Brasão e Gente

Sintra, 31.1.2016

O ano 985 d. C. marcou definitivamente a queda espiritual do Tibete e a interiorização dos Mestres Espirituais do Oriente, doravante retirados nos seus Retiros Privados longe das vistas da Humanidade vulgar e, contudo, guiando-a nos seus destinos por poderosas influências irradiadas secretamente desde o segredo dos lugares cerrados de suas reclusões.

A partir dessa data, as Ordens Iniciáticas Secretas reorganizaram-se a fim de manter os Mistérios do Segundo Trono que o Deus Akbel trouxera à Terra e quase se perderam com a catástrofe psicossocial do Tibete, cujos discípulos dos Bhante-Jauls, “Irmãos de Pureza”, caídos na impureza do sexo desregrado e nas práticas goécias mais nauseabundas, chegando mesmo a assassinar o mesmo Deus encarnado com a sua excelsa contraparte, viriam depois a seguir o rumo do Ocidente como Enxame de Assuras expurgados – invés de Vaga Assúrica Integrada cumeeira espiritual da Humanidade, toda em conformidade ao estado e padrão evolucional do Género Humano encaminhado pelo Género Divino saído da 1.ª Cadeia Planetária ou manifestação do Logos deste Sistema de Evolução Universal, o Eterno Parabrahman – muitos deles reencarnando em formas animais e elas em formas vegetais, ou seja, a consciência humana dos mais culpados manifestando-se através de vestes físicas abaixo do Reino afim ao seu estado evolutivo.

Todo esse percalço fora provocado pelo Anjo Revoltado, Luzbel, caído do 3.º Globo da 3.ª Cadeia Lunar no 4.º Globo desta 4.ª Cadeia Terrestre, ao querer resgatar mais rapidamente a dignidade cósmica entretanto perdida aquando da sua sonegação da Ordem do Eterno em dirigir avante a Evolução das Ondas de Vida que começara mas sem pretender “descer” mais baixo que o Plano Psicomental (Kama-Manásico), e para essa recuperação do seu estado original serviu-se da Vaga Assúrica humanizada, mas não terrena, pondo-a a trabalhar para si indo insuflar-lhe as promessas mais tentadoras as quais acabariam por perdê-la no Plano Físico onde Ele recusava laborar, considerando-o indigno da sua condição de Luzeiro entretanto desterrado dos páramos celestes nas funduras terrestres, equivalendo à sua Queda do Segundo Trono no Terceiro Trono, do Plano da Alma Cósmico (Alaya) no Plano Físico Cósmico (Prakriti). Com tudo isso, ainda assim repara-se que “Deus escreve direito por linhas tortas”: a Tragédia do Tibete acabou sendo espécie de molinete impulsor da Evolução das Vagas de Vida do Oriente para o Ocidente e do Norte para o Sul do Globo, em itinerário predemarcado no Desígnio do Logos Criador que a Tradição Iniciática das Idades chama de Itinerário de Io pela boca do Professor Henrique de Souza, assim o definindo em sua obra magistral O Verdadeiro Caminho da Iniciação:

“A essa descida das “Mónadas” do Norte para o Sul, denominam as escrituras, e principalmente Ésquilo no seu Prometeu Encadeado, de “Itinerário de IO” ou de Ísis. São as migrações de todas as épocas, com o seu Manu à frente. Não apenas as migrações em corpo físico, mas também as que são feitas em espírito, facto que os próprios doutos ignoram e para seu conhecimento aqui lhes revelamos. Felizes dos que migram do primeiro modo, porque melhores e mais poderosas “tendências” possuirão na vida futura; melhor aparelhados estarão para vencer a nova etapa no caminho de IO traçado pela Evolução. Os que partem “em espírito” o fazem sem vontade própria, por força da Lei, inconscientemente. Ignorantes de todas estas verdades, jamais poderão responder às enigmáticas perguntas da Esfinge: Quem és? Donde vens? Para onde vais?

Por sua parte, o Adepto Independente que se oculta no pseudónimo Fra Diávolo deixou escrito no capítulo I do seu tratado Mosaicos de Tradição Antiga (in revista Dhâranâ, ano XII, números 99 a 101, Janeiro a Setembro de 1939):

“Desde tempos que repousam no fundo nebuloso da mais remota Pré-História, uma super-evoluída Humanidade, obedecendo aos desígnios da Lei Suprema que mantém o equilíbrio das forças cósmico-universais, vem guiando a nossa imatura Humanidade nos mistérios da sua própria evolução, sem ferir, todavia, essa Lei sagrada e inviolável a que estão submetidos, fatalmente, homens e povos – Lei de Causa e Efeito, Acção e Reacção, Lei de Responsabilidade.

“Tais protectores – “previsores”: “pro-míteos” – que são os nossos genuínos Pais ou Pitris espirituais, compreendem a enigmática Hierarquia dos Rishis, dos Bhante-Jauls, Choans ou Jinas, designados ainda por outros nomes genéricos que variam multivariadamente, segundo as representações e funções desses Super-Homens na face da Terra.

“Presidem à formação e desenvolvimento das raças, ao florescer das civilizações através das quais evolui a Mónada, seguindo o místico Itinerário de Io ou Yo – Jo ou Ísis – que atravessa os continentes, nessa prodigiosa marcha que vai em busca sempre das plagas redentoras duma Nova Canaan; marcha onde transluz de mil formas o símbolo do eterno peregrino, o idealista “cavaleiro andante” ou imortal Édipo da coleante estrada dos tempos; marcha encabeçada por um mentor, inspirador ou dirigente espiritual de homens, o Manu; o Pensador mais excelso, Homem Representativo duma hoste de pensadores, um Protótipo, um Mestre, enfim, que deixa um nome da alma de cada povo, sendo para os hebreus Noé ou Moisés; para os astecas, Moíska; para os incas, Manco-Capac; para os gregos, Orfeu e Mercúrio; para os latinos, Neptuno – Pentannus, o “Herói do Pentalfa” ou Pensamento; para os bardos irlandeses, Ogma, o Grande; para os egípcios, Thot-Hermes; para os caldeus, Xisthruros; para os parses, Zoroastro; para os ários primitivos, Ra, Ar ou Áries; para os nórdicos, Odin; para os líbios, Dido, etc., etc.

“O serpentear da peregrinação dos povos sulcando todo o planeta, guarda um sentido esotérico inelutável, pese o sorriso despicativamente compassivo do céptico espírito ocidental. Houve uma Revelação primitiva transmitida aos Patriarcas da Raça Humana. Era a Religião-Ciência ou Solar, a primeva Sabedoria das Idades, Religião da Natureza e do Espírito, a Gupta-Vidya ou Doutrina Arcaica, por outro nome Teosofia – doutrina dos gnósticos alexandrinos ou neoplatónicos dos séculos III e IV, com o filósofo (autodidacta ou do “Caminho Directo”) Amónio Sacas à frente; doutrina igualmente chamada dos “filaleteos” ou amantes da Verdade; dos “ecléticos”, os que bebiam a sua doutrina na de todas as escolas; dos “harmonistas”, ou buscadores da unidade na multiplicidade; e, enfim, dos “analogistas” ou herméticos, os que aplicavam sempre a miraculosa chave da Tábua Esmeraldina de Hermes Trismegisto: O que está em cima é, analogicamente, igual ao que está em baixo, a fim de que se opere o mistério da Harmonia ou do Vário no Uno.”

