Cabeçalho

Sintra, 15.2.2016

O ano 1883 marcou definitivamente a arrancada de um novo ciclo da Obra do Eterno na Face da Terra. Com efeito, em 15 de Setembro nasciam os Gémeos Espirituais em São Salvador da Bahia, Brasil, ele com o nome humano de Henrique José de Souza, tendo recebido formação cristã em sua infância por parte de seus progenitores, sobretudo da progenitora, e ela com o nome humano de Helena “Iracy” Gonçalves da Silva Neves, cedo levada por seus pais adoptivos, os Barões Henrique e Helena da Silva Neves, para Goa, antiga colónia portuguesa da Índia, onde receberia primorosa formação absorvendo a catequese budista. Foi assim que, apesar de nascidos no Extremo Ocidente do Mundo, Henrique ficaria num extremo do Itinerário de Io, o Brasil, e Helena em outro extremo, a Índia, de maneira a unir os dois hemisférios do Globo em uma Obra única que futuramente iriam levar avante. Algo assim como Ptah (Egipto) para o Ocidente e Upasika (Índia) para o Oriente, doravante El Rike e El Lena.

É o próprio Professor Henrique José de Souza quem regista esse facto no seu artigo A Mãe Índia, publicado na revista Dhâranâ n.º 95/98 de 1938:

“E quando o nome do grande Guerra Junqueiro nos acode à memória, ao prestar-vos tão humilde quão sincera homenagem, ó Índia querida de nossa infância feliz em busca de um Ideal hoje realizado, é por ser ele um dos maiores Génios (ou Jinas) que ilustraram e honraram o não menos querido da Pátria de nossos verdadeiros Pais: o velho PORTUGAL!…

“Por isso que não podíeis deixar de fazer parte das TRÊS NAÇÕES envolvidas em tão excelso MISTÉRIO, como foi aquele das nossas 16 primaveras: BRASIL, donde partimos para estreitar em nossos braços aqueles que somente muitos anos depois vimos a saber serem os nossos verdadeiros Pais (suplício de Tântalo, dizemos hoje, quando não mais os poderemos ver!…), embora a Maya Budista ou Iniciática da nossa própria ida para Lisboa nos conduzisse atrás de um outro ideal (o da Queda dos Anjos) envolvido pelo nome de Helena, que desde então começou a influir poderosamente em nossa vida, como na de outros Seres elevados (…).

“E, finalmente, tu, ó ÍNDIA de nossos queridos sonhos de infância, para não dizer, das Mil e Uma Noites Ocultistas, com que todos os homens, avançados ou não, se iniciam na vida… excelso Lugar para onde fomos em companhia daqueles entes queridos que, de facto, residiam em SÃO LOURENÇO DE GOA, nome que, por sua vez, teria futuramente de intervir em nossa própria Missão na Terra, como o prodigioso Lugar da sua espiritual eclosão na Pátria consagrada pelos Deuses, como “Santuário de Iniciação Moral do Género Humano a caminho da Sociedade futura”… BRASIL, ou o fiel Guardião das brasas de AGNI, o Excelso Fogo da Sabedoria Divina! De GOA partimos, já com outros (menos a Mater Dolorosa, que era obrigada a recalcar no fundo do seu coração os direitos maternos… de há muito perdidos), para Calcutá, tocando antes em Ceilão… para depois tomarmos o devido rumo, ou seja, aquele que nos obrigou a sair do Brasil, como nossa terra natal, em busca de algo desconhecido, como outrora os Cavaleiros Andantes atrás da sua Dama, pela qual davam a própria vida… Nesse caso, como la Dama de sus ensueños, espiritualmente falando, a Pisthis-Sophia.

“Desde então, ó ÍNDIA querida de nossa infância perdida… jamais o teu excelso Nome deixou de ecoar em nosso pobre coração, fazendo vibrar as 7 cordas de nossa Lira interna, sob a mística influência do excelso acorde formado pela Sacrossanta Palavra AUM.

“E assim foi que os nomes BRASIL, PORTUGAL e ÍNDIA vieram juntar-se aos de TIBETE, GOBI e MONGÓLIA. Mesmo porque além, muito além do gigantesco e sacrossanto HIMALAIA… aqueles prodigiosos nomes já eram de há muito pronunciados pelos Lamas Perfeitos ou Goros do Rei do Mundo, sem falar nas místicas e incomparáveis Assembleias realizadas nos Reinos Subterrâneos da AGHARTA, defendidos pelos Traichus-Marutas dos 22 Templos Arquimaçónicos, cujas ramificações na superfície da Terra se achavam expressas no enigma do L.P.D., que o próprio CAGLIOSTRO trazia no peito.”

Acompanhou o nascimento dos Gémeos Espirituais uma chuva de estrelas de rara intensidade e a erupção do Krakatoa que envolveu a Terra num manto vermelho de lavas inflamadas, algo assim com se fosse a descida dos Anjos benfeitores do Segundo Mundo Celeste, Matra-Devas, vindo anunciar o divino Nascimento à Humanidade, e a subida dos Anjos revoltados do Terceiro Trono Terrestre, Assuras, em guisa de quererem criar oposição às vidas dos recém-nascidos. Desse atrito ou diabolô entre Fohat e Kundalini, Céu e Terra, Akbel e Luzbel, ficaria doravante marcada a vida humana dos Excelsos Deva-Pis, os Gémeos Espirituais servindo de ponto intermédio equilibrante entre as duas Forças mantenedora da Vida Universal, assim mesmo ficando a sua vida compassada por múltipla e alternada Epopeia e Tragédia.

Epopeia como a da chuva de estrelas ou “lágrimas de São Lourenço” (do radical Luz), e tragédia como a da erupção do Krakatoa, para todo o efeito, indicativos ocultos da projecção monádica da Vaga Assúrica dos antigos Bhante-Jauls decaídos acompanhando o renascimento do seu Senhor e Salvador, Akbel em forma humana, ao lado de sua Excelsa Shakti ou Contraparte, Allamirah. Isso após repassarem no velho cadinho chamado Porto-Graal, que é dizer, Portugal, onde a mesma Obra Divina teve início na virada do século XIX para o XX.

Depois do Avatara Momentâneo na Serra Sagrada de Sintra, em 28 de Setembro de 1800, quando os Gémeos Espirituais foram momentaneamente apresentados ao Mundo por Jesus e Maria chancelados pela Ordem de Mariz, os mesmos Gémeos seriam encaminhados para dois Retiros privilegiados dos Deuses no Extremo Ocidente do Mundo, o Brasil, indo o aspecto masculino para Vila Velha, Paraná, onde ficaria adormecido ao lado daqueles que foram os sacerdotes Bhante-Jauls no ano 985 d. C. Esse Retiro, de feição “feminina” ou gará, chama-se Boassucanga, “Mansão das Almas Salvas”, e está sob a direcção do antigo Rei atlante de nome Omar. O aspecto feminino seria encaminhado seria encaminhado para o Retiro no Roncador, Mato Grosso, de feição “masculina” ou cabayu, chamado Araracanga, “Cabeceira da Arara Vermelha”, dirigido pelo antigo Rei atlante de nome Salo. Ficaria adormecida ao lado das sacerdotisas contrapartes dos Bhante-Jauls, também adormecidas, enquanto as suas Consciências pairavam no Segundo Trono, no Akasha Celeste assinalado na constelação de Ziat, Cruziat ou o Cruzeiro do Sul.

Os Gémeos Espirituais ficaram nesses Retiros em estado de hibernação, numa vida subjectiva para que houvesse a calcificação dos seus cérebros: ficaram vivendo através da vibração do Som Primordial, ou o Sonido do Logos.

Durante esse espaço de tempo passaram por Shamballah, Agharta, Duat, Badagas até chegarem à Face da Terra com o seu nascimento em 15 de Setembro de 1883, assim se dando a passagem da vida subjectiva dos Gémeos Espirituais em Agharta à vida objectiva na Face da Terra.

Deu-se assim a manifestação do Avatara do Eterno neste Mundo, com isso iniciando uma nova etapa evolucional para o mesmo. Mas o que é Avatara?

Avatara é a Essência Divina que, através das suas manifestações em diferentes épocas, promove meios para que a Humanidade transforme o seu Karma negativo em positivo, em Dharma, alcançando a Superação, ou seja, o equilíbrio entre os seus três Corpos (Trikaya) Físico, Psicomental e Espiritual. Daí ele, o Avatara, agir simultaneamente nos respectivos três Mundos do Universo, o Físico, o Psicomental e o Espiritual.

Tomando como base o exemplo da vida esotérica e exotérica do Venerável Mestre que o mundo profano conhece como Henrique José de Souza, posso adiantar o seguinte em correlação com o igual do Avatara:

Espiritual – É quando se fala em Eterno, Espírito de Verdade, o Avatara Total no Plano da Luz = o Deus-Deus, AKBEL.

Psicomental – É quando se refere a esse mesmo Avatara Parcial no Plano do Tempo = o Homem-Deus, EL RIKE ou JHS.

Físico – É aquele Avatara Momentâneo que está no Plano ou Dimensão do Espaço = o Deus-Homem, HENRIQUE ou HJS.

Em virtude de se estar vivendo no 4.º Sistema de Evolução Universal, na 4.ª Cadeia Planetária em sua 4.ª Ronda do seu 4.º Globo e ainda redimindo os restos da 4.ª Raça-Mãe Atlante, JHS, como Avatara do 6.º Senhor AKBEL Salvador e Redentor do 4.º Senhor ATLASBEL (Rigor), e igualmente do 3.º Senhor LUZBEL (Rebeldia) integrando-o ao Esplendor do 5.º Senhor ARABEL, por Lei passou a ter quatro progenitores, sendo um real (Lorenzo e Lorenza) e três adoptivos, isso para estar em conformidade às quatro funções que deveria desempenhar na sua expressão humana ou manifestada sobre a Terra de Rei de Salém (Pax) e de Justiça (Lex) – MELKI-TSEDEK.

1) Pais reