serra de monsanto - cabeçalho

 Páscoa de 2015

Não é a primeira vez que falo de Monsanto, no interior da Beira Baixa, junto à raia. Volto agora ao assunto desde já assinalando que os vectores historiográfico e teosófico encontram-se e interpenetram-se de maneira inextrincável, deixando assim o contributo pessoal ao entendimento aprofundado deste povoado singular alcandorado nas alturas, considerado a “aldeia mais portuguesa de Portugal”, florígero de humanidade e tradição no granito deste Monte Santo beirão.

Próximo dele, no sopé mais adiante, encontra-se Idanha-a-Velha, topónimo oriundo daquela que é uma das povoações celto-lusitanas mais antigas de Portugal que durante o período da ocupação romana ganhou foro de civitas, “cidade”, por sua grande importância geoestratégica e comercial, estando documentada desde o ano 16 a. C. por uma inscrição onde consta que Quintus Lallius, cidadão da Emerita Augusta (Mérida), “deu de boa vontade um relógio de sol aos Igeditanos”, núcleo populacional fundado no período de César Augusto no século I a. C. e que teve uma enorme importância para Roma por plantar-se junto à importante via militar e económica que ligava Mérida e Guarda. Toponimicamente, Idanha-a-Velha derivará da denominação romana Civitas Igaeditanorum, donde resultou Igeditania, sendo Igaedo uma divindade local, um génio do lugar venerado pelos igidaetanorum, povo luso-romano que aparece mencionado numa lápide romana existente na ponte de Alcântara, de 105 d. C., atestando a importância da urbe[1]. O nome Egitânia só surge em documentos do século VI d. C. e deriva da forma visigótica Egitania que a expressão árabe grafou Idania, segundo Fernando de Almeida[2].

Com a invasão sueva no século V d. C., a Civitas Igaeditanorum foi completamente modificada e no século seguinte, em 561, são os mesmos suevos a instituírem o Bispado da Egitânia, já com eles perdendo para o domínio visigótico, quando então a cidade recuperou a prosperidade e importância geopolítica, económica e sobretudo religiosa, pois durante o mesmo foi construída a catedral, o palácio dos bispos, o paço episcopal e a ponte do papa São Dâmaso I (Idanha, 305 – Roma, 11.12.384). Os bispos egitanienses tiveram destacado papel político e religioso na Igreja hispânica, como ficou provado no Concílio de Lugo em 569, onde o Bispado de Idanha participou, na ocasião ainda sem o apelido “Velha” (que Idanha-a-Nova só nasceria muito depois). No ano 572, Idanha tornou a intervir no II Concílio Bracarense onde se destacou Adório, bispo egitaniense. Finalmente, em 599 Idanha foi elevada a sede de Diocese, e por sua importância tornou-se centro de cunhagem de moeda em ouro (trientes)[3] entre os finais do século VI e a segunda metade do século VIII. É ainda tradição que em Idanha nasceu Vamba, o último rei visigodo entre 672 e 680 que faleceu em 688 no mosteiro de S. Vicente, em Burgos.

Trientes

No século VIII, no ano 713, a cidade foi tomada pelos árabes que mudaram completamente a sua feição, tendo no século IX o muladi Ibn Marwan transformado a catedral de Santa Maria de Egitânia, sede diocesana, em mesquita maior[4], modificando a sua estrutura arquitectónica e orientação cardeal ajustando-a à catequese da fé dominante, ainda assim motivo de interrogações pelos actuais arqueólogos e historiadores de Arte. O facto levou à migração de boa parte da população cristã para outros lugares ainda não ocupados pelo Islão, e aos poucos a cidade decresceu em importância e valor político económico a ponto de tornar-se menos que um vilarejo esquecido numa raia que então não existia. Tanto assim foi que em 1114 a rainha D. Teresa fez a doação de Idanha ao mordomo-mor portucalense D. Egas Gosendes de Baião e sua esposa, Unisco Viegas, dizendo “que há muito está deserta”[5]. Isto leva a deduzir que os cristãos não seriam tão mal aceites pelos muçulmanos e que as duas crenças respeitar-se-iam mutuamente, desde que não houvessem ingerências de foro político que colidisse com a shariah ou lei islâmica. O facto é que Idanha permaneceu árabe até mais de metade do século XII.

Nas campanhas militares insertas no Pelágio ou reconquista cristã, já no reinado de D. Afonso Henriques, a Ordem dos Cavaleiros Pobres de Cristo e do Templo de Salomão, vulgo Ordem do Templo, conquistou Idanha-a-Velha e Monsanto em 1165, tendo o rei doado à Ordem, na pessoa do seu Mestre Provincial D. Gualdim Pais, esses lugares, conforme a sua Carta de Doação de 30 de Novembro de 1165: “Afonso, notável soberano do Condado Portucalense, filho do Conde Henrique e da Rainha D. Teresa e neto do grande e ilustríssimo Imperador de Hespanha, por nós ao Mestre Gualdino e a todos os Irmãos da Ordem dos Templários que estão no meu reino, faço uma vasta e fortíssima doação da região da Idanha e de Monsanto com os limites: seguindo o curso da água do rio Erges e entre o meu reino e o de ‘Leone’ até entrar no [rio] Tejo e da outra parte seguindo o curso da água do [rio] Zêzere que igualmente entra no Tejo (…)”.

Posteriormente, a doação do património fundiário egitaniense e monsantino da Ordem do Templo foi confirmada em 1197 por D. Sancho I, filho de D. Afonso Henriques, ao Mestre Provincial da Ordem, D. Lopo Fernandes, completada em 1199 com a doação de Açafa. Constitui-se assim um vasto domínio templário que se estendia do termo de Idanha ao de Belver, o que se confirma pela existência de vários castelos templários no concelho: Monsanto, Idanha-a-Velha, Idanha-a-Nova, Penha Garcia, Proença-a-Velha, Rosmaninhal, Salvaterra do Extremo, Segura e possivelmente também tendo existido em Zebreira[6]. É do tempo deste monarca a transferência e restauro da Diocese ou Sede de Bispado egitaniense para a Guarda, em 1199, desde então com primazia eclesiástica sobre Idanha. É do tempo deste Mestre Templário a construção da torre ou atalaia idanhense cerca de 1197 e que possivelmente faria parte de um fortificado maior entretanto desaparecido. Situada na primitiva área do forum, assenta sobre o embasamento do antigo templo romano dedicado à deusa Vénus que a família Caius Cancius Modestinus mandou erguer, juntamente com uns templetes consagrados a Júpiter e Marte. Os templários aproveitaram essas bases do templo arruinado para assentarem a sua torre de menagem e residência do comendador. Possui três esguias seteiras viradas a sul, oeste e leste, estando na face norte uma porta ogival dando para o corredor em abóbada de berço. Por cima tem uma janela em cujo tímpano está uma legenda datada de 1245. Tanto nas paredes interiores como exteriores são visíveis marcas de canteiros, onde as siglas S e L são as que mais aparecem.idanha templários

A tentativa de repovoamento e recuperação da glória pretérita de Idanha parece não ter tido êxito, e apesar de tudo os templários teimaram em manter-se em Idanha, apesar de já fora das grandes vias militares e comerciais. Tanto assim era que no reinado de D. Sancho II – tendo dado foral a Idanha em 1229, doando-a a Mestre Vicente, bispo da Guarda – a povoação encontrava-se numa grave situação de decadência e despovoamento, de tal maneira que o monarca ordenou, em 10 de Março de 1240, que “fosse todo o povoado até ao último dia do mês de Maio, sob pena de perderem o que fosse seu os que não viessem povoar”. Para isso contou com a intervenção da Ordem dos Templários, em 1244 voltando a doar-lhes Idanha na pessoa do seu Mestre Provincial Martim Martins, ano esse em que procedeu a algumas obras militares como a do restauro e remodelação da sua torre, esta já em 1245.