Tem-se assim o Itinerário de Io ou a Mónada Peregrina descendo do Norte ao Sul, como seja da Índia a Portugal perpassando o Egipto, e de Portugal irradiando dois tramos para o Norte e Sul América onde permeio ficam o México e o Peru, enquanto na Oceânia, espécie de Vau da Terra, implanta-se a Austrália, contendo cada um desses países um central axial ou áxis-mundi onde confluem e donde irradiam as energias vitais do Logos Planetário, os chamados Chakras da Terra ou “Olhos” de Bhumi, como lhes chamou o Excelso Quinto Dhyani-Budha entronizado no Seio de Sintra que é um desses 7+1 sintético Centros Planetários, onde a Missão Y ou dos Sete Raios de Luz se corporifica por meio da “Laringe” por onde escoa a Voz do Logos Criador.

Cada um desses Centros nevrálgicos da Obra do Eterno na Face da Terra exclusivamente revelados pelo Mestre JHS (Professor Henrique José de Souza), é uma página da sua Vida e Obra resumindo toda uma Ronda desde 1883 a 1963, no todo um Livro de Dhyanis “nacionais” como Filhos do mesmo Deus Akbel perpetuando a Obra de seu Pai no Mapa-Mundi. E fazem-no através de Ordens Iniciáticas Secretas de natureza Humana (Jiva) mas já transubstanciadas em condição Espiritual (Jivatmã) própria dos Seres Representativos, os mesmos Jinas revelados por Budha a Ananda no Dhammapada ou “Caminho do Dharma” (o Dever, a Lei), as quais hoje estão sintetizadas em uma oitava Ordem do Santo Graal, já de si composta de quatro Ordens (Templários, Allamirah, Tributários, Ararat) marcando o compasso quaternário da Evolução da Terra em sua 4.ª Ronda desta 4.ª Cadeia, ou seja, 4+4 = 8 indicativo do 8.º Centro Bioenergético situado em pleno coração do Brasil, em São Lourenço das Lavras do Sul de Minas Gerais.

A Missão Y

Quero com isso dizer que o entendimento profundo e a frequência aprofundada desses Lugares Jinas do Globo são da única exclusividade dos que legalmente pertencem à Instituição de JHS por ela servindo a sua Obra, assim realizando, nos países consignados em que estejam, a sua parte na Missão Y confiada por Akbel aos antigos Marambas, hoje Munindras. Fora destes, sobejam os curiosos fascinados pelas folhas soltas destes Ensinamentos dados a público, e também os fracassados da Iniciação (por seus próprios deméritos), vítimas de si próprios acossados por tenebrosas entidades astrais que os impelem às mais delirantes e oníricas atitudes, alguns até chegando a fazer os papéis bizarros de «gurus salvadores» da Instituição e Obra em actos tresloucados de lesa-Evolução, juntos a outras infelicidades do género que acabam perdendo muitos ainda impúberes ou espiritualmente imaturos nos dias conturbados que a Humanidade ora atravessa. Vítimas do Baixo Astral, das regiões tenebrosas das almas afligidas para uns o Inferno, para outros as Talas, para todo o efeito confundindo o psíquico com o espiritual, o convencimento próprio com a realidade lúcida, tão lúcida como é a dos habitantes das Lokas ou Lugares luminosos onde residem os Deuses que fazem dos espaços referenciais à Face da Terra verdadeiros Paraísos Terreais, como, por exemplo, não raros autores reputados (de Gil Vicente a Lord Byron) reconheceram e reconhecem na Serra Sagrada de Sintra.

Não sendo da Instituição não se pode ser da Obra porque aquela representa esta, como determinou o seu fundador no presente ciclo, o Professor Henrique José de Souza. Por isso fundou a ambas, uma já secular, a Instituição, e outra várias vezes milenar, a Obra. Tanto os Seres da Face como do Interior da Terra afins à Obra do Eterno escusam qualquer relação e até a menor proximidade com os alheios à mesma, mesmo que acaso alguns desses possuam alguns conhecimentos mais ou menos esotéricos recolhidos das mesmas Instituição e Obra mas sem os avalos delas, significando isto não serem reconhecidos legal ou legitimamente pela Hierarquia Representativa da Ordem obreira da Obra hoje projectada no Grande Ocidente, que na Terra é o Brasil. Esse avalo legitimador – nada tendo a ver com o acto jurídico ordinário da assinatura em notário do nome para automaticamente uma organização passar a ser legitimamente iniciática, coisa que nenhum Iniciado autêntico pensaria por de facto ser impossível devido à ausência total de Egrégora e Tradição próprias firmadas por um Mestre Espiritual, vivo ou ausente, ou por uma colectividade de Mestres Perfeitos, presentes ou encobertos, com secularidade tradicionais na transmissão da Luz e Conhecimento, ou seja, na Iniciação e no Ensinamento afim – vai de encontro às palavras avisadas de Jesus, o Cristo, no Evangelho de Mateus: “Eu darei a ti as chaves do Reino do Céu; o que ligares na Terra haverá sido ligado no Céu, e o que desligares na Terra haverá sido desligado no Céu” (Mt. 16:19). “Com toda a certeza vos asseguro que tudo o que ligardes na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na Terra terá sido desligado no Céu” (Mt. 18:18). As expressões “ligar” e “desligar” eram comuns à fraseologia teológica judaica e significam declarar permitido ou declarar proibido.

Lokas e Talas

Assim, da muita palha parda só fica a cinza fumaça dos que com todas as possibilidades de remissão deitaram-se a perder vítimas das suas próprias ilusões, das suas criações oníricas afins ao Mundo da Grande Maya: o Kama-Loka ou Astral. Este distúrbio é próprio dos aspirantes e probacionários ainda nos primeiríssimos graus do Caminho da Verdadeira Iniciação, e sobre isso proferiu o distinto teósofo António Castaño Ferreira, Coluna J ou da Sabedoria de JHS, em uma das suas aulas na Sociedade Teosófica Brasileira cerca de 1948:

“O homem é uma criatura formada, essencialmente, pelos atributos mais acentuados destes três estados: físico, emocional e mental. Ora, se assim é, percebemos desde logo como há-de ser difícil o homem se libertar e ter bastante acuidade interior, discernimento espiritual, para evitar, para separar o trigo do joio, para compreender em determinado momento quando sentir qualquer manifestação interior, donde ela procede. Isto constitui uma doutrina estritamente indiana. Dizem ser difícil, mesmo para o discípulo que já tenha certos dotes, certas faculdades, saber separar ou distinguir estas vozes interiores e as suas visões.

