“Com três caravelas conquistarei um reino que não é o meu.” – Palavras de Colombo, que o mundo desconhece.

 

Em antigos estudos nossos, quando nesta mesma revista tivemos que falar das duas prodigiosas figuras que foram Colombo e Cabral, não podíamos deixar de aplicar a “chave filológica”, como uma das mais preciosas com que se iniciam os homens.

Assim, ao tratarmos de Colombo, por exemplo, desdobrámos o seu pseudónimo em Cristo e Colombo, Columbus, Colombina, etc., que no final de contas vai ter à Pomba – como símbolo da Terceira Pessoa da Trindade Cristã que tanto vale pela “Terceira Manifestação do Logos”, chamem-lhe de Espírito Santo ou outro nome qualquer.

Por isso que se punha ele sob a protecção dessa mesma Trindade, porém, disfarçada como Cristo, Maria e José ou Yoseph (como se diz em hebraico), mas, em verdade, ocultando uma outra Chave, que não poderiam descobrir os mais conspícuos filólogos.

Em brilhante artigo assinado por um nome ilustre que é o de Lindolfo Collor, por sinal que ao lado de um outro, por sua vez da autoria de alguém muito querido em nosso País, ou seja, o Almirante Gago Coutinho, transparece a famosa sigla constante do codicilo do testamento de Colombo, transmitida como a autêntica ao seu filho e herdeiro D. Diogo.

Não podemos deixar de ficar extasiados diante das decifrações criptográficas do filólogo português major Santos Ferreira, pois que sem ser um versado em Ocultismo, para não dizer, em Teosofia, desvendou a parte mais terrena ou humana da referida sigla. Nem sequer é leitor desta revista, embora ela já conte dezasseis anos de existência, correndo todo o Brasil e alcançando mesmo diversos países do mundo, principalmente, na Europa, Portugal e Espanha, e em nosso continente, todo ele, quer ao Norte quer ao Sul, cujos museus, instituições culturais e pessoas ilustres disputam a sua posse.

Parabéns, pois, não só ao ilustre poliglota e hebraísta português Santos Ferreira, como ao autor do precioso trabalho publicado em O Jornal, de 12 de Outubro, dedicado à Descoberta da América, lastimando outro tanto não podermos fazer com o eminente genealogista António Ferreira de Serpa, por ter falecido há pouco em Lisboa.

Procuremos, nós outros, pois, revelar o que de mais secreto (ou esotérico) faz parte da referida sigla e os possíveis pontos de vista do mesmo Colombo, e também de Cabral, diante de outros estudos que lhes temos dedicado no decorrer dos 17 anos de existência da Instituição que dirigimos, e 16 desta revista, como o seu órgão oficial desde 1925, ou seja um ano depois da fundação material da primeira.

É por essa sigla encontrada no codicilo do testamento do grande Almirante que diversos países, tanto tempo depois do mesmo ter morrido – como Cabral – na maior das misérias e abandonado por amigos e pelo próprio rei Fernando, por ter dado crédito aos seus caluniadores, agora fazem questão de o “terem como filho” (1).

Fac-símile da escrita e da SIGLA de Colombo, reproduzido da obra Amerika, de Rudolf Cronau

Cristóvão Colombo e seu brasão

Já tivemos ocasião de dizer que o Grande Iniciado, que era Colombo, colocava-se sob a protecção da “Sagrada Família”, como são chamados Jesus, Maria e José (note-se que ele preferiu substituir o nome da Jesus pelo de Cristo… e isso tem muita importância esotérica), mas, em verdade, ocultando uma outra Chave, referente ao que todo o Iniciado reconhece como “Governo Espiritual do Mundo” formado por “Três Pessoas distintas e Uma só verdadeira”, na razão da Tríade Superior teosófica, a Mónada ou Consciência Universal. Com outras palavras, “o Rei do Mundo e os seus Dois Ministros ou Colunas Vivas”. Note-se mesmo que em tal sigla figura um S no vértice da pirâmide formada com as 7 referidas letras, e nas duas filas inferiores ou por baixo da primeira figuram também 3 letras, na razão do mesmo Governo Espiritual do Mundo.