Com a extinção da Ordem do Templo nos inícios do século XIV, logo em 1319 o rei D. Dinis incluiu Idanha-a-Velha nos bens patrimoniais da Ordem Militar de Nosso-Senhor Jesus Cristo, vulgo Ordem de Cristo, seguindo-se outras tentativas de repovoamento, nisto explicando-se as grandes doações que lhe eram feitas por outras comendas da Ordem, sabendo-se que em 1326 recebia 500 libras dadas pelo comendador de Rio Frio, a renda do espiritual e temporal da povoação, 100 libras dos comendadores de Almourol e Cardiga e 100 pela renda do espiritual de Proença[7]. Em 1497, D. Manuel I ordenou obras de renovação na antiga sé catedral egitaniense, a abertura de novos portais e a correção e orientação do altar-mor, decompondo decisivamente o esquisso original do edifício a que não terá sido alheia a visitação do dominicano frei António de Lisboa, em 10 de Outubro de 1537, declarado censor antipático à Ordem de Cristo[8]. Finalmente, D. Manuel I concedeu foral a Idanha-a-Velha em 1510, visando incentivar o seu repovoamento mas obtendo novos insucessos.

Casa da Ordem de Cristo

A explicação das tentativas insistentes de repovoamento e desenvolvimento de Idanha-a-Velha pelas Ordens do Templo e de Cristo ingerindo directamente junto da Coroa e da Cúria, não tem explicação plausível por já na época a povoação estar fora das grandes vias comerciais, militares e religiosas, com a ameaça moura há muito tempo afastada. Mas poderá explicar-se por um outro sentido, mais religioso e esotérico que vem a dispor este lugar como “guarda-avançada” de um enclave sagrado que só poderá ser Monsanto, o Monte Santo a quem lhes cabia dar protecção militar e usufruir da sua cobertura espiritual, ficando os guerreiros no vale e os monges na montanha.

O entendimento heterodoxo que os templários faziam da doutrina cristã observa-se aqui logo na construção de uma torre militar sobre um templo de Vénus assessorada por Júpiter e Marte, como se fosse a recuperação e adaptação da antiga tradição, em lugar assim antecipadamente sagrado, que associa Vénus à Mãe de Deus, Júpiter ao Pai Eterno e Marte ao Filho Divino, destas maneira transpondo o sentido cosmológico à teologia da Trindade, nisto lembrando que os dos Templo também foram designados por Cavaleiros Pobres de Cristo e da Santíssima Trindade (Pauperes Comilitones Christi Santaeque Trinitatis), restando os sinais grafados no papel e na pedra do seu saber raramente conformado à ortodoxia rigorosa da catequese, observando nela mais “o espírito que vivifica” que “a letra que mata” sem com isso transgredir a lei da Igreja.

A noção e desenvolvimento de geografia sagrada ou geosofia não era desconhecida da Ordem do Templo, posto consignar a peregrinação e culto aos chamados lugares santos, tanto na Europa como no Médio Oriente, muitos deles fora das rotas normais e até de difícil acesso como este de Monsanto. A esses lugares santos o decano da História Mítica de Espanha, Juan Garcia Atienza, apoda de enclaves mágicos templários[9], ainda que pessoalmente prefira denominá-los de enclaves sagrados seguindo a esteira teosófica iniciada no começo do século XX pelo dr. Mário Roso de Luna, consignando-os de regiões jinas da Península Ibérica na sua Biblioteca de las Maravillas.

Como muito bem diz Manuel J. Gandra, “um lugar é sagrado apenas na medida em que se assuma como manifestação de uma trifuncionalidade: 1. supramundana; 2. mundana (i. e., à da Terra); 3. submundana”[10]. Isso mesmo regista-se em Monsanto, que sendo enclave sagrado nele estão presentes os três vectores indispensáveis à sua constituição, como sejam:

enclave

touro e monsanto

A dominar os limites de antigas povoações que desde 1165 pertenceram à Ordem do Templo até à sua abolição, levanta-se subitamente na planície a penedia alterosa de Monsanto (758 metros de altitude), celebrado castro lusitano ao qual se atribui a lendária glória de ter sido, num cerco de sete anos, o maior baluarte de resistência dos companheiros do caudilho Viriato às tropas romanas do cônsul Lúcio Emílio Paulo, nos fins do século II a. C.

Sede de concelho de 1758 a 1853, a vila de Monsanto desenvolve-se desde o meio da encosta acima, como suspensa na altura, aglomerando-se as casas em tumulto, miseráveis cardenhos e habitações airosas, com algumas moradias fidalgas já caídas da opulência. As lapas das rochas, com pequenos resguardos, foram convertidas em lares e abrigos seguros[11]. Em 1938, esta graciosa povoação ganhou o Concurso da Propaganda Nacional intitulado “A aldeia mais portuguesa de Portugal”, sendo-lhe atribuída o galo de prata (troféu da autoria de Abel Pereira da Silva) para ser erguido na sua Torre-Mor (a do Relógio ou de Lucano), esta que beneficiou de restauro no século XVIII mas cuja origem será obra templária, do século XIII.

Torre e castelo de monsanto

Com efeito, D. Sancho I repovoou todo este espaço e lugares limítrofes, e o Mestre Geral da Província Templária de Portugal, D. Martim Martins, em 1244 reconstruiu o seu castelo possivelmente ainda do tempo do seu antecessor D. Lopo Fernandes (1199) apesar de ser crível ter sido D. Gualdim Pais quem o mandou construir em 1165, tendo depois D. Dinis acrescentado importantes obras à fortificação (que desgraçadamente um grande acidente no século XIX destruiu-a, pela explosão do paiol de munições que aí se encontrava), além de dar à povoação em 1308 a Carta de Feira em S. Pedro de Vir-a-Corça, e depois D. Manuel I, em 1510, concedeu-lhe foral elevando-a a vila, com muitos privilégios e a honra da esfera armilar para escudo das suas Armas, ao lado da águia imperial por lembrança da sua dignidade romana.