“Aurobindo, um dos chefes do Movimento de Ramakrishna (que pelo Conhecimento que tem e pela Iluminação que atingiu, deve ser considerado como uma das representações mais puras e elevadas do Pensamento indiano), aconselhava a um discípulo, que levara ao seu conhecimento certas observações que fizera, certas visões que tivera, muito tento, que procurasse observar com muita segurança o que lhe acontecia, porquanto era comum – e talvez o dele fosse um desses casos – a manifestação de entidades que pertencessem a hostes, a potestades adversas, se não fossem absolutamente manifestações da sua própria natureza íntima. Tivesse o seu discípulo cuidado, pois era comum aos Chelas (discípulos), quando contemplavam deslumbrados certos aspectos dos Mundos subtis, verem diante de si seres resplandecentes, luminosos, que eles tomavam por deuses; eram assim enganados lamentavelmente, com um único fim: serem desviados da Boa Senda. As próprias vozes que, em certos estados do Yoga, chegam ao homem, podem ser falsificadas. Vê-se, assim, que não é fácil, quando entramos em contacto com este Mundo interior, saber-se com certeza e segurança se os seres ou as percepções que estamos tendo são de ordem elevada ou, ao contrário, indícios de uma manifestação de seres inferiores e prejudiciais.”

Narciso

A melhor maneira de evitar esses incidentes no Caminho da Verdadeira Iniciação é cultivar a noção de Responsabilidade e exclusiva Integração na Obra Divina, para que não haja contínua irresponsabilidade e dispersão por tudo que se apresente oniricamente fantástico em enigmas de mistérios inflamando a impuberdade dos sentidos, nisto nada valendo os Graus de Iniciação que acaso se tenham apreendido exteriormente mas sem nenhuma apreensão interior como noção do sentido último dos mesmos, o serem fórmulas concretas de Realização verdadeira. Nisto, realmente, como dizia o Professor Henrique José de Souza, o Ocultismo é uma Ciência bendita mas podendo tornar-se maldita e até fatal para aqueles que querem dar passos maiores do que são capazes.

Portugal na órbita do Quinto Posto Representativo da Obra do Eterno na Face da Terra que é Sintra, nisto é também Lugar de Purga Kármica dos antigos Bhante-Jauls menores (discípulos dos Maiores), entretanto monadicamente emigrados para aqui desde a Mongólia Interior do Traixu-Lama até ao interior de Trás-os-Montes, onde no século XII, junto à margem direita do Rio Tua, em São Lourenço de Ansiães, então protegido pelo castelo templário de São Salvador do Mundo, D. Afonso Henriques, como Assura integrado ou consciente, fundou a Ordem Iniciática Secreta de Mariz, constituída de Homens Superiores cujas Mónadas haviam sido os Kurats da desaparecida Atlântida e no século XI os Avarats companheiros do Conde D. Henrique de Borgonha, pai desse nosso primeiro rei – todos de natureza Assúrica. Sob pretexto de Pelágio ou Reconquista cristã do território da orla costeira ocidental ibérica aos Mouros, essa Ordem locomoveu-se depois até Coimbra (as finis Galliciae) e prosseguiu a sua descida estratégica até fixar-se em Sintra, ainda no século XII, sabendo-a um dos pólos dinamizadores do Mundo, a semente bioenergético do Quinto Sistema de Evolução Universal assinalado no simbolismo pátrio do V Império, para todo o efeito, alumeado pelo Pentannus, a Estrela Flamejante do Mental Superior, este o Plano da Natureza afim à condição da Hierarquia Assura. Com a presença encoberta ou invisível mas em acção sensível e visível através dos seus “escudos defensivos” que foram as Ordens do Templo e de Avis, a Ordem de Mariz actuou em seu escrínio como verdadeiro Refugium Peccatorum dos caídos no Passado, epíteto latino esse também outorgado à Mãe Divina (Maria, Maris, Mariz…) a qual como expressiva do Espírito Santo (Terceiro Logos) participa dos mesmos atributos Dele, nomeadamente a Misericórdia, o Amor e a Sabedoria. Esta Sabedoria revelava-se às Mónadas orientais em purga aqui renascidas como Misericórdia e Amor, o que, neste tutelado, configurava a Ordem de Mariz como a própria Igreja do Amor, no antípoda da Igreja de Roma (Mors e Amor).

É ainda interessante assinalar, de passagem, que na cultura religiosa islâmica o Mariz, Maridj ou Marid (em árabe, مارد) é frequentemente descrito como da classe mais poderosa de Djins, Jins ou Jinas, possuidora de grandes poderes sobre-humanos dispondo-a no patamar dos Adeptos Perfeitos.

Por tudo isso, o Quinto Dhyani proferiu o tirocínio profético de Quem nasce em Portugal é por missão ou castigo, em conformidade à Quinta Linha (contando de baixo para cima) do Odissonai (Ode ao Som), A Sentença de Deus, e para esse resgate e consequente remissão do Karma passado tanto dos antigos Bhante-Jauls aqui reaparecidos como do próprio território peninsular como parcela da Atlântida desaparecida na Tragédia que karmicamente a afogou, os Marizes serviram-se das cinco Forças naturais do Cruzeiro Mágico a Luzir (Éter, Ar, Fogo, Água, Terra, ou Akasha, Vayu, Tejas, Apas, Pritivi Tatvas) e sobretudo das Energias Universais de Fohat e Kundalini, o Fogo Frio Celeste e o Fogo Quente Terrestre, cujas cores verde e vermelha estão patentes na Bandeira Pátria e as cinco Forças nas cinco Quinas inscritas na mesma, igualmente sinaléticas de Cristo derramando seu Sangue Real (Sang Greal, Saint Grial, Santo Graal). Da fusão cromática do verde e vermelho sobressai o púrpura, cor do planeta Júpiter regente do Quinto Posto de Sintra e afim ao mais elevado estado de consciência que é Atmã, o Espírito no Homem que lhe cabe revelar ou realizar – A Realização de Deus segundo a Quinta Linha do Odissonai (contando de cima para baixo).