No entanto, o S superior (que tanto vale por Salvador, como algo mais ainda) relaciona-se à Linha SERAPIS de Adeptos, que naquela época não estava ainda formada na face da Terra, por isso mesmo, falava e agia Ele, Colombo, ao mesmo tempo como um Serapis (reportem-se ao deus Serapis egípcio e seus sacerdotes, etc.) e como “Sumo-Sacerdote Aghartino”, tal como Nostradamus, Paracelsus e outros mais, cada qual com a sua missão ou papel no mundo, isto é, quer como “profetas, teurgos, terapeutas”, etc., quer como navegadores ou descobridores. Muito mais interessante sabendo que o mesmo Colombo, descobrindo o Novo Mundo, estava trabalhando pelo Advento de dois Ramos raciais: o 6.º no Norte-América, e o 7.º no Sul-América, e cujos Ramos no futuro se interpenetrarão ou formarão um só. Sim, daqui a alguns milénios, quando justamente a 5.ª Raça-Mãe ou Ária tiver alcançado o máximo da sua evolução (2).

E a prova de tudo isso acha-se no restante da mesma sigla: S A S, para “Sumo-Sacerdote Aghartino”, sendo que como homenagem à sua verdadeira Pátria – a AGHARTA – a inicial desta fica no meio e os dois SS em lateralidade, na mesma razão, aliás, do referido Governo Espiritual do Mundo, isto é, o Rei no centro e os dois Ministros nas referidas extremidades. Foi de tão transcendente mistério que saíram as Duas Colunas do Templo de Salomão, até hoje adoptadas pela Maçonaria, embora esta bem longe esteja de saber, com exactidão, o verdadeiro significado dos seus símbolos. Uma Coluna de Ouro ou Solar, e outra de Prata ou Lunar. Na Vedanta, são os dois Caminhos: Jakin ou Jnana, Conhecimento, Iluminação, etc., e Bohaz ou Bhakti, Devoção, Mística, Amor, mas, em verdade, Justiça. A expressão, portanto, do mesmo Rei Salomão: Justo e Sábio, como o são todos os Iluminados. Tais iniciais figuram nos nomes e nas vidas de muitos dos referidos Seres. Haja vista João Baptista, anunciador de Jesus (ou Jeoshua Ben Pandira). E este tem por palco cénico da sua vida: Jerusalém e Belém. José Bálsamo foi o pseudónimo de Cagliostro, até ao dia em que um “charlatão”, ou antes, Mago Negro, se assenhoreou, muito propositadamente, de semelhante nome, para… destruir os transcendentais esforços do Grande Iniciado.

O Grão-Mestre, nas Sociedades Secretas, representa o terceiro Caminho da Vedanta, que é o de Karma. Por isso, toma lugar entre as duas Colunas. É, ainda, a haste central da Balança, cujas duas conchas (Amor e Sabedoria ou Justiça) devem estar equilibradas, sob pena de não ser um Adepto ou Homem Perfeito.

Vejamos, agora, a segunda série de 3 letras, ou sejam, K, M Y. Qualquer membro da S.T.B. (também 3 iniciais) diria imediatamente: Cristo – Missão Y, nome por que é conhecido o nosso Trabalho, justamente por abranger os dois referidos “Ramos raciais” para cujo Advento, como foi dito anteriormente, veio Colombo descobrir o novo ou 5.º continente. Ele os contava pelos cinco dedos da mão, pelos cinco sentidos, pelos Tatvas ou “forças subtis da Natureza”, que também são cinco, etc. Por isso mesmo, não podia enganar-se. Assim, toma como exemplo um ovo, para ser colocado de pé em cima da mesa em Morno, em torno da qual estavam aqueles que o contestavam, como fizeram com Jesus, no Templo, os sacerdotes ou doutores… Além disso, o ovo – como um embrião – representa um por venir ou porvir: o futuro que ali estava lançado ou jogado… em cima de uma mesa. Não uma profecia vulgar, mas… a Ciência dos Magos, Adeptos, Iluminados, etc. No Tarot (cartas de jogar ou Arcanos Maiores e Menores em número de 78, ou sejam, 22 Maiores e 56 Menores), o Arcano 7 ou o número total da sigla (1+3+3 igual a 7…) é representado pelo Carro ou Merkabah. Hieroglificamente, é uma flecha, com a ideia de arma, de instrumento que se emprega para governar (não era Colombo um grande navegador, a ponto de dominar a tripulação revoltada e vir ter aos umbrais do Novo Mundo?…), dirigir, vencer, etc., a todas as coisas na vida. Duas flechas põe ele na sua assinatura (Christoferens), uma apontando para o Céu e outra para o Seio da Terra, referindo-se o ponto que às duas separa à própria Terra, o seu eixo, etc. Esotericamente falando, como um Iluminado que era vencedor se fez dos 3 Mundos: o Divino, o Humano e o do Seio da Terra, para os ignaros, o Inferno, mas, em verdade, “Reinos Inferiores”, por se originar do termo In-fera.