Como posição defensiva, assim foi Monsanto estimada entre as nossas primeiras praças defensivas considerada inexpugnável nas repetidas lutas com Castela, onde deu lugar a um anexim militar com alusão ao aspecto de dois rochedos:

Monsanto, Monsanto

Orejas de mulo:

El que te ganar,

Ganar puede el mundo!

Numa das campanhas da Restauração, em 1658, foi a praça cercada por D. Luís de Haro, que pouco depois foi obrigado a retroceder para a fronteira. Em 1704, franceses e espanhóis, então aliados sob o comando de D. Francisco Ronquillo, foram derrotados pelas tropas do Marquês das Minas que então por ali operavam, ficando o campo da refrega conhecido como Vale da Matança.

Pasma o olhar o desfrute da paisagem soberba vista do castelo. Com tempo claro pode ver-se, do lado português, Castelo de Vide, Castelo Branco, Covilhã, Guarda, Sabugal e Penamacor. Do lado espanhol, distingue-se a longínqua Serra de Béjar.

Grafada numa parede à entrada da fortaleza lê-se, da esquerda para a direita, uma epígrafe enigmática com pretensão gótica informando a quem se sagrou o espaço: Mikael A(rcanjo), Chefe das Milícias Celestiais o que vai bem com a função militar da castelo cumeeiro de Monsanto.

Inscrição

Filologicamente, Monsanto divide-se em dois temas onde o primeiro, Mons, explica-se pelas falas itálicas onde o Munutu celta entrou no latim metaplasmado em Montis, ou simplesmente Mons. O segundo tema constitutivo do topónimo encontra-se no úmbrico (dialecto itálico) Saktu, donde adveio o latino Sanctus. Monsanto é, pois, o Monte Santo, por expressar a Luz do Sol da Vida, pomo da devoção cultual etno-religiosa dos diversos povos que sucessivamente aqui se instalaram acompanhando os ciclos de evolução humana.

Esse Sol da Vida expressivo da Divindade Suprema em correspondência com o seu Monte e o Homem nele vivendo, em perfeita inter-relação cosmo-antropogónica toma forma cultual nesta parte do país na figura do deus solar Mitra, retratado com capa e barrete frígio vermelhos dominando o touro, simbólico da fecundidade e abundância dos frutos da Terra, com as mãos nuas, no que se torna representativo do taurobólio expressivo dos mistérios da Divindade vencidos ou adquiridos pelo Homem que a mesma vai iluminando. Desta maneira, fica para Mitra a representação do Espírito (Purusha, em sânscrito) que vai dobrando o touro alegórico da Matéria (Prakriti, em sânscrito), por realmente a Matéria ter por origem o Espírito.

Com efeito, o touro expressa a ideia de força criadora tanto no Rig-Veda, onde o cornúpeto Rudra fertiliza a terra com o seu sémen, como na Bíblia como representação do Deus El, posteriormente proscrito por Moisés mas que subsistiu até ao reinado de David, como provam as estátuas do touro sagrado, influenciadas pela arte egípcia, que remontam a essa data. Figuração da Divindade Celeste, ao encarnar sob a forma bovina – como sucedeu com o deus Indra hindu – assume-se a encarnação da própria Força Ctónica. Como constelação e segundo signo do Zodíaco regido por Vénus, o Touro situa-se entre o Equinócio da Primavera e o Solstício de Verão, tornando-se símbolo da força do trabalho, da matéria-prima, da substância inicial assimilável ao elemento Terra, a Terra maternal que Vénus vem a expressar por essa parte do céu encontrar-se em perfeita e íntima harmonia com esse planeta[12].

Deuses ancestrais metamorfoseados em touros é tradição que os celto-lusitanos já celebrariam aqui em Monsanto, antes da aparição do culto mitríaco através das legiões romanas. Isso leva-me às palavras sibilinas do Professor Henrique José de Souza (1883-1963), fundador da Sociedade Teosófica Brasileira, alusivas ao assunto mas acerca do líder gaulês Vercingétorix na sua relação esotérica com o touro. Assim, em 1956 depois de ter falado com se executaria um hino de nome Ladack-Sherim (“Salve ou Louvada seja Ladack”) para homenagear esse famoso caudilho gaulês (Auvérnia, 72 a. C. – Roma, 46 a. C.) sacrificado por Caio Júlio César, disse:

Vercingétorix quer dizer: “A Vitória de Akbel em Touro, Taurus, na Face da Terra”. Foi isso, aliás, que aconteceu no início da terceira Raça-Mãe. Ele desceu no céu montado no touro, o Touro TUR-ZIM-MUNI. Isso equivale a dizer que Akbel foi trazido para a Terra pelo terceiro Ishwara ou terceiro Maharaja. (…) Akbel desceu do Trono como Taurino, como Lutador… Na Gália teve ocasião de lutar com a sua própria Sombra (Luzbel)… (…) Depois da derrota do último exército de socorro, Vercingétorix, proclamado Chefe Supremo da Confederação dos Povos Gauleses, para salvar o seu povo rendeu-se aos romanos (Outono de 52 a. C.). Conduzido a Roma, foi executado ao fim de seis anos de cativeiro depois de ter figurado no triunfo de César (46 a. C.). (…) Vercingétorix, pelas suas qualidades físicas, morais e intelectuais, é uma das maiores figuras da História da Gália. (…) De modo idêntico, o Supremo Dirigente da nossa Obra, estando sitiado pelas Forças do Mal humano e por falta de equilíbrio na mesma Obra, está-se dando em holocausto para ver se consegue salvar o seu Povo, a sua Corte, que está mais sob a influência dos Césares humanos do que do Vercingétorix da Agharta…”

Palavras misteriosas essas, acauteladas e acauteladores, muito bem podendo ir ao encontro da lenda de Os Habitantes do Subsolo recolhida por José Carlos Duarte Moura em Castelo Branco, mas que poderá ter sido exportada daqui de S. Pedro de Vir-a-Corça. Assim reza a lenda[13]:

“Vai já para alguns anos quando uma parteira terminou o seu turno e saiu. À porta do hospital, foi abordada por um indivíduo de aspecto algo esquisito. O indivíduo pediu-lhe então que fosse ajudar uma mulher que estava em dificuldades de parto. A parteira embora receosa resolveu ir, mas espanto seu foi-lhe tapada a cabeça e foi conduzida por esse individuo estranho. Andaram pouco tempo, quando lhe destaparam a cabeça encontrava-se num túnel rodeada por pessoas que vestiam e falavam de modo estranho. Fez o seu trabalho, ajudou uma criança a nascer. Quando terminou, agradeceram-lhe, taparam-lhe de novo o rosto e conduziram-na ao local onde a tinham ido buscar, uma vez aí deixaram-lhe na mão algumas moedas de ouro antigas e desapareceram.”