O aspecto completar de Júpiter é dado em Sintra (Sishita) por Vénus afim à consciência Mental Superior (Manas Arrupa) e planeta da Balança, a mesma representativa da Lei cujos dois pratos de ouro e prata assinalam a Missão (Dharma dos titânicos resgatadores, Assuras fiéis à Lei) e o Castigo (Karma dos decaídos resgatados, Bhante-Jauls fora da Lei), Por sua vez, se Júpiter está para o Sol na sua exaltação, Vénus decai para a Lua exotericamente afligindo Sintra, a “Serra da Lua” (Cynthia), causa oculta dos fenómenos de espelhismo ou maya-vada semeadores de confusões psicofísicas naqueles que sofrem a sua influência enganadora, mas também mestra ensinando a saber separar “o real do irreal, a verdade da mentira”. Onde está a verdade? Por detrás da mentira, respondia JHS. O importante na Balança é que o seu fiel esteja em perfeito equilíbrio gerador da neutralidade dispositiva acima do Bem e do Mal como omnisciência da Lei, característica do Homem Perfeito, do Andrógino Alado do futuro Quinto Sistema de Evolução. Por todos esses predicados, o Deus Akbel batizou justamente a Embocadura de Sintra com o nome sânscrito de Sura-Loka, o “Lugar dos Suras” ou Filhos da Luz, afinal sendo o significado de Lusos, descendentes de Luso filho do greco-romano Baco/Dionísio, este interpretado como deus da Sabedoria na Antiga Grécia, e que foram os povoadores originais da Lusitânia, “Lugar de Luz” (Lux-Citânia), evocados na épica camoniana na estrofe 22 do Canto III de Os Lusíadas tomando como fonte de inspiração a Naturalis Historia de Plínio, o Velho.

Luso e Mariz

Escoando-se as energias planetárias de Vishuda-Chakra (Centro Vital Laríngeo) pela Sura-Loka ou Embocadura da Serra de Sintra, isso condiz com a condição primitiva deste lugar como maciço vulcânico cujo interior da chaminé é hoje o seu vasto espaço oco, subterrâneo. Pois bem, a Serra de Sintra deve a sua origem ao fenómeno geológico chamado intrusão magmática, consistindo esta no aprisionamento de uma bolha de magma no interior da Terra por o manto terrestre ser constituído por ele, que se encontra a grandes temperaturas e consequentemente fundido. Por ser menos denso, esse material tende a subir em direcção à crosta e até mesmo a atravessá-la, dando origem aos vulcões. O processo é análogo ao das bolhas na água a ferver. Por vezes o magma fica retido e não alcança a superfície. Quando a profundidade onde está retido é de cerca de 3 a 15 km, o magma acaba por arrefecer dando origem a rochas plutónicas, as chamadas “pedras velhas” por alguns desavisados confundidas e misturadas com significados lapidares místicos tomados de avulso. No caso de Sintra, a solidificação do magma permitiu a formação dos cristais que constituem o granito. É pelo facto dessa massa de rochas plutónicas ter-se “encaixado” noutros tipos de rocha que se utiliza a designação intrusão. As movimentações tectónicas empurraram, muito lentamente (alguns milímetros por século), essa massa de granito em direcção à superfície e, ao mesmo tempo, as camadas de crosta que se encontravam por cima foram sendo erodidas. Finalmente, alguns milhões de anos depois, o granito começou a surgir à superfície dando origem à serra. Foi assim que a Serra de Sintra (ou Maciço Eruptivo de Sintra) se formou há cerca de 80 milhões de anos, aparecendo à superfície há cerca de 30 milhões de anos. A formação deste maciço está associada ao processo de abertura do Oceano Atlântico. – In C. A. M. Alves, Estudo Petrológico do Maciço de Sintra. Revista da Faculdade de Ciências de Lisboa, 2.ª Série, C, 12(2), 1964.

Esse vulcão deveria ser gigantesco em largura e comprimento e se distenderia até à região de Lisboa colando-se à Serra de Monsanto onde ainda existe uma chaminé vulcânica, junto à antena de televisão. Por outra parte, os lapiás de Negrais prolongando-se à diaclase de Salemas seriam originados dele. Esta é a origem geológica da Serra de Sintra, e já o seu clima único, verdadeiro microclima, deve-se à sua orientação EW, ou seja, Oriente-Ocidente (por isto é o Grande Ocidente da Europa direcionado ao Grande Ocidente do Mundo cujo centro geodésico está no Planalto Central do Brasil), e à destacada altitude da serra na plataforma litoral dando-lhe condições climáticas muito peculiares que, conjugadas com as características edáficas (características do solo), facultam à vegetação um ambiente muito próprio, contrastando com o da área, bem mais seca, que rodeia a serra a norte e a sul.

Carta Geológica de Sintra

Há, pois, em Sintra condições justificativas da possibilidade da existência de um espaço vivenciado por seres humanos interiorizados desde os finais da Atlântida ou início do Quaternário, facto assumido como probabilidade pela Teosofia de Henrique José de Souza e de Mário Roso de Luna, ambos dispondo a Serra de Sintra como Lugar Jina e um dos principais dínamos do Mundo.

Chego assim ao Sistema Geográfico de Sintra, que fui o primeiro a revelar ainda nos idos anos 80, constituído por sete mais um locais nevrálgicos igualmente centros de devoção à Mãe Divina desde tempos imemoriais assim a dispondo no patamar de Serra Sagrada ou Monte Santo (topónimo local) na consignação de Fra Diávolo. O Sistema Geográfico reproduz na Terra um Sistema Planetário em miniatura, como muito bem diz Paulo Machado Albernaz em sua obra A Grande Maiá – Arcano XXI:

“Os Deuses, através de homens piedosos e sábios, promoveram então (após o final da 4.ª Raça-Mãe Atlante logo ao início da presente 5.ª Raça-Mãe Ariana) uma série de missões secretas, nas quais eram escolhidos indivíduos dignos de receberem os ensinamentos superiores. Movimentos nesse sentido foram organizados entre os homens, sempre com a orientação e a dedicação dos Seres Divinos. Nasceram então as Fraternidades Secretas, com toda a sua organização e em regiões da Terra, para onde estavam sendo direccionados tais Movimentos, então criaram-se os chamados Sistemas Geográficos. Estes eram constituídos em locais previamente escolhidos e determinados; deveriam servir de base para a expansão dos Movimentos Esotéricos e Iniciáticos, arregimentando pessoas reconhecidamente capacitadas para integrá-los. Eram muito poucas as Mónadas que serviam para tal missão.

“Um Sistema Geográfico é como se fosse o Sol e os seus sete primeiros Planetas transportados para a Terra, daí o nome “Geográfico”; no centro, como se fosse o Sol, fica a cidade principal, como síntese das outras sete que lhe ficam ao redor, à semelhança dos Planetas e obedecendo, mais ou menos, às distâncias, embora que relativas, da cidade central.

“A escolha dos locais onde deveriam sediar os Sistemas Geográficos teriam que obedecer a normas rígidas da Evolução, bem como à determinação dos países e sítios especiais para tal intento. Este processo é muito antigo, já era conhecido na Índia antiga, conforme podemos comprovar na gravura achada no centro de um Zodíaco hindu. Nela vemos sete cidades em torno de uma oitava, que era a síntese de todas.”