Astronomicamente falando, tal Arcano e letra correspondem ao signo de Gémeos… e só isso daria para escrever um compêndio, inclusive no que diz respeito à Direcção da referida Missão Y, em tudo e por tudo, em forma-dual.

Quem conhece o Tarot, sabe muito bem que tal Arcano é representado por um Rei que dirige o Carro… onde se acham atreladas duas Esfinges, ou Andróginos em separado: o Pai-Mãe dirigido pelo Filho. Nesse caso, Cristo, Maria e José ou Yoseph, mas no seu verdadeiro sentido… e não naquele mayávico ou “ilusório”, que muito propositadamente lhe deu o Grande Iniciado, numa época em que quem não fosse cristão, melhor dito, católico (não foi Isabel, a Católica, quem lhe ofereceu as 3 caravelas?…), não arranjava coisa alguma na vida, facto que ainda hoje muitas vezes acontece.

Quanto à sua própria assinatura (em cima, a razão de ser do seu trabalho, ou em nome de quem Ele, Colombo, levava avante semelhante Missão na face da Terra. E por baixo, de modo velado, quem Ele era…), CRISTOFERENS, ou “aquele que conduz, que leva o Cristo”, não só em seu nome (como uma das interpretações), mas, também, “o que conduz o Cristo” ao Novo Mundo. Por isso mesmo, “com três caravelas conquistarei um Reino que não é o meu”, na mesma razão das palavras atribuídas a Jeoshua, como um outro Cristo: “o meu Reino não é deste mundo” (3).

O Ermitão ou HOMEM PERFEITO

Note-se, ainda, que a palavra CRISTOFERENS, escrita como se vê na sigla, ou do modo greco-latino, possui 9 letras. E o Arcano 9, no mesmo Tarot, é representado pelo ERMITÃO, Iluminado ou Homem Perfeito. Razão de trazer na mão uma lanterna acesa, “iluminando o caminho” a quantos o quiserem seguir.

A sua letra é o Teth hebraico, representado hieroglificamente por um TECTO, telhado ou cumeeira. Símbolo, portanto, de protecção. Não implorava a protecção de uma Trindade (3 vezes 3 igual a 9…) o mesmo Colombo, digamos, aquela sob cuja égide ele mesmo se encontrava, com semelhante Missão?

Astronomicamente, corresponde ao signo do Ledo. Esse mesmo “Leão ou Dragão de Ouro” da famosa profecia de Paracelso (além daquela da Flor-de-Lis que seria destruída, da qual falamos neste mesmo número na Secção dedicada a São Lourenço, na razão da queda dos Bourbons, ou seja a mesma Monarquia, para a implantação da República francesa), dizíamos, serviria de símbolo para um Henrique que deveria vir do Oriente, e, embora mal interpretada pelos “profetas” de hoje que, diga-se de passagem, “proliferam como erva daninha”… baralhando o verdadeiro sentido das coisas. Não é também interessante que o Brasil tenha essa conformação geográfica? (4)

A soma total da sigla é 16, isto é, 7+9 = 16: A Casa de Deus, como é chamado semelhante Arcano. Como Terra da Promissão ou Nova Canaã, todo o Continente Americano representa a “Casa de Deus”, como prova ter sido até agora poupado pela grande destruição por que está passando o mundo…

Não fomos também, embora nada sejamos (na razão do Ego sum qui sum, ou “Eu sou quem sou”…), improvisado navegador, indo da cidade do Salvador, que passa por ser a do nosso nascimento, a Portugal… e dali a São Lourenço de Goa, depois a Ceilão, Calcutá, a caminho do Norte da Índia?

Por uma dessas interessantes causalidades, o emblema da prefeitura da referida cidade é “a pomba solta por Noé que volve conduzindo no bico o ramo de oliveira”, e por baixo a conhecida frase latina, SIC ILLA AD ARCAM REVERSA EST (assim voltou ela para a Arca ou Barca). Barca, Arca, Caravela, o quer que seja, tanto se refere ao próprio termo Cristo, Salvador, etc., como ao de Colombo, Colombina ou Pomba… do Espírito Santo.

As Armas da velha cidade de THOMÉ DE SOUZA

Donde, a Maha-Yana ou “Grande Barca de Salvação” do Budismo do Norte, em um de cujos Templos estivemos, do mesmo modo que, antes de chegarmos a Calcutá tocando em Ceilão, estivemos em contacto com a Hina-Yana ou “Pequena Barca de Salvação” do Budismo do Sul, em cujo lugar vieram juntar-se à comitiva Dois misteriosos Seres, para formarem um TERNÁRIO com alguém da comitiva, se os outros (mais quatro…) completavam o iniciático número 7. Sem temor de fazer cair sobre nós a “Ira de Jehovah”, chamá-los-íamos de KUMARAS, pois um deles, além do mais, possuía “pés tão pequeninos” que pareciam de cabrito… Mas paremos aqui, por ser vedado dizer o resto.