Factos idênticos aconteceram com Helena Petrovna Blavatsky e Mário Roso de Luna[14], para não falar do supracitado Henrique José de Souza.

Acerca dos mistérios de Mitra, o Salvador do Mundo (título herdado para Cristo que também como São Salvador é o Orago de Monsanto), com muita propriedade diz António Maria Romeiro Carvalho[15]: “No culto de Mitra, um dos ritos de iniciação, talvez o mais importante, consistia no aspergir do sangue do touro sobre o iniciado, no taurobólio ou noutro local substituto. O sangue sacrificial sempre teve enorme importância neste culto, sendo recolhido em recipientes, através de canais condutores abertos junto ao altar. Sacrificando o touro, um acto eternizado em frescos e pinturas, o sangue, que jorra do pescoço do touro, corre pelos campos fertilizando-os e deles fazendo brotar toda a força e riqueza da Mãe Natureza, a quem Mitra se encontra intimamente ligado. Nestas representações, aparecem, junto a Mitra e ao touro, um cão e uma serpente, um corvo e um escorpião. Às vezes, aparecem também um leão e uma taça. Cada um destes elementos tem uma constelação como hipóstase: Cão, Hidra, Corvo, Escorpião, Leão, Cratera e Touro. Explicando o significado simbólico desta cena, estaríamos a assistir ao fim da Era do Touro, ao final desta constelação a marcar o equinócio da Primavera. Matando o Touro, Mitra está mexendo no Universo inteiro, acto só ao alcance de um deus. Segundo Carvalho[16], nestas ilustrações tauroctónicas, a morte do touro representa o fim da Era do Touro e o início da Era do Carneiro, pelo que os mitreios são grutas onde se representa uma imagem do Cosmos. Estas grutas ou mitreios têm como modelo uma câmara rectangular, com 25m x 10 m, com um tecto arqueado. Um corredor divide-a ao meio, com bancos de pedra nos dois lados. Ao todo, caberiam umas 20/30 pessoas. O mitreio dividia-se em três partes: a antecâmara, a sala referida, principal, chamada spelaeum ou spelunc, donde, por evolução semântica e influência cristã, deu espelunca, a designação de uma casa porca e desarrumada; e o santuário, onde estava a imagem e o altar. O culto de Mitra encorajava a acção e o rigor moral, afirma Carvalho. Os praticantes do culto partilhavam o pão, o vinho e a água; comia-se a carne do touro. O banquete seria o rito principal no culto mitraico e uma das influências sobre o Cristianismo, a par de 25 de Dezembro, o dia do nascimento de Mitra, tal como a santificação do domingo. Os mitricos consideravam ainda sagrado o diz 16 de cada mês.

“As cavernas mitraicas animavam-se com o ritual de iniciação. A «ascensão» era composta de sete degraus: Corax (corvo), correspondente ao planeta Mercúrio, o membro seria mensageiro, encarregando-se das tarefas mais básicas; Nymphus (esposo), correspondendo ao planeta Vénus, o membro era esposa do deus; eram os dois degraus da aprendizagem; Miles (soldado), correspondente ao planeta Marte e os candidatos seriam marcados com ferro quente; neste grau, o candidato recebia o baptismo; Leo (leão), correspondente ao planeta Júpiter; Perses (persa), sob a protecção da Lua; Heliodromus (mensageiro do Sol), sob a protecção do Sol; e Pater (chefe da comunidade), sob a protecção de Saturno. Tudo indica que não havia uma carreira sacerdotal à parte. Alvar[17] diz que estes sacerdotes seriam indivíduos socialmente integrados, com a sua vida familiar e profissional normal e que participavam nas cerimónias como qualquer outro iniciado.

“Nesta gruta cósmica terá nascido Mitra, nu e com o barrete frígio. Nestas pinturas e baixos-relevos, o iniciador tem sempre o barrete frígio, o barrete que usarão os sans coullotes. O barrete frígio, também chamado barrete de liberdade, era, primitivamente, utilizado pelos habitantes da Frigia (actual Turquia). Na Grécia, identificava o herói de Troia, Paris, como um não grego. O barrete frígio foi colocado em Mitra pelos sincretistas romanos. Era usado pelos libertos gregos e romanos. Depois do nascimento, Mitra será visitado e adorado por pastores. Depois, o deus Sol, através do corvo mensageiro, encarregou-o de capturar o touro e encerrá-lo na caverna mitraica. Depois, a cena milenar: Mitra segura nas narinas do touro com a mão esquerda e crava a faca no touro, donde jorra sangue. Um escorpião crava-lhe o dente e aparece a serpente, dona do reino ctónico que, como escreve Alvar, é como lhe anfitriã do óbito.”

O culto do deus Mitra terá sido trazido para a Egitânia e adjacências pelas primitivas legiões militares do Lácio entre os séculos II-IV a. C., sendo praticamente certo que onde se encontra a igreja de S. Pedro de Vir-a-Corça assente sobre a primitiva de Vila Corca, onde estaria um importante mitreio romano. Uma lápide latina egitaniense coeva do culto, é flagrante: “Ao deus Sol. Dedicado por Turei…”[18]. Já nas cercanias da igreja de S. Pedro de Vir-a-Corça há a laje Chão do Touro (evocação daquele morto por Mitra), e a etnograficamente celebérrima lenda do Barrete Vermelho (igual ao de Mitra), que o povo tem como um misto de gnomo e demónio com barrete vermelho correndo e saltando pelas fragas graníticas que, ainda que muitos o tenham visto, contudo ninguém o viu… Herança popular de um Passado longínquo cuja memória as lendas e o folclore locais mantêm.

Seja como for, neste espaço intensamente telúrico de São Pedro de Vir-a-Corça no sopé do monte, junto à igreja considerada capela-ermida, está a chamada gruta de Santo Amador que poderá muito bem ser associada à caverna da hagiografia de Mitra, dentro da qual subjazem covinhas típicas do culto votivo neolítico, e mais adiante a fonte da corça, um balneo de “águas santas” em cujo espaldar contorna-se a figura antropomórfica alegórica do genius loci, o deus local, senão mesmo do próprio Mitra.

fonte s. pedro viracorça

Chegando ao século VIII e à invasão árabe da Península Ibérica, os cristãos dos territórios ocupados pelos muçulmanos ficaram submetidos ao regime islâmico concentrados em caneças (al-kenîssah) ou “comunidades cristãs”, dando inicio ao período moçárabe, isto é, “como que árabe” nos usos e costumes mas não na religião. É quando aparece o surto de anacoretas e eremitas que para estarem mais próximos do Céu instalam-se pelas ribas acima do Monte Santo em grutas e fracturas rochosas em piedosa solidão em secretos solilóquios de ascese ao Divino. Sobrevivem hoje alguns exemplares habitacionais dos eremitas desses tempos. O Islão respeitou-os rigorosamente, ele que também tinha os seus santos e santões por aqui dispersos mas na mesma procura transcendente. Pouca gente por aqui vivia entre os séculos VIII-X, mas aos poucos foram chegando novas gentes no anseio de refúgio seguro, sobretudo entre os séculos X-XII: apareceram as Ordens religiosas cristãs de penitência e reclusão, mas também as que procuravam a Salvação pela Cruzada ou Crescentada dando-lhe sentido de transcendência de si, apareceram os primeiros focos judaicos sefarditas que foram os que mais se impuseram, abraçou-se os que já aqui estavam, cristãos e árabes, e todos conviveram no mais franco e puro ecumenismo inter-religioso. Fez-se Feudo de Amor a condizer com o estatuto Mons Sanctus.