Pois bem, no tocante a Sintra – a “serpente de sete substâncias” (Tatvas), no dizer do Mestre JHS no seu Livro das Falas – praticamente desde o século XII existem sete mais um lugares de maior intensidade bioenergética por onde escoam as energias do seio da Terra e que hoje identificam-se nos seguintes pontos perfazendo um Sistema Geográfico na própria Serra Sagrada: Castelo dos Mouros – Sol; Santa Eufémia – Lua; São Martinho – Marte; Seteais – Mercúrio; Pena – Júpiter; Lagoa Azul – Vénus; São Saturnino – Saturno; Trindade – Sol Central. A Coroa da Rainha dos Céus e da Terra com as cinco estrelas de sete pontas onde se inscrevem as letras do nome Maria, no frontal do altar-mor de ermida de Nossa Senhora da Peninha, remetem prontamente para o sentido encoberto de Sistema Geográfico.

Sistema Geográfico e Brasão

De maneira que o Sistema Geográfico Sintriano se apresenta disposto sob a égide da Mãe Divina (Maria, Maris, Mariz…) na sua função de Rainha do Mundo (Chakravartini), em conformidade à Força Criadora do Espírito Santo (Terceiro Logos) que escoa pelo vau ou garganta que no Homem é a Laringe onde o Verbo soa e a Revelação toma corpo. A Fraternidade Jina de Sintra tem origem na Atlântida (Kusha, nas escrituras védicas) que nesta parte do Globo levava o nome Kurat. O seu ciclo terminou definitivamente. Nada tem em comum com a Face da Terra e que há em comum com esta é a Ordem Iniciática Secreta de Mariz por ser constituída de Adeptos Humanos cujo trabalho em segredo relacionou-se com a recepção, encaminhamento e remissão da Vaga de Assuras caídos entretanto reencarnados na Terra Lusa, ao mesmo tempo que preparava o terreno favorável ao aparecimento do Grande Ocidente no futuro Ciclo de Aquário, nisto tendo sido o processo ecuménico das Descobertas Marítimas o seu eco máximo.

árvore sefirótica e sintra

Desenvolvendo o tema das Fraternidades Secretas e das Embocaduras que as acolhem, Paulo Machado Albernaz diz ainda na sua obra citada por último:

“As Embocaduras que conduzem às Fraternidades Secretas, sediadas no interior de altas montanhas, são rigorosamente guardadas e disfarçadas, para evitar a aproximação de pessoas indesejáveis, curiosos e depredadores. As sentinelas avançadas que protegem tais Centros, são chamadas de Todes. Esta palavra é tirada do termo Sedotes, que são justamente os moradores desses Centros, lida de forma invertida e tirando a primeira e as duas últimas letras. Esse incrível mundo fantástico, abrigado em cavernas, é chamado de Mundo dos Sedotes ou Badagas, e este último nome é usado em toda a superfície da Terra tanto no Ocidente como no Oriente. Vale dizer que tais seres são bem vivos e não almas de pessoas falecidas, como querem alguns. Esse engano provém de que muitos indivíduos que constituem as suas hostes passaram pelo fenómeno da pseudomorte, e apesar de continuarem vivos passam por mortos, pois saírem de circulação e se recolheram àquelas Fraternidades Secretas que são desconhecidas da maioria da população, mas que continuam bem vivos e operantes nessas Fraternidades, que cobrem toda a Face da Terra e não somente os Sistemas Geográficos em função ou activos. É bem verdade que todas elas pertenceram no Passado a antigos Sistemas Geográficos já ultrapassados, mas que jamais foram desactivados. Desta forma são conservados pelo Mundo afora.

“Sempre que nos referimos às Fraternidades Secretas, afirmamos que as mesmas se localizam dentro de altas montanhas, é claro que em cavernas e hipogeos. Sim, porque nesses locais existe o mesmo clima que na Face da Terra, com ar e água, tão necessários às necessidades de todo o ser vivo. As pessoas que ali residem, altamente privilegiadas ainda que pelos seus próprios esforços, são absolutamente normais, como já observámos muitas vezes. Algumas escolas ou movimentos espiritualistas chegam a afirmar que tais Fraternidades estão bem incrustadas abaixo da crosta terrestre e são povoadas por almas, espíritos ou coisa parecida. O nosso argumento contrário baseia-se no facto de que tais seres costumam aparecer entre os homens munidos dos seus respectivos corpos, e se fossem mortos não teriam veículos para a sua manifestação. Alguém poderia nos contradizer, afirmando que eles poderiam “aparecer” no corpo de um “médium” e operar as suas missões. Mas, nesse caso o “médium” seria uma pessoa viva e bem conhecida da comunidade na qual aquela entidade se apresentasse. Seria bem difícil reconhecer um Ser Superior dessa forma. Sem um corpo ou veículo vivo não é possível ter comunicação com os outros homens vivos. A prova é que até os Deuses tiveram que se avatarizar em corpos vivos para tal convívio. Além de que no Mundo das Almas, que é imaterial, não poderiam existir Bibliotecas nem Acervos Antigos como se afirma, pois são materiais.

“Até há pouco tempo atrás poderia parecer inverosímil a existência dessas Fraternidades Secretas, que aliás são mencionadas com incríveis detalhes nos Livros Sagrados, tanto nos Vedas e seus Comentários como em muitos outros de várias etnias. Alguns investigadores até consideravam delírios de religiosos fanáticos a menção de tais locais. Mas hoje, com a expansão da tecnologia, já é possível instalar fábricas, laboratórios, esconderijos e abrigos subterrâneos em cavernas profundas, com ar condicionado e ambientes artificiais, onde milhares de pessoas podem viver e trabalhar tranquilamente. Isto torna absolutamente razoáveis e viáveis aquelas afirmações, que antes não poderiam ser entendidas e aceitas. Esse e muitos outros casos citados naqueles Livros, tornam-se mais compreensíveis e passíveis de serem acreditados. As Fraternidades Secretas, por enquanto, continuam fora do alcance dos homens comuns.”

Posto assim, caem redondamente por terra as teorias oníricas de pressupostos relacionamentos directos de alguns Jivas com a Fraternidade Jina de Sintra, falando “tu cá, tu lá” com Adeptos Embuçados ou Encobertos (epíteto figurino de discrição), os Superiores Incógnitos do Mundo, com se fosse possível o plural imperfeito conjugar com o singular perfeito, acabando até por confundir formas líticas com homens e minas d´água com embocaduras, em criações fantásticas na maior comoção dos sentidos psiquicamente exaltados, vendo o que não existe, falando com ninguém e rematando em delirantes auto-psicografias de elogio próprio e acusação imprópria, afligidas no convencimento particular de falar com defuntos por não se dar com vivos, e depois de morto, provavelmente, procurará falar com vivos por não se dar com mortos. Trata-se do estado de obsessão paranoica do não saber estar em parte nenhuma, em agitação contínua na afirmação da personalidade que se quer impor seja a pessoas, a ideias ou a coisas, caracterizando infelizmente bem tanto os adeptos dos cultos animistas, como os incontáveis “gurus” de fancaria sem missão própria na vida senão a de resgatar o seu próprio karma, e igualmente aqueles que fracassam no Caminho da Verdadeira Iniciação e se tornam, também eles, “gurus” por conta-própria, por empatia kármica indo aqui e ali arregimentando correligionários os quais também acabarão afastando-se, quando tal dividendo se esgotar. Realmente, é muito fácil um candidato à Iniciação Assúrica de Akbel fracassar, sempre vítima de si mesmo, e talvez seja ainda mais fácil a qualquer um e uma os detectar, pois “pelo fruto se conhece a árvore”.