Quanto à Salve ou Ave-Maria, etc., que se encontra em tal sigla, faz-nos lembrar também, na nossa tão simples maneira de interpretar as coisas, o de Ave-Mare (Maria provém de Mare, o Mar, etc., estamos fartos de ensinar), nesse caso, uma “ave marinha”, se era Colombo era um grande navegador, sem falar no resto, que é muito mais importante ainda: Ave ou Avis (Avis Raris in Terris”, que ele também era…), se do mesmo Colombo se diz “ser um filho bastardo de um príncipe da Casa de Avis, e… o último dos rebentos de D. Henrique”. Com vista à Ordem de Avis que, muito antes, chamava-se de Mariz.

Por que havia Colombo de ter por nome exotérico Salvador Gonçalves Zarco?

Quanto ao termo Salvador, já se falou por demais. Sobre o de Gonçalves ou Consalves, os dois ilustres filólogos portugueses disseram o que lhes foi possível dizer. E de modo sem igual, do ponto de vista profano ou exotérico. Quanto ao Alves final do segundo nome, faz ainda lembrar o de Avis, o de Álvares, e, por que não dizer?, de um outro Ser muito mais misterioso ainda, que se chamou Nun´Álvares (o Condestável).

Albor ou Alvor (a alvorada de um Novo Ciclo com a descoberta, por sua vez, de um Novo Mundo), também provém de ALBOREA, Al-Bordi (Montanha Primordial, etc.), e finalmente Albion que possui a mesma AGHARTA, dentre os diversos nomes que as tradições de vários países lhe dão. A “velha Albion” é a mesma Inglaterra, como um dos pedaços da Atlântida poupados pela grande catástrofe…

Quanto ao termo ZARCO, desdobra-se em Z (Zeus, Zero, Zoro ou Goro, donde o termo “Goro ou Sacerdote do Rei do Mundo”, que se encontra nas escrituras transhimalaias) e ARCO, pois que ao mesmo “arco-íris” se denomina de “ponte de fio de navalha”, que conduz de um Mundo a outro, na razão do “Mundo de Duat, Mundo Jina, Astral”, etc., que separa o Humano do Aghartino; do mesmo modo que, em sentido contrário ou de subida, elevação, etc., o ponto de partida é o Humano ou Terreno, ficando o Astral em relação com o “Véu Akáshico ou de Maya”, ou seja, o mesmo que a Cabala, na sua linguagem velada, denomina de Quod superius, sicut quod inferius… justamente por separar o Terreno do Divino. Zero-arco ou astro (astral, etc.) foi o nome de um dos Seres da série dos ZOROASTROS, que em verdade, como “religião do Fogo ou Solar”, demonstra que ZERO-ASTRO não é outro senão o próprio Sol. E a prova é que o grande faraó Kunaton instituiu o culto ao “disco (ou zero) solar”. E Aton equivale ao mesmo Sol (5).

Outrora, escrevia-se Espanha com H, por isso mesmo, as 3 letras que compõem o nome de Helena Petrovna Blavatsky, mesmo porque a sua Missão, ao lado de Olcott, para a América do Norte ocultava aos nomes dos países donde vieram para aí as Mónadas (a Península Ibérica), isto é, Hespanha e Portugal, firmando-se muito especialmente no Brasil. Depois de fundada a nossa Obra, passam tais letras a significar: HOJE PELO BRASIL!

Não são os dois idiomas usados na América do Sul? Isso, além do mais, vem provar que, exotericamente falando, Colombo, por adopção ou escolha de pátria, era espanhol, enquanto Cabral era português, mas na verdade a sua verdadeira Pátria, como foi dito, tanto se acha no Gonçalves de Colombo, como no Álvares de Cabral.

Pedro Álvares Cabral e seu brasão

Se se traçar uma linha recta de Porto Seguro (Atlântico) até alcançar o lado oposto ou Pacífico, atingiremos Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, algo assim como uma “marcha para Oeste”, ou de se unirem os dois “mares-oceanos”, como se dizia antigamente. Outrossim, traçando-se uma vertical partindo da Serra do Roncador, em Mato Grosso, da qual tanto falamos em nossos escritos, vai-se ter a Vila Velha, em Ponta Grossa, no Estado do Paraná. Razão de se dizer de modo velado, mesmo agora ainda o estamos fazendo, que… numa transcendental geminidade, alguém vem ao mundo, à nossa Obra, de Mato Grosso, enquanto um outro do Paraná, e a seguir mais um, de Porto Seguro, no Sul da Bahia, e finalmente um último ou quarto, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, para dar razão de ser a um CRUZEIRO Mágico, que embora traçado na face da Terra tem a forma idêntica em seu seio, e nos céus a esplendorosa constelação possuidora do mesmo nome, que a bem dizer é o precioso símbolo estelar da Pátria Brasileira. Donde possuir ela a Ordem do Cruzeiro, como a mais alta distinção que se pode conceder a um homem ilustre, um herói, um benemérito, enfim, seja nacional ou estrangeiro (6).

Volvendo às 3 iniciais H.P.B. no que diz respeito a Helena Petrovna Blavatsky, foi ela, ao lado de Olcott, uma espécie de Yokanan ou Anunciadora – além do seu papel, como já foi dito, para a 6.ª Sub-Raça no Norte-América – de um par verdadeiro, cujos nomes são completamente idênticos, ou sejam, Henrique e Helena. Uma simples casualidade, e não que tenha algo a ver uma forma-dual com a outra.

JHS, como se viu, sai da cidade do Salvador indo a Portugal, onde, além do mais, existe uma estância hidromineral (como a Sul-Mineira) denominada S. Lourenço dos Ansiães, região essa onde há muitos anos se reuniam os primeiros Membros de uma Ordem Secreta denominada dos Marizes (dos Morias, dos Mouros, etc.), dos quais existem ainda muitos ramos familiares no velho Portugal com esse nome, e por sinal que José de Alencar, no seu imortal romance O Guarani, ao pai e irmão de Ceci deu os nomes de António e Diogo de Mariz. Pouco importa que o contestem, mas foi dessa mesma Ordem que surgiu a mais conhecida, ou seja, a de Avis. Não se deve esquecer que a dos Templários, por sua vez, se transformou na Ordem de Cristo. A cor da fita e do emblema dos Avises era Verde, enquanto a de Cristo, Vermelha. A união entre ambas forma a cor da primitiva Ordem donde ambas saíram: a dos Marizes. Sim, com essas mesmas cores (verde e vermelho) surgiu o Pavilhão da Pátria Portuguesa… Mistérios que o mundo profano não sabe nem pode descobrir…!

Assim, o “Sumo-Sacerdote Aghartino KRISTOFERENS COLUMBUS”, se assim o quiserem, também era Grão-Mestre dos Taichús-Marús (7), relacionados com os 22 Templos Aghartinos (os mesmos Arcanos Maiores) de que fala Saint-Yves d´Alveydre numa de suas obras ocultistas, embora de modo velado. Cada Sumo-Sacerdote Aghartino forma lateralidade com um outro Ser, para um de maior categoria que fica no centro, pois sendo 7 as Cidades da referida Região, na razão de 3 Templos para cada uma delas, dirigidas por essa mesma Trindade (a Trindade de Colombo e de todos os Grandes Iniciados…), formam o número 21, que unidos a uma Síntese de todas as 7 Cidades (ou uma 8.ª, tal como na Atlântida) completam o número 22. A tal Cidade daremos, de preferência, o nome SHAMBALLAH, por ser o mais conhecido de todos, embora tenha o seguinte significado: SHAMBA, SHOMA, etc., e ALLAH, isto é, “a Cidade Lunar, a Cidade dos Deuses”, etc., por ser uma Ilha. Sim, a chamada “Ilha Imperecível”, pois que nenhum cataclismo a pode destruir…

Da mesma maneira que a palavra constituída por sete letras, que é também a chave da Franco-Maçonaria, ou seja VITRIOL (termo alquímico muito conhecido, para a famosa frase latina VISITA INTERIORA TERRAE RECTIFICANDO INVENIES OMNIA LAPIDEM, tantas vezes por nós empregada), apontava essa Região Sagrada a que acabamos de nos referir, assim também as sete letras superiores da sigla de Colombo, como já o dissemos e provámos tanto quanto é possível fazer-se através de uma revista como esta, ligadas se acham com a mesma Região antes apontada, com a missão do grande navegador, e até ao futuro, ao porvir para o qual estava ele trabalhando… Sim, pois o mesmo S, que serve de cúspide a semelhante pirâmide, tanto pode ser o de Salvador, como de Srinagar e até de São Lourenço, deixando de parte o A, que possui um outro sentido que não vem ao caso apontar. Nesse caso, 3 SSS como os que figuram entre as sete letras da sigla de Colombo.

