações iniciais aos dignitários do Preceptório:

– Eminentíssimo e Supremo Grão-Mestre, Sr. Mário Sérgio Nunes da Costa.

– Senescal Sr. Dr. Wagner Veneziani Costa.

– Exmos. Srs. Grão-Mestres Passados

               Santiago Ansaldo

               Manoel de Oliveira

– Eminente Preceptor do Preceptório Madras, Gerson Magdaleno.

– Demais Autoridades, Respeitáveis Cavaleiros

               Tribunos do Edifício Magno do Grande Arquitecto Do Universo!

– NON NOBIS, DOMINE, NON NOBIS, SED NOMINE TUO DA GLORIAM!

Iniciou com a evocação da frase do Salmo 115:1 de David, que a primitiva Ordem dos Cavaleiros Pobres de Cristo e do Templo de Salomão adoptara por divisa: “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Teu Nome dá a Glória”.

Interessante causalidade: no reverso da cruz templária imposta a V.M.A., o designer da mesma gravou-lhe exactamente o número 115!

Prosseguiu desenvolvendo em síntese os nove (eis outra causalidade, a ver com a data do dia marcada no M. A.) artigos seguintes:

Primeiro – Fundação em 1118, a pedido de Hugues de Payens a Balduíno II, nas estrebarias das ruínas do Templo de Salomão em Jerusalém, da Ordem Militar dos Cavaleiros Pobres de Cristo e do Templo de Salomão, por nove cavaleiros penitentes europeus, dos quais o nono, Arnaldus ou Arnaldo, seria possivelmente português.

Segundo – S. Bernardo de Claraval, a Regra, os Estatutos. Reconhecimento oficial da Ordem em 1128, aquando do Concílio de Troyes, com a presença do mesmo S. Bernardo, primo do Conde D. Henrique de Borgonha, pai de D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.

Terceiro – Findar trágico da Ordem em 23 de Abril de 1312, após o papa Clemente V, “capataz” do ambicioso e cruel rei de França, Filipe IV, ter emitido a bula Vox Clamantis que aboliu a Milícia.

A sexta-feira 13 é data para sempre considerada azarenta pela crença popular, desde que na madrugada de sexta-feira de 13 de Outubro de 1307 começou a prisão em massa dos cavaleiros templários em Paris.

Quarto – Evangelhos sinópticos e gnósticos.

Quinto – Gnose cristã e Islão sufi.

Sexto – Baphometh e Carvoarias.

Sétimo – Ideia gnóstica de Jesus Cristo, Maria Madalena e o Santo Graal.

Oitavo – A frota templária, o almirante D. Fuas Roupinho e a busca da Ilha Brasil.

Neste artigo oitavo, Vitor Adrião descreveu:

«O nome Ínsula Brasil já era conhecido de há muito, por certo graças à herança documental e cartográfica dos antigos navegadores fenícios e árabes que a Marinha Templária possuiria e depois a Escola Náutica de Sagres ligada à Ordem de Cristo através do Infante D. Henrique, seu Administrador Geral. Com efeito, os cartógrafos medievais destacam nas suas cartas náuticas o nome da terra Brasil, como é o caso da Carta de Pizigano, de 1367, do Atla de Andrea Bianco, de 1436, ou da Carta de Bartolomeu Pareto, 1455. Por seu turno, aquando da viagem à Índia do almirante Vasco da Gama, em 1498, ele navegou para Ocidente e ancorou defronte a terra firme e larga, que os historiadores consideram hoje ter sido o Brasil, antes de retomar a marcha para Oriente. Já antes, em 1487 e 1488, Pedro Vaz da Cunha, o “Bizagudo”, e João Fernandes de Andrade navegaram do Golfo da Guiné para o Brasil. Duarte Pacheco Pereira, autor do famoso Esmeraldo de Situ Orbis, também para aí se dirigiu várias vezes antes de Pedro Álvares Cabral em 1500, data oficial da sua Descoberta (vd. a minha História Secreta do Brasil (Flos Sanctorum Brasiliae), Madras Editora, S. Paulo, 2004). Antes de todos esses e segundo Assis Cintra baseado nos escritos do jesuíta Manuel Fialho, o capitão de mar Sancho Brandão, que pertencera à Marinha de Guerra da Ordem do Templo e terá se transferido para a de Cristo, teria chegado numa expedição de reconhecimento à “Ilha perdida do Mar do Ocidente”, mais além das Canárias e apontada como o Brasil, notícia comunicada por D. Afonso IV de Portugal ao Papa Clemente VI em 12 de Fevereiro de 1343 (St. Brendan´s Search for Paradise, in A brief history of the European Mith of de Garden. Press American Studies and the University of Virginia, 2001). Muito possivelmente já nos anteriores séculos XII e XIII haveriam navegações de longo no Mar Ocidental à Ínsula Brasil, pois esse nome era muito comum nas falas lisboetas do século XIII por ser aplicado para designar os carvoeiros da cidade como os “brasis”, certamente alcunha comparativa entre esses que manuseiam o carvão e o estado sujo, lastimoso em que regressavam à terra aqueles marinheiros de mar alto que a História traz esquecidos.»

Nono – Ode ao Brasil.

Aqui o autor exaltou o Brasil, «Terra das Brasas do Fogo Sagrado (AGNI), Santuário de Iniciação do Género Humano a caminho da Sociedade futura», evocando em encómio o Padre António Vieira, arauto do V Império da Humanidade, Joaquim José da Silva Xavier, o “Tiradentes”, protomártir da Liberdade, Fernando Pessoa, Agostinho da Silva e HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA, «que singularmente lavrou e juntou as Quinas de Portugal com as Estrelas do Brasil por uma Sabedoria de Deuses que, a falarem português, bem poderão conclamar, os homens também, que DEUS É BRASILEIRO»!

Levantando a destra, terminou abençoando a assembleia:

– Em Nome do Divino Espírito Santo, em Nome do Cristo Universal de quem sou Sacerdote segundo a Ordem e Rito de Melkitsedek, vos abençoo a todos conclamando-vos a Obreiros da Evolução do Homem que começa por vós mesmos!

Sim, em Nome da Augusta e Santíssima Ordem do Santo Graal, dos Poderes Únicos da Montanha Sagrada de Sintra, vocacionada à Realização de Deus no mesmo Homem, assim como também em Nome da Comunidade Teúrgica Portuguesa, onde também sou Vigilante Silencioso mesmo falando alto a Voz de Deus que aqui me traz, vos abençoo a todos, a guisa de amorável retribuo em receberdes minha humilde pessoa na grandeza de vosso ilustre meio!

A Paz da Pax seja convosco! Ad Majorem Dei Gloriam! Adveniat Regnum Tuum! Bijam.

Muito obrigado pela graça das vossas atenções. Tenho dito.

Anúncios