Mina d´água do Rio da Bica, alimentada pelo lençol freático de Santa Eufémia da Serra de Sintra

Mina d´água do Rio da Bica, alimentada pelo lençol freático de Santa Eufémia da Serra de Sintra

Toda a Fraternidade Iniciática Secreta possui Ordem e Regra. Nela só ingressa quem seja da sua progénie ou linhagem, por norma abarcando um esteio de inúmeras vidas sucessivas sempre sob a direcção do mesmo Mestre e consequentemente do mesmo ensinamento e prática, adaptados aos ciclos em que se manifestam, mas sendo sempre a mesma Egrégora e o mesmo Raio Espiritual. Também por esta razão, quem chega pela primeira vez à Instituição detentora da Obra poderá de imediato sentir uma profunda empatia pelas mesmas e sentir-se finalmente “em casa”, e os “da casa” sentirem na nova chegada a presença de um velho Irmão, neste caso, parcela viva do Mestre JHS.

Se o Mestre já não pertencer ao mundo dos vivos, então o discípulo recém-chegado poderá muito bem ser reconhecido pelos pares do Mestre seus próximos quando vivia entre os mortais. Esse foi o meu caso, motivo de me terem confiado um Tesouro de Sabedoria que conservo com amor e fidelidade, além de ter pertencido às hostes da Instituição fundada por JHS tanto no Brasil como em Portugal, garantindo a legalidade pela afiliação e iniciação legítima. Por isto, conservo o laço social e mantenho a relação espiritual, motivo de ser conhecido em ambas as partes do Mundo e creio que respeitado e até estudado na obra que desenvolvo a favor da Grande Obra do Deus Akbel. Tudo sem quimeras nem invenções oníricas, que a Obra Divina sendo transcendente também é bem concreta.

Tão concreta e definida quanto a Hierarquia Espiritual dirigindo a Evolução Planetária desde a Divindade do Logos Solar até à humanidade do Muni de Indra ou Pequeno Muni, o Munindra, partícipe da Grande Fraternidade Branca dos Irmãos de Pureza – Bhante-Jauls – e ponte ou elo que liga/desliga entre ela e a Humanidade, conforme o esquema seguinte:

Hierarquias e Obra

Dentre os Sete Planetários e pela sua ordem natural no curso dos dias da semana, cabe ao Quinto, correspondendo a Jovedia ou dia de Júpiter (quinta-feira), dirigir a Quinta Embocadura Planetária de Sintra, inserta no Sistema Geográfico Internacional, e com isso a Hierarquia Iniciática e Secreta da mesma como quinta parcela dentre as sete da Corte do Deus Akbel. Esse Planetário que é o Luzeiro manifestado, às 18:00 horas de 11 de Maio de 1956 foi batizado por Akbel recebendo o nome de Arabel; logo depois, às 15:00 horas de 24 de Junho de 1956, foi entronizado no Templo de Maitreya, em São Lourenço, Sul de Minas Gerais, Brasil, indo em seguida encetar viagem subterrânea onde esteve três dias no escrínio do Posto Representativo da Serra de Sintra. Com a presença de Arabel em Portugal a Obra de JHS começou a delinear-se no solo pátrio abrindo possibilidades à erupção do Novo Ciclo a Luzir e com ele a consolidação da Era do Espírito Santo. Logo no ano seguinte, em 14 de Abril de 1957, às 12:00 horas Akbel inaugurou o Quinto Sistema de Evolução e com isso abriu-se um leque imenso de promissoras possibilidades futuras para a Obra Divina, para a Humanidade, para o Mundo. Vinte e um anos depois (Arcano XXI, A Libertação), em 1978, dei início em Sagres com vários portugueses, espanhóis e goeses à Comunidade Teúrgica Portuguesa, vários desses ainda vivos e que muitos dos presentes conheceram pessoalmente. Mas fiz questão que se mantivesse sempre a ligação espiritual e humana ao Brasil e sobretudo à brasílica Instituição e Obra de JHS. Por que? Por saber que Portugal – Sintra é rota de passagem dos antigos Deuses caídos a caminho da integração em JHS no Grande Ocidente do Mundo, e nisso se consubstancia o trabalho teúrgico e muitos “amargos de boca” para mim enfrentando as rebeldias congénitas de muitos(as), e também por saber por avisadas vozes próximas de JHS, a maioria confidenciando em surdina à minha pessoa, que a cidade subterrânea de Sintra estava inteiramente consolidada desde 1957 e com ela a sua Hierarquia Iniciática ou Espiritual sob a direcção do Quinto-Theo (Arabel) corporificado no Quinto Dhyani-Kumara Sakiel ou Satya-Bel, paraninfo do Quinto Dhyani-Buda de nome profano Eduardo, já tendo sido Leonel, e de sua excelsa progenitora e contraparte de nome profano Joana. De modo algo enigmático para a maioria dos leitores estranhos aos Mistérios da Obra Divina, contudo dou à impressão o esquema seguinte da Hierarquia Espiritual afim ao Quinto Posto Representativo da Obra do Eterno na Face da Terra, que o mesmo é dizer Teurgia.

Hierarquia Sintra

O Livro do Colóquio Amoroso, escrito pelo Mestre JHS em 1956 e que é “pedra de toque” fundamental na Ordem dos Tributários, de certa maneira tem a ver com Portugal e o derradeiro destino dos Lusos assúricos na fundação do V Império do Mundo sob a égide do Augusto Deus Senhor Arabel, ou seja, o Deus do futuro Quinto Sistema de Evolução Universal, quando diz:

“Este Livro é dedicado ao 5.º Senhor do Lampadário Celeste, ARABEL, o Deus da Ara, do Altar, ou do Fogo, como Senhor do Quinto Sistema. Foi denominado LIVRO DO COLÓQUIO AMOROSO por registar a Fala Amorosa entre os DOIS IRMÃOS do referido Lampadário Celeste, o 5.º e o 6.º, respectivamente, Senhores do 5.º e do Sexto Sistemas. A Era do Espírito Santo é aquela em que se manifestam FOHAT, como Luz, e KUNDALINI, como Fogo, entrelaçados para a exaltação do Espírito na Matéria.”

Note-se Arabel é a Consciência Integrada do antigo Luzbel, entretanto redimido por Akbel e ficado para trás na marcha da Evolução avante. Será algo assim como a Personalidade para a sua Individualidade, motivo de se ler no mesmo Livro do Colóquio Amoroso: “Quanto ao Quinto, a esplendorosa revelação que destrói o estigma fatal que até então pesava sobre um Ser de quem nem sequer o verdadeiro Nome se sabia: Lúcifer – Luzbel – o Diabo – Satanás, eram os seus únicos nomes, mas todos eles cercados com a Auréola Luminosa de cada um dos Sistemas.

“As inúteis religiões e os seus incultos fanáticos, sempre O tiveram como “inimigo de Deus, o perseguidor das almas”… o entronizado no Inferno, embora que real no verdadeiro sentido da palavra. E não se apercebiam que neles mesmos era onde estava o Mal… se bem que continuem pensando a mesma coisa.

“Aquele que confunde Rigor e Rebeldia com Ódio e Perversidade, também confunde Mal com Bem, com Esplendor. E com o próprio Amor, a Gloria e a Justiça que é dom comum Daquele que até hoje tem sido “A Voz Divina na Terra”: o Sexto Senhor dos Universos.

“Não troco o meu Nome Arabel por nenhum outro, nem mesmo o de Luzbel… como Júpiter, por me ser dado por Ele.”

Arabel

Como o Karma resume-se à consequência dos actos praticados, tem-se que as Mónadas orientais implicadas na Tragédia do Tibete com queda fragorosa da Fraternidade dos Bhante-Jauls vieram a renascer na Europa sob a tutela de Portugal, sua capital espiritual, sendo que no século XVIII tiveram de passar pelo resgate kármico colectivo em França, durante a Revolução Francesa (1789-1799) no período do Terror, onde só em Paris rolaram cerca de 432.000 cabeças sob o guante aguçado da guilhotina e em toda a França mais de 1.400.000 vidas. De maneira trágica e radical, aos poucos foi assim resgatado o Karma colectivo do Passado dos Assuras caídos e de todo o povo asiático directamente implicado nessa queda espiritual do Oriente que culminou com o deicídio dos Gémeos Espirituais Mi e Da e a interrupção na manifestação de Maitreya sobre a Terra já no século X d. C.

Todo esse processo de resgate kármico colectivo foi supervisionado pelos Adeptos Independentes São Germano e Cagliostro relacionados ao Posto Representativo de Sintra, a mesma Sishita védica. Depois disso, as Mónadas vitimadas pelo seu próprio karma foram sendo agrupadas no Plano Causal pela Hierarquia da Fraternidade Jina de Sintra e preparadas para serem projectadas em novéis reencarnações no Novo Mundo, a América, com destaque para o Brasil onde a Obra do Eterno faria a sua eclosão espiritual em 1899 na Ilha de Itaparica, defronte a São Salvador da Bahia de Todos os Santos.

Passando da tragédia à apoteose, remate glorioso de todo esse processo transferindo do castigo à missão, deu-se o Avatara Momentâneo de Jesus e Maria (Jeffersus e Moriah) trazendo consigo os Gémeos Espirituais para o topo da Serra de Sintra, para o Pico do Graal assinalado no Cruz Alta, apresentando-os ao Mundo. Com efeito, na passagem do dia 27 para 28 de Setembro de 1800, à meia-noite, o Quinto Bodhisattva, o Cristo, transportou-se para fora do Retiro Privado dos Marizes, não sem antes com Sua Santa Mãe, Maria, terem erguido nos braços as duas crianças privilegiadas em sinal de súplica e oferenda ao Céu, momento sublime em que se desprenderam dois Raios de Luz verde e vermelha como se fossem duas Lágrimas caídas dos Olhos do Eterno indo aninhar-se nos puríssimos corações infantis. Houve o Avatara Momentâneo.

Luz e Movimento – Avatara no Pico do Graal – a efígie de Cristo plasmando-se no topo da Serra Sagrada, mercê do Raio Andrógino projectado das Alturas “visando unir o Céu à Terra” na intuição feliz de Francisco Costa, em seu poema (1933) lapidado na mesma Cruz Alta. Como se fossem “dois pequenos braços cobrindo toda a Serra”, senão a toda a Terra, os Gémeos Espirituais foram apresentados ao Pramantha Mágico de Mariz, corporificado nos preclaros membros dessa Milícia, já de si profundamente implicada na Redenção de Luzbel e dos Assuras decaídos, o que em termos de Tarot equivale à Queda no Arcano XVI (4.º Sistema – Raça Atlante) e doravante as Estrelas do Arcano XVII (5.º Sistema – Raça Ariana).

JHS Cruz Alta

Esse glorioso evento do Nascimento Avatárico vai bem com o lugar efectivo da apresentação dos Gémeos Espirituais aos Adeptos Perfeitos e à restante Humanidade então representada no Povo Português, sobre o que diz o Venerável Mestre JHS em uma sua Carta-Revelação datada de Janeiro de 1941 (Pivot da História actual da Obra):

“Mas não esqueçamos que em 1800, três séculos depois de 1500, também se firmando o referido Ciclo do Oriente ligado à Europa (de que tanto se ocupa Saint-Yves d´Alveydre falando mesmo na Agharta, nos 22 Templos dos Traichus-Marutas, etc.), o mesmo Rei do Mundo fez Avatara em Portugal, onde se acha a famosa profecia sibilina que anuncia “a união das águas do Ganges com as do Tejo”, ou o Ciclo anterior para a descida das Mónadas afro-ibéricas ao continente americano, etc., isto é, como foi dito anteriormente, o Oriente com a Europa, para depois ambos com o referido continente, do outro fenómeno cíclico que envolve os preciosos nomes de Colombo e Cabral: o Cristo e o Cumara. Sem faltar o símbolo do Espírito Santo – Columba, Columbina: AVIS RARIS IN TERRIS. Sic illa ad arcam reversa est. Com vistas á Ordem de AVIS, que é a mesma de MARIZ. Verde para essa e vermelho para a de CRISTO.

“Sim, o referido Avatara de Portugal obedece às 3 fases, encobertas por Maya, por não se poder dizer às claras, que são as seguintes:

“1.ª – Do Pai, que é ao mesmo tempo Filho e Espírito Santo. Donde o termo Maitreya, “Senhor dos Três Mundos”, mas também das Três Manifestações.

“2.ª – Do Filho, que é Pai.

“3.ª – Da Mãe do Primeiro, a Esposa-Irmã do Segundo. Que A chamem de «filha» as forças do Mal, pouco importa. Dura Lex sed Lex! O facto é que o Karma fica… mesmo em obediência à Lei que a tudo e a todos rege.

“Sim, o Rei do Mundo apresenta os seus dois Filhos, em épocas diferentes, na razão acima apontada: Ele mesmo… e os Dois, ou 3 etapas, aparições, etc.”

Foi assim que Jivatmãs e Jivas receberam a Bênção do Eterno nesse Avatara Momentâneo na Serra de Sintra, em 28 de Setembro de 1800, através dos Maiores da Raça dos Lusos (Avarats) e da Raça dos Lusos para toda a Humanidade.

Mas a acção da Lei em solo lusitano não parou aí. Mercê de mil peripécias que só o intrincado da Iniciação pode explicar, os Gémeos Espirituais regressam a Portugal já como Henrique José de Souza e Helena “Iracy” Gonçalves da Silva Neves, ambos renascidos no Brasil em 15 de Setembro de 1883, ainda que ela com mais alguns meses de diferença. E vêm pelas mãos abençoadas do então Grão-Chefe da Ordem de Mariz, o Barão Henrique Álvaro Antunes da Silva Neves, ao lado de sua santa esposa a Baronesa Helena de Guzman (ou Gusmões) da Silva Neves, os quais irão servir de paraninfos ou pais adoptivos ao jovem casal. Com 16 primaveras feitas já no final da sua viagem verdadeiramente avatárica, ei-lo finalmente em Lisboa, a cidade da Boa Lis, da Boa Lei, no sábado de 22 de Julho de 1899, estava a Lua em crescente.

O casal privilegiado, os Gémeos Espirituais (Deva-Pis) peregrinam a Sintra, vão a São Lourenço dos Ansiães, orbitam nos espaços comendatários da Soberana Ordem de Mariz e é aqui mesmo, em Portugal, que Henrique José de Souza, na passagem dos seus quinze para dezasseis anos de idade, pela primeira vez nessa sua vida (1883-1963) recebe a Luz da Iniciação, motivo para depois reafirmar constantemente que a Obra nasceu em Portugal.

Mas chegou o dia fatídico, e com ele nova Tragédia na Rua Augusta, em Lisboa. Estando a Lua Cheia na quinta-feira de 27 de Julho de 1899, cerca das 15 horas, tarde chuvosa, paralela ao Tejo descia a Rua da Conceição a carruagem conduzindo a passeio os Gémeos Espirituais, na direcção da Sé Patriarcal. Nisto, em pleno cruzamento dessa artéria com a Rua Augusta, sem que ninguém esperasse, quatro encapuçados vestidos de negro saíram de cada ângulo da encruzilhada e lançaram nos olhos dos cavalos um pó irritante que os descontrolou atirando-os numa corrida desembalada. Debalde o cocheiro tentou refrear as bestas… e a caleche acabou virando-se sendo Henrique e Helena projectados dos seus assentos. Henrique feriu-se sem gravidade, mas Helena ficou sob os rodados do veículo gravemente ferida no pescoço. Sendo os jovens recolhidos ao interior da Sé Patriarcal próxima, foram-lhes ministrados os primeiros tratamentos. Depois Henrique foi recolhido ao calor acolhedor do lar dos Barões da Silva, enquanto Helena era recolhida ao escrínio subterrâneo de Sintra. A sua viagem avatárica à Europa fora assim subitamente interrompida e o casal separado, só voltando a reencontrar-se e já no Mundo Jina no Norte da Índia, em Srinagar, para onde depois o Barão Henrique da Silva Neves levaria o jovem em companhia de outros Adeptos formando a mais excelsa comitiva. Passado um ano, ele regressou ao lar dos seus pais efectivos em São Salvador da Bahia.

Henrique José de Souza com 16 anos de idade, época da sua ida a Portugal

Henrique José de Souza com 16 anos de idade, época da sua ida a Portugal

Dessa maneira, cumpriu-se o périplo assúrico que une o Oriente ao Ocidente e abriram-se as possibilidades futuras da completa Redenção dos Bhante-Jauls. Realmente, “quem nasce em Portugal é por missão ou castigo”… a Balança da Lei em recta acção.

Missão ou castigo - Balança

Finalmente, para encerrar este estudo com chave de ouro, respigo à Carta-Revelação de JHS, datada de 8 de Novembro de 1956, as palavras preciosas devendo calar fundo em meu peito, sim, mas também nos peitos de todos os Munindras, quer ou não aspirem integrar-se aos seus Makaras ou Consciências Superiores, e igualmente nos restantes homens e mulheres de boa vontade aspirando povoar a Nova Terra, ser parte integrante da Nova Raça Dourada, Cristina ou Crística:

Irmãos, sede unidos, sede bons, irmãos e companheiros uns para os outros. O orgulho e a vaidade retiram a fama, sim, a fama da bondade e da inteligência.

Fama que deve ficar para trás de nós, e não na nossa frente, para não haver vaidade e orgulho. Nós sabemos quem somos e o que queremos. Por isso, preferimos o sofrimento, mesmo que nos seja difícil suportá-lo.

Aquele que vive eternamente feliz, nem sequer sabe morrer: sabe receber a Bênção de Deus, vinda da Corte Celeste. Essa divina Corte ou Hoste a que se referia Roso de Luna. Pais, irmãos, todos quantos ainda não se encarnaram e que estão ainda sob a tutela do Karma-Grupo (Alma-Grupo), vêm acompanhar os seus parentes…

Que dizer Daquele ou daqueles que possuem ao redor os próprios Deuses? Caijah e Agharta, a Voz do Logos, vinda de Shamballah, como tudo isso é agradável à última jornada… Muito mais ainda quando se sabe que dentro de 38 anos há uma só Família guiada pelo Theotrim… que vai formar uma nova Humanidade. Em volta, a prodigiosa Semente. Os nossos pupilos, a nossa gente, o SPES MESSIS IN SEMINE.

O que será esse Amanhã é sempre incerto o que a própria Lei nos favorece, porque se tal coisa o homem soubesse ficaria louco ou morreria antes do tempo.

SENHOR! SENHOR! Permiti que os da Minha Corte conduzam os que ficaram fiéis à Lei mas ainda não nos conhecem, a essa mesma Corte… Além do mais, porque eles e os velhos obreiros de tão excelso Edifício, por sua vez, constituirão uma nova Corte ao Norte. Ambas equilibradas como as duas conchas de uma balança, firmarão na Terra a Tua própria Omnipotência.

A Terra regada com o sangue do velho Ciclo deverá tornar-se fértil. Sangue e lágrimas, como naquelas duas galhetas da Tragédia do Gólgota. No Caijah, o divino Cálice que já procede da Atlântida. No Templo, o Cálice que guarda no seu interior o Coração do Mundo, a Voz do Universo ou Logos Criador, por isso mesmo, OMNIPOTENTE, OMNISCIENTE, OMNIPRESENTE! Lágrimas em Sal transformadas. Por sua vez, o SANGUE em Carvão, como se fossem as próprias cinzas do Passado, mas também o valor inexcedível do calor existente no Seio da Terra, que a própria Vida mantém eternamente. Carvão e Sal, dois Universos: Quinto e Sexto.

Estou despido diante de Mim próprio, e não como outrora, diante de Vós, porque o Teu Altar é o Meu próprio Corpo.

Assim, entoo o Psalmo 87, no seu transcendental complemento.

AT NIAT NIATAT – THEOTRIM – SALVAT

Anúncios