A missão de Cabral não é mais do que um codicilo para o espiritual Testamento de Cristóvão Colombo. Foi ele – como Pedro – a pedra fundamental, ao raiar do século XVI (1500), do Grande Edifício Humano.

Por isso, a capital baiana de Cristóvão Colombo traz o nome de Cristo ou SALVADOR, enquanto do outro o de BAÍA CABRÁLICA ou VERA CRUZ.

1500! Ano de Cristo ou Cristiano, como o verdadeiro ROSACRUZ. Sim, a rubra (ou ensanguentada) Flor Crística (cor da referida Ordem em Portugal) cercada de espinhos… no centro de uma CRUZ.

Um século que se finda: Colombo. Outro século que começa: Cabral. Séculos XV e XVI. O Kumara, a Casa de Deus, segundo os mesmos Arcanos.

No XVII, o Ocultismo da Renascença. A Revolução de Oliver Cromwell na Inglaterra, a Francesa no século imediato. Cem anos justos antes de ser implantada a República Brasileira. Do mesmo modo que a misteriosa passagem dos Condes de Cagliostro e São Germano na face da Terra…

As 3 iniciais LPD (sempre 3…) que o mesmo Cagliostro trazia no peito, como Grão-Copta de certa Fraternidade Egípcia, com o significado de LILIA PEDIBUS DESTRUE, e com a qual foi, de facto, “destruída a Flor-de-Lis dos Bourbons” (vide o nosso estudo neste número, na Secção dedicada a São Lourenço), para não dizer, implantada a República Francesa, e um século e meio depois, de modo caótico (ou oposto), foram as mesmas que a destruíram, já então servindo de nomes a certas personagens, chamem-se elas Laval (Leon Blum), Petain, Daladier, ou mesmo Darlan…

Nós outros, de há muito já as tínhamos exaltado em nossa própria Obra, isto é, na parte do Globo onde se dá a Construção e não a Destruição… através do termo LAUDATE PUERI DOMINE, “louvai, crianças, ao Senhor”. Sim, porque é nelas que se acham todas as esperanças da SEMENTE que há-de germinar e produzir os frutos de uma Nova Civilização, ou não fosse o nosso lema Spes Messis in Semine, “a esperança da colheita está na SEMENTE”.

Sim, a Obra começou – desta vez – em SRINAGAR, para se consolidar ou objectivar em São Lourenço através daquele “par” que, para o mundo, passa por ter nascido na “Cidade do Salvador”.

LORENZO PAOLO DOMICIANI, por sua vez, era o nome secreto do Conde de São Germano, pouco importa que ninguém o saiba ou ouse contestar as nossas palavras…

São Germano representava o CONSTRUENS, enquanto Cagliostro o DESTRUENS. O equilíbrio entre ambos, equilibra também a Evolução geral do Mundo. LOURENÇO PRABASHA DARMA – pouco importa que todos agora o saibam – é o nome do Manu. Sim, o Manu da 7.ª Sub-Raça…

Repetimos: LOURENÇO PRABASHA DHARMA, sim, porque o Oriente aí está representado no sânscrito como língua sagrada na velha Aryavartha. Enquanto o Ocidente no português do termo LOURENÇO. Língua, por sua vez, Sagrada, pelo privilégio de ser a adoptada nas duas Pátrias Irmãs, que melhor seria dizer, Mãe (Portugal) e Filho (Brasil). Não exigiu a Lei que o Oriente se fundisse no Ocidente?

Quanto à Língua Portuguesa, ressoa como o canto dos Devas (Anjos) no Heptacórdio Celeste. No Grande Concerto Universal da Cadeia Septenária, não foi ela a escolhida para a Civilização conhecida sob o nome de “7.ª Sub-Raça do Ciclo Ário”? Por isso que a Missão da S.T.B., no que diz respeito ao continente sul-americano, é denominada de Missão dos Sete Raios de Luz.

Dizer as afinidades que o referido termo (LOURENÇO) tem com a Obra em que a S.T.B. se acha empenhada, não fica bem em semelhante trabalho, e, sim na Secção dedicada a ele mesmo, que é sempre a “Chave que fecha o portal de cada um dos números do seu órgão oficial, a revista DHÂRAN”.