No sopé do Monte, entre os finais do século XII e inícios do XIII, a Ordem do Templo veio a construir a igreja românica de S. Pedro de Vir-a-Corça entregando a sua ministração espiritual aos religiosos da Ordem de Santo Agostinho (entrada em Portugal reinando D. Afonso Henriques que nela fora educado em sua infância e adolescência), ficando este templo inserto na rota geográfica da hipertúlia ou de expansão do culto mariano pela peregrinação a Santa Maria de Rocamador (Roc Amator, “Amante das Rochas”, ou seja, das alturas rochosas, alusão ao cristianismo anacorético), cujo santuário no sudoeste de França, localizado no distrito de Gourdon, é desde a Alta Idade Média importante centro de peregrinações, sobretudo a Nossa Senhora das Maravilhas, imagem oferecida pelo próprio S. Bernardo de Claraval, junto à sepultura e a gruta onde, segundo a tradição hagiológica, Santo Amador passou os últimos anos de sua vida, mas que os monsantinos desdizem afirmando que a sua sepultura está nesta igreja de S. Pedro e a sua gruta defronte a ela, lateral à torre sineira com o significativo nome Porta da Luz (por os raios do Sol penetrarem através dela indo perpassar o óculo frontal da igreja onde se contorna um sugestivo Sol – Solis Vitae era tanto Mitra como Cristo).

Esta igreja que se teima em ter como capela-ermida é anterior à de Santa Maria mas coeva da de São Miguel do Castelo, templária, e pertence à genealogia construtiva da Senhora de Mileu (Guarda). É de planta e abside rectangulares com duas absidíolas e três naves, divididas por colunas cilíndricas com capitéis de influência clássica (possivelmente trazidos de ruínas da Egitânia próxima) que suportam o tecto de madeira. Ao alto da empena, uma rosácea de estilo concêntrico dá à nave a luz do Poente. Numa entrada lateral, arco redondo com tímpano liso. Nos lados parietais da nave, vêem-se gravadas várias cruzes templárias indicativas de quem mandou construir este templo[19].

gruta e igreja

É por esta altura que Vila Corca se transforma em Vir a Corça mercê de uma lenda piedosa que ficará para sempre assinalando este lugar, ao mesmo tempo que o dispondo no terreno da pura heterodoxia do saber tradicional. Há várias versões dessa lenda como conta Vitor Pereira Neves[20], mas atenho-me à versão corrente narrada por Maria Adelaide Neto Salvado (in ob. cit.), tanto mais que se varia o enredo das diversas versões o final é sempre o mesmo. Conta:

“A lenda mais generalizada acerca deste lugar de S. Pedro de Vir-a-Corça é a de Santo Amador, que, segundo a tradição, era natural de Monsanto e se tornou ermitão da ermida aí erguida sob a invocação de S. Pedro.

“Nesse lugar do lado poente do cabeço de Monsanto, isolado do Mundo e louvando a Deus, vivia Amador. Um dia, por um calmo fim de tarde, viu Amador cruzar o céu um grupo de demónios levando consigo um menino. Uma praga proferida pela mãe da criança tinha sido a causa desse rapto demoníaco. Implorou Amador a Deus que não se perdesse a alma daquela criança inocente. A sua prece foi ouvida e os demónios largaram-na sobre os rochedos. O ermitão criou consigo a criança e uma corça vinha diariamente à gruta (que existe em frente à ermida) alimentar o menino. Por este motivo, ficaram a ermida e o local a chamar-se de S. Pedro de Vir-a-Corça. O menino, quando cresceu, tornou-se também ermitão como o seu salvador e, tal como ele, recebeu o nome de Amador. Aqui viveram largo tempo e aqui morreram em paz e santidade, tendo sido enterrados sob o altar da ermida.”

A lenda, além de indicar a sucessão humana da comunidade eremita, marca a presença da corça cujo leite é simbólico da alimentação na sabedoria, por tradicionalmente a mesma ser tradicionalmente repousando junto a uma macieira fazendo as vezes de árvore da vida, cujos pomos de ouro, segundo os vários mitos, são indicadores de sabedoria e iluminação.

Nos inícios do século XX, foi achada junto desta igreja (então completamente arruinada, destelhada e com as paredes por terra) uma chave românica, logo identificada como a da porta do templo ou a do cofre contendo as relíquias de Santo Amador. Em 1928 Eurico de Sales Viana, sob o pseudónimo de João de Orjais, publicou no Jornal Terras da Beira uma fotografia dessa chave, então na posse da família Almeida Castiço, de Monsanto. Ele refere-a nestes moldes: “É de bronze, devendo atribuir-se-lhe a época do século XII ou XIII, estilo românico. Diz a tradição que pertenceu ao sacrário de S. Pedro de vir a Corça, por ter sido encontrada nas ruínas daquela ermida”[21]. A chave tem 10 centímetros de comprimento por 5 de largura, possuindo o seu disco 6 furos em volta da abertura central e cuja secção da extremidade não é circular e sim de dente quadrado com quatro furos crúzios, o que invalida poder abrir porta alguma. Essa chave será sobretudo simbólica representativa do lugar santo, do enclave sagrado monsantino, ademais apresentando o notável da parte própria para segurar na mão reproduzir o óculo ou Sol na parte cimeira da entrada dianteira da igreja, mesmo com o número de raios e furos não coincidir (oito para aquele e seis para esta) mas sem colidir no significado. Atendendo à sua datação e ao estilo, poderá muito bem ser fábrica da Ordem do Templo que aqui revigorou o sentido último da chave, clave ou de enclave sagrado numa geografia já de si sagrada envolvente do circuito de Monte Santo, por onde tradicionalmente se entra transpondo o Arco do Espírito Santo (depois de S. Sebastião) com a respectiva capela anexa, cuja rota serpenteante por caminhos e ruas estreitas termina no cume junto à capela templária de S. Miguel, Arcanjo protector da Igreja e da Sinagoga.

Chave

O facto de atribuir-se a chave como sendo a do cofre com as relíquias de Santo Amador, transfere de imediato para a lenda dourada referente à vinda dos Apóstolos da Terra Santa para a Europa logo após a Morte e Ressurreição do Salvador, nomeadamente para Portugal depois de chegados ao Sul de França, dando aso às mais diversas leituras e interpretações onde prima o esoterismo heterodoxo. Também Santo Amador[22], o eremita de Quercy, anda ligado à linhagem apostólica do Cristo no Ocidente e às origens maravilhadas do Cristianismo neste por ser identificado a Zaqueu, o publicano em cuja casa Jesus Cristo se alojou (Lucas 19:5-10) e que viria a casar com Verónica, depois santa. Com o nome de Amador, Zaqueu assistiu aos martírios de S. Pedro e S. Paulo em Roma. Depois, com a sua esposa Verónica, emigraram para a Europa instalando-se no Sul de França. Enviuvando, Amador fez-se eremita e passou a ser alimentado por uma corça que lhe dava o seu leite. Isto segundo a Lenda Dourada, obra compilada por Jacobo de Voragine em 1275 que reuniu a maioria das lendas apócrifas ou não que corriam na Europa, desde os tempos paleocristãos dos suevos e visigodos, sobre a origem da pastoral apostólica sobretudo no sul do continente.

É sobretudo a presença judaica quem mais marcará o contexto social e espiritual de Monsanto de que sobrevivem os mais diversos testemunhos nos usos e costumes da comunidade sefardita ou alfama monsantina, cuja implantação e crescimento aí muito deve à Ordem do Templo reinando D. Sancho I, como Laurinda Gil Mendes aponta: “Ao tempo de D. Sancho I (1185-1211), os judeus tiveram importante papel no povoamento da região da Beira, fixando-se em Belmonte, onde são referidos no foral sanchino, na Covilhã, Fundão, Penamacor, Idanha e Monsanto”[23].

Quer na gastronomia, quer nos trajes tradicionais sobretudo das mulheres, quer na organização interior das casas e nos ferrolhos das portas, quer nas bonecas típicas marafonas e no instrumento musical adufe (ou tôf, “tamborim”, descrito na Bíblia em I Crónicas 13:8, Salmos 150:4, Isaías 5:12, Ezequiel 28;13, Daniel 3:5, 7, 10, 15, reservado às mulheres e tocado com ambas as mãos acompanhando o canto), quer no falar e ainda na toponímia de algumas ruas (Rua da Sarça, Rua do Sol Velho, Rua dos Anoques), tudo trescala a judaísmo[24]. Sem esquecer o sobrenome Castiço ainda preponderante na população local, ou seja, a mistura consanguínea da casta de cristão-velho com cristão-novo, o criptojudeu só convencionalmente converso à Cruz sem nunca renegar a Torah.

Judeus Monsanto

O flagrante do topónimo Anoque recambia para o mundo da tradição esotérica ou hermética caríssima à comunidade sefardita monsantina que aqui, no reservado do monte inexpugnável apartado das vias urbanas (e profanas), gozava de liberdade para o exercício do seu culto e a quem os templários dariam protecção, ao mesmo tempo policiando os saberes superiores a fim de não extravasarem fora do âmbito da escolástica sinagogal, onde a tanakh ou tradição escrita do Talmude aparelhava com a tradição oral chamada gemurah ministrada por mestres rabinos chamados tannaim ou tanaístas. Nesta inseria-se a chamada Kaballah Sefardita ou Hispânica, propensa à leitura e interpretação heterodoxa ou livre das escrituras sagradas e por ela à fomentação da profecia e do messianismo, nisto por certo os religiosos da Ordem do Templo não seriam alheios nem antipáticos[25]. Sefarad, a “Terra Prometida” que no todo era a Hispânia e no particular Monsanto, tinha-se nesta as condições humanas e geográficas próprias de um enclave sagrado elevado às alturas. Nisto entra Anoque, ou seja na língua ladina dos sefarditas (também chamada marrana mas já criptojudaica), Enoque. Com efeito, aos olhares inquisidores e censores da ortodoxia religiosa Anoques eram todos aqueles judeus, cristãos e até árabes que aqui perfilharam o exercício apócrifo, secreto e esotérico (midrashim) constante nas ideias cosmológicas, angelológicas e políticas de Enoque conforme estão no seu livro, cuja primeira versão é etíope ou africana[26]. Nisto, árabes e judeus tinham o ponto comum de aceitarem Enoque como um dos grandes das respectivas escrituras sagradas, muito mais ainda por Tarik, o líder da invasão muçulmana da Península Ibérica no ano 711 a mando do califa magrebino Musa Bin Nusayr, era berbere que se reconhecia como judeu da tribo de Simão[27]. As origens próximas entre árabes e judeus, ambos considerando-se descendentes de Abraão, ajudaram muito à mescla de culturas, tendo o conceito de três culturas nascido no Andaluz, expressão designando a coexistência e inter-relação entre árabes, judeus e cristãos durante a época muçulmana. Nesta, judeus e cristãos possuíam um estatuto jurídico e social próprio e eram considerados dimmies, os “protegidos”. Depois, com a reconquista cristã, judeus e mouros foram dimmies da Ordem do Templo.

Enoque, Enoch, Hanokh ou Chanoch (חנוך) é o nome do misterioso patriarca bíblico nascido na sétima geração depois de Adão sendo filho de Jared e pai de Matusalém. As escrituras judaicas consideram-no importante profeta entre Adão e Noé, ou seja, entre o início do Mundo e a renovação do mesmo Mundo. Nisto poderá ser transposto para a ideia local de criação de um espaço ideal político-religioso e através do seu exemplo renovarem a restante sociedade indo inculcar o ideal de fraternidade e concórdia nos povos como verdadeiro modelo sinárquico, também nisto os templários não sendo alheios nem antipáticos.

Apesar do Livro de Enoque não estar incluído no cânone da Bíblia judaica, ainda assim a tanakh refere que segundo o Génesis (5:22-24) Enoque teria sido arrebatado por Deus para que não experimentasse a morte corporal e fosse poupado da ira do Dilúvio: “E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Matusalém, trezentos anos, e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou”. Essa idade exorbitante de Enoque não será tanto física mas sobretudo o tempo necessário a constituir geração de quem foi patriarca. A indicação de não ter morrido e sim desaparecido ou arrebatado por Deus, daria motivo ao desenvolvimento do Messianismo hispânico por via da cultura profética com o dominador comum do advento do Messias em Sefarad, a “Terra Prometida”, pois quando Deus tomou para si Enoque este tornou-se Metraton, o Anjo Psicopompo possuído das mesmas prerrogativas do Arcanjo S. Miguel, Mikael ou Mirraïl. Nos fins do século XVI e ao longo do século XVII, o Messianismo tomou a nova forma de Sebastianismo com todas as profecias afins mas sem nunca perder de vista Enoque ou Metraton que no Céu também é Rei e Medida entre o Divino e o Terreno.

De facto, o Targum de Yonatan, que é a tradução para o aramaico das Escrituras hebraicas, diz que Enoque elevou-se para o Céu ainda em vida indo transformar-se no Anjo Metraton. O versículo “e andou Enoque com Deus”, é assim traduzido: “E não esteve mais (Enoque) entre os habitantes da Terra, pois foi tomado e subiu para os Céus pelo poder do Eterno, que lhe deu o nome de Metraton, o Grande Escriba”. O rabino Shlomo Yitzhaki, mais conhecido pelo acrónimo Rashi (22.2.1040 – 13.7.1105), que teve papel destacado na Sinagoga de Troyes, França, foi ao encontro desse targum quando escreveu: “Enoque era justo e inocente em seus pensamentos, não sendo acusado de coisa alguma, por isso o Eterno, Bendito seja Ele, apressou-se a retirá-lo desta Terra”[28].

No Novo Testamento aparece a referência evidente ao Livro de Enoque na Epístola de Judas (vers. 4, 6,14), sendo considerado como Escritura na Epístola de Barnabé (16:4) e pela maioria dos primeiros Padres da Igreja, como Atenágoras, Clemente de Alexandria, Irineu e Tertuliano, este tendo escrito cerca do ano 200 que o Livro de Enoque continha profecias que se relacionavam com Cristo.

No Alcorão, Enoque é o profeta Idris (إدريس) predecessor de Nuh (Noé), sendo mencionado com o preferido de Allah (Deus) que o elevou até Ele (no Livro de Enoque preservado pela Igreja Etíope, pode ler-se que ele foi elevado até ao nível da Cabeça de Deus – a Caput Deus reflectida no Mons Sanctus). Idris pediu para voltar novamente à Terra no que foi atendido, e na região de Gizan (actual Giza ou Gizeh, Egipto) ensinou os homens a ler e escrever para que aprendessem matemática, astronomia, etc. Revelou ainda os diferentes Céus e Cavernas da Terra, onde respectivamente habitam Anjos e Djins ou Jinas, alguns destes atormentados por aqueles chefiados por Mirraïl desde a Queda Original da Humanidade. Ainda de acordo com a tradição islâmica, na época de Nabiyullah Idris, o “Profeta de Deus”, a Humanidade tinha-se esquecido de Deus e o Mundo foi por isso punido com grande seca. Mas Idris orou pelos homens e começou a chover, acabando com a seca. Há nisto analogias com os acontecimentos da vida do profeta Elias, que também orou para que terminasse a seca que afligia a Terra e depois acabando arrebatado aos Céus num “carro de fogo” que se associa ao mistério da Merkabah.

Além de Enoque como personagem comum às três religiões do Livro, as mesmas têm como Orago protector o Arcanjo Miguel. Pois bem, aqui em Monsanto, dentro das muralhas do castelo, a Ordem dos Templários veio a construir no século XII um templo de traça românica consagrado à Aparição de S. Miguel Arcanjo no Monte Gargano (século V), conforme inscrição que havia lateralmente à entrada da igreja (possivelmente a mesma que hoje está à entrada do castelo), e à união inter-religiosa local por via de um Orago unanimemente aceite. Inicialmente funcionou como igreja matriz e além da capela-mor dedicada à Aparição do Arcanjo, possuía dois retábulos colaterais dedicados a Nosso Senhor do Bom Fim ou Bonfim (Epístola) e a Nossa Senhora da Assunção (Evangelho).

Possivelmente esta capela terá sido construída ainda em 1165, durante o Mestrado de D. Gualdim Pais, pois já existia em 1172, ano do litígio entre o Cabido da Guarda e a Ordem do Templo em consequência do qual o castelo foi doado à Ordem de Santiago, com a condição de não nomear comendador desconhecido, mas em 1190 já estava de volta à posse da Ordem do Templo por intervenção de D. Sancho I (rei de educação templária desapreciado pela Igreja), altura em que deu carta de foral a Monsanto. Aparte os incidentes político-religiosos da época, S. Miguel manteve-se Orago maior de Monsanto, mesmo estando fora ou sobre a freguesia, e a ele se encomiavam todos os fregueses, tanto o povo como os nobres, como ainda se repara num petróglifo antropomórfico junto a arcossólio tumular (século XII) no exterior parietal da igreja, possivelmente retratando o próprio Arcanjo evocativo da guarda da alma do falecido.

igreja s. miguel

Ao castelo também está ligada a tradição da principal celebração de Monsanto, a Festa da Divina Santa Cruz (quase de certeza a do Templo por este ter sido espaço seu durante séculos e por ter sido a principal promotora do povoamento concelhio), realizada todos os anos em 3 de Maio, razão de também ser conhecida como Festa de Maio cuja origem etnográfica recuará ao período celto-lusitano quando, por esta mesma altura, celebrava-se o ciclo da Primavera[29]. Depois foi cristianizada mesmo mantendo feição judaica afim ao festejo de primícias da Páscoa ou Pessah. Por fim, tomou proporção bélica encomiante da galhardia dos locais ao ser associada a lendários cercos do castelo, quer pelos romanos nos fins do século II a. C., quer pelos mouros cerca de 1230, ou ainda nas posteriores lutas com Castela, tendo os sitiados levado sempre a melhor.

Em qualquer das hipóteses, os inimigos sitiantes procuraram vencer pela fome os defensores do castelo. A tradição local adaptou factos cosmológicos a feitos militares e conta assim que o cerco já se prolongava por sete longos anos, quando intramuros restavam apenas uma vitela magra e um alqueire de trigo. Então, uma das mulheres sugeriu um estratagema desesperado para enganar o inimigo: alimentaram a vitela com o último trigo, e depois atiraram-na com alarde das muralhas do castelo na direcção dos sitiantes. Despedaçando-se contra as rochas, do ventre da vitela espalhou-se o trigo, abundantemente. Com essa manobra, os inimigos entenderam que os defensores ainda se encontravam milagrosamente providos de alimento, protegidos pela Providência Divina, e levantaram o cerco retirando-se em 3 de Maio (dia da Santa Cruz). Por esta razão, anualmente nesta data as mulheres de Monsanto vestem as suas melhores roupas e, ao som de adufes (só tocados por elas) e canções populares, agitando marafonas (bonecas coloridas com armação em cruz), algumas levando à cabeça potes caiados de branco, decorados e cheios de flores, partem da povoação em direcção ao castelo e aí, do alto das muralhas, os potes brancos, simbolizando a vitela, são atirados sobre os penedos em baixo com o grito solene “aí vai o pote”, desta maneira revivendo simbolicamente o episódio da salvação do povoado.

Mulheres de Monsanto

Mas o significado dessa tradição não reside somente num feito guerreiro heróico em época não se sabendo qual foi mas que a esperteza feminina salvou. A mulher é sempre representativa de geração e nutrição, de sabedoria e salvação. Sem ela todo o enredo, lendário ou não, místico ou militar, vem a perder-se. E com ela se associa o simbolismo tradicional da vaca (e por anexo do vitelo, figurando na lenda para dar o sentido de minguo), cosmologicamente associada à Lua e à abundância. Na cultura suméria representava-se a Lua com dois chifres de vaca, enquanto a vaca era representada como uma Lua Crescente. A noite estrelada era dominada pelo Touro fecundador, cuja Vaca fecunda era a Lua Cheia e cuja Manada era a Via Láctea. Por isso, no Egipto a vaca Ahet era considerada a origem da manifestação do Universo, a Mãe do Sol, e talvez seja este o motivo simbólico de estarem próximas nesta antiga praça do castelo as capelas de Santa Maria, a Mãe nutridora, e de S. Miguel, o Arcanjo solar. Mas também recambia para o sonho do faraó interpretado por José como narra o Génesis (41:1-7), sonho esse onde sete vacas magras devoravam sete vacas gordas e sete espigas de trigo miúdas e vazias devoravam sete espigas de trigo grandes e cheias. É alusão à prudência acauteladora dos tempos futuros, pois não há anos de fartura e anos de escassez ao mesmo tempo. Igualmente refere-se ao fim do período invernal em que a Natureza está recolhida e ao início do seu desabrochar no Primavera, acontecimento também presente na Páscoa judaica por o seu calendário coincidir com o fim de uma estação e a chegada da outra. Lançar os potes brancos e floridos do alto das muralhas do castelo significa esconjurar a mingueza do Inverno com a abundância da Primavera, ficando as mulheres a cantar[30]:

Eu amei quem nunca amara

Nem tal intento tivera:

Fui a amar o rei das flores

No centro da Primavera.

Tenho dito.

NOTAS

[1] Paulo Pereira, Lugares Mágicos de Portugal – Templários e Templarismos. Edição Círculo de Leitores, Rio de Mouro, Agosto de 2005.

[2] Fernando de Almeida, Ruínas de Idanha-a-Velha, Civitas Igaeditanorum. Egitânea – guia para o visitante. Lisboa, 1977.

[3] Alfredo Pimenta, Alguns documentos para a História de Idanha-a-Velha. In Subsídios para a História Regional da Beira Baixa, vol. I. Castelo Branco, 1944. Manuel da Silva Castelo-Branco, A Sé egitaniense na Era Quinhentista. In Estudos de Castelo Branco. Castelo Branco, 1976.

[4] Crispiano da Fonseca, A Aegitanea – Idanha-a-Velha. Lisboa, 1927.

[5] Manuel José da Costa Felgueiras Gayo, Nobiliário das Famílias de Portugal. Braga, 1989.

[6] António Pires Nunes, Os Castelos Templários da Beira Baixa. Edição Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, 2005.

[7] Pedro Rego da Silva, Memórias Paroquiais – Idanha-a-Velha (1758). In A Raia, n.º 6, Julho-Agosto 1998.

[8] Cláudio Torres, A Sé Catedral da Idanha. In Arqueologia Medieval, vol. 1, Porto, 1992.

[9] Juan G. Atienza, A meta secreta dos Templários. Litexa – Portugal, 1981.

[10] Manuel J. Gandra, Astrologia em Portugal – Dicionário Histórico-Filosófico. Editora Arcano Zero, 2.ª edição revista e aumentada, Maio de 2010.

[11] Raul Proença, Guia de Portugal (Beira II – Beira Baixa e Beira Alta). Edição Fundação Calouste Gulbenkian, 2.ª edição, Lisboa.

[12] Jean Chevalier e Alain Gheerbrant, Dicionário de Símbolos. José Olympio Editora, Rio de Janeiro, 1990.

[13] José Carlos Duarte Moura, Contos, Mitos e Lendas da Beira. A Mar Arte, Coimbra, 1996.

[14] H. P. Blavatsky, Paginas ocultistas y cuentos macabros, comentados por Mário Roso de Luna. Editorial Eyras, Madrid, 1982.

[15] António Maria Romeiro Carvalho, O culto de Mitra e as sepulturas escavadas na rocha. Açafa n.º 2, Associação de Estudos do Alto Tejo, 2009.

[16] William Carvalho, Ascensão e queda do deus Mitra. Estudo datado de 23 de Junho de 2009.

[17] Jaime Alvar, El Mistério de Mitra. Ediciones Cátedra, Madrid, 1995.

[18] Maria Adelaide Neto Salvado, O Espaço e o Sagrado em S. Pedro de Vira Corça. Edição da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, s/d.

[19] Félix Alves Pereira, Ruínas de Ruínas ou Destroços Igeditanos (a Ermida de S. Pedro de Vila-Corça). Imprensa Nacional, Lisboa, 1917.

[20] Vitor M. L. Pereira Neves, As aldeias históricas de Monsanto, Idanha-a-Velha e Castelo Novo: conjuntos históricos a valorizar. Lisboa, 1996.

[21] Terras da Beira, Ano I, n.º 5, 1 de Setembro de 1928.

[22] No concelho de Moura, no Baixo Alentejo, aparece também a freguesia de Santo Amador, no século XVIII chamada Barrada de Santo Amador segundo as Memórias Paroquiais de 1758, inquérito geral que o Marquês de Pombal mandou fazer a todas as paróquias do país após o terramoto de 1755 para saber dos danos causados nas mesmas pelo sismo. Em Meada, próxima de Castelo de Vide, em espaço por onde andou a Ordem do Templo, aparece também a igreja de Santo Amador, obra do século XIII onde não se descura acaso ter tido originalmente a mãos dos templários.

[23] Laurinda Gil Mendes, Os Judeus de Penamacor e a Inquisição – Processos de 1557 a 1778. Câmara Municipal de Penamacor, Arquivo Municipal, 2010.

[24] Cf. Maria Leonor de L. Viana Carvalhão, Monsanto: estudo etnográfico, linguístico e folclórico. Universidade de Lisboa, 1955.

[25] Actas das Primeiras Jornadas do Património Judaico da Beira Interior. Trancoso e Belmonte, 2008.

[26] Leonhard Rost, Introdução aos Livros Apócrifos e Pseudepígrafos. Tradução Padre D. Mateus Ramalho Rocha. Edições Paulinas, São Paulo, 1980.

[27] Haim Beinart, Los judíos en España. Editorial Mapfre, Madrid, 1992. María Antonia Bel Bravo, Sefarad. Los judíos de España. Editorial Sílex, Madrid, 2001.

[28] Yaacov Dovid Shulman, Rashi: the story of Rabbi Shlomo Yitzchaki. CIS Publishers, New York, 1993.

[29] Maria Leonor Carvalho Buesco, Monsanto. Etnografia e Linguagem. Centro de Estudos Filológicos, Lisboa, 1961. Reedição pela Editorial Presença, Lisboa, 1984.

[30] Eurico de Sales Viana, Cancioneiro de Monsanto. Lisboa, 1947.

 

Anúncios