LAURENTA é o nome que tem o 22.º ou último Arcano Maior, também chamado O MUNDO. É sua letra o Thau hebraico, que tem por hieróglifo o seio. Seio da Mulher ou Mãe, que amamenta o seu filho na primeira das 4 idades da vida. Seio, também, da Mãe-Terra, para todos os seres que nela habitam, por isso mesmo, seus filhos. “Seio da Terra” ou “Laboratório do Espírito Santo”, como o denominam as escrituras sagradas do Oriente. Espírito Santo, como se disse em outros lugares, simbolizado pela Ave (Avis) solta por Noé (lido anagramaticamente, é o ÉON grego, com o significado de: “Manifestação da Divindade na Terra”), e que volta com o esperançoso ramo de oliveira no bico (Ramo racial, entretanto, se todo o Manu, seja Moisés ou outro qualquer, vem sempre à frente de uma nova Raça ou Civilização…).

Nos primitivos alfabetos hebraicos, tal letra era representada por uma cruz, embora até hoje ignorado fosse tão obscuro simbolismo, que outro não é senão o Thau, como 22.ª letra do referido alfabeto, relacionar-se, cabalisticamente, com O Mundo. Não é esse o significado do Arcano 22? Uma cruz tanto vale pelo número 4 (4 braços, etc.), e a prova é que, astronomicamente falando, possui o seguinte símbolo:

ou seja, o mesmo Mundo… com o seu pesado madeiro kármico às costas. Enquanto Vénus, como seu reflexo nos céus, é justamente o contrário:

Por isso que da mesma vieram Aqueles que dirigem a Terra: os “Senhores de Vénus”.

Como Manifestação Divina ou Terceiro Logos, é inscrito de outro modo:

  Sim, a cruz passa para o centro do círculo, ou, antes, para “o seio da Terra”. Símbolo, portanto, do Espírito Santo, como Terceira Pessoa dessa mesma Trindade.

Júpiter, assinalado do seguinte modo:

equivale a um “quatro”. E quando se coloca sobre seu divino Trono, o mesmo número fica aí invertido:

Trono ou Cadeira, tanto vale.

Não é a mesma Terra o 4.º Globo do nosso Sistema? E tudo nele não se regula por um “compasso quaternário”? As 4 Idades, Ciclos ou Yugas, como lhes chamam as mesmas escrituras orientais; as 4 fases lunares, as 4 marés, os quatro tempos respiratórios (inspirar, guardar o ar nos pulmões, expirar e conservá-lo fora); as 4 idades da vida humana (infância, adolescência, maturidade e velhice). O lema da Esfinge, é: SABER-OUSAR-QUERER-CALAR. E assim tudo o mais…

Razão porque a última lâmina do Tarot é representada por “uma Jovem a quem se dá o nome de LAURENTA”, além do mais, por estar cercada de louros ou lauréis… Em cada canto da referida lâmina, um dos 4 Animais da Esfinge, simbolizando também os 4 pontos cardeais, que são dirigidos cosmicamente pelos 4 Maharajas (ou “Grandes Reis”…). No baralho de jogar, quatro não são esses mesmos Reis, na razão dos 4 naipes que o compõem?… Do mesmo modo, os 4 elementos: Terra, Água, Fogo e Ar. E na sua parte mais transcendente a Palavra Sagrada, por sua vez, é composta de 4 letras: IOD-HE-VAU-HE, embora o segundo He tenha uma pronúncia bem diferente da que julgam os mais conspícuos hebraístas.

E, como prova material e indiscutível de tudo isso, não foi em São Lourenço, sobre o cume duma Montanha, que começou o trabalho de arregimentar as Mónadas que, em torno de LOURENÇO PRABASHA DHARMA, irão constituir, nas terras descoberta por Colombo e Cabral, as civilizações dos últimos Ramos raciais?

Montanha Sagrada como o Monte Merú, o Monte Sinai, o Gólgota, o Tabor, o Albordi, o Moria e tantas outras mais…

O mistério insondável das Montanhas! Nelas nascem os rios que fogem em cristalinos coleios (semelhantes à marcha de Kundalini, o Fogo Serpentino) para os “mares-oceanos”, como eram outrora chamados os grandes mares. Nelas nascem todas as Obras de carácter divino! E nelas são sacrificados os Mártires dessas mesmas Missões… (oito)

O facto de alguém se chamar Pedro Alvares Cabral e adoptar por brasão vários ramos de uma Árvore (a Árvore Genealógica dos Kumaras ou Cabiras), tendo em baixo, no escudo, dois CABRITOS, e em cima ou no “cume”, na cúspide, etc., um outro um pouco menor, na razão de uma Trindade Kumárica, ou Pai, Mãe e Filho, denota superiores conhecimentos esotéricos que não os podem ter homens vulgares, por mais ilustres que sejam. Bastava isso para confirmar tudo quanto dissemos a seu respeito.

Por isso mesmo vamos parar aqui, por já termos falado demais, embora direitos nos facultasse a Lei para tanto, justamente quando dois “fronts” completamente distintos se apresentam aos olhos do mundo: o das Forças do Mal dirigindo o Ciclo agonizante, e o das Forças do Bem, por sua vez, dirigindo o Ciclo que ressurge das cinzas do Passado, para fazer jus ao precioso conceito do sociólogo mexicano José Vasconcelos, ao dizer: “É dentre as bacias do Amazonas e do Prata que sairá a Raça Cósmica realizadora da Concórdia Universal, por ser filha das dores e das esperanças de toda a Humanidade”.

Salve, Árvore Genealógica dos Cabiras, honrada nos preciosos nomes Cristóvão COLOMBO e Pedro Alvares CABRAL!

 

Vitam impendere Vero!

 

NOTAS 

 

(1) Já tivemos ocasião de dizer em um dos referidos artigos: “Fiquem com as glórias, mas ao menos deixem ao homem… as suas misérias, além do mais porque outra foi a sua verdadeira Pátria”…

(2) Vide O Verdadeiro Caminho da Iniciação, e outros estudos nossos por esta revista, onde tratamos com maior profundeza do magno problema dos ciclos raciais.

(3) Sobre o verdadeiro significado do termo Cristo, veja-se o longo estudo que fizemos no nosso livro O Verdadeiro Caminho da Iniciação e em várias publicações desta revista.

(4) Todos os países possuem a sua, tal como o exige a Lei. Um até em forma de botaBota difícil de descalçar diante de um outro Leão, que é aquele de Judá, que volveu à praça de Adis-Abeba em lugar da Loba… como tanto o desejava o imperador Heilé Selassié com as suas duas enigmáticas iniciais, só faltando um J, se é que não o possui em seu nome secreto…

(5) KUNATON lido anagramaticamente, ou seja, NOTANUK, quer dizer: “o doador de favores, o que empresta a vida a todas as coisas”, etc., embora até hoje ninguém tenha decifrado semelhante mistério… O mesmo deus Ptah do Egipto, note-se bem, representa o Terceiro Aspecto daquela mesma Trindade a quem implorava Colombo, etc. Do mesmo modo, é “o distribuidor de favores”!…

(6) A Ordem do Cruzeiro possui cinco graus: 1.º Grã-Cruz, 2.º Grande Oficial, 3.º Comendador, 4.º Oficial e 5.º Cavaleiro.

(7) Em artigo nosso publicado nesta revista em 1927, dissemos sobre o assunto as seguintes palavras:

“A AGHARTA mantém 22 Templos ou os 22 Arcanos Maiores de Hermes, que são ainda as 22 letras de vários alfabetos, inclusive o hebreu, e representa o ZERO místico (Zero Astro ou Sol, tanto vale, donde o nome ZOROASTRO, etc.) ou o Incognoscível. O Zero é Tudo ou Nada. Tudo para a Unidade harmónica. Nada sem Ela. Tudo pela Sinarquia, Nada pela Anarquia.

“Um outro Templo encobre essa (serve de escudo, de “círculo de resistência”, etc.): é o da Maçonaria dos Taichús-Marús, cujos ramos se estendem, secretamente, na Ásia e em muitos países cristãos.

“Esta Maçonaria, melhor dito, Fraternidade Secreta, cujo Templo é mais conhecido, dizemos hoje, como o dos Bhante-Yaul ou Jaul (na razão das duas iniciais das Colunas do Templo de Salomão, ou J e B, Jakin e Bohaz, etc.) compõe-se de 30 Lojas, e cada Loja, por sua vez, compõe-se de um Mestre e 33 Obreiros (deixemos passar a numeração, que não é bem essa, aparte opiniões contrárias), e cada Obreiro tem 33 Discípulos. Ela possui por detrás das suas 33 Lojas um Conselho, presidido por um Ser de Hierarquia elevada (o mesmo “Rei do Mundo”, Melkitsedek, o nome que lhe quiserem dar).”

(oito) Cuidado, porém, com os “messias guerreiros”, que sendo também 3 na agonia de um Ciclo para o nascimento de outro… mais parecem “avataras” demoníacos, como aqueles 3 flagelos de Deus: Átila, Gengis-Khan e Tamerlão.

 

(Revista Dhâranâ n.º 110 – Outubro a Dezembro de 1941 – Ano XVI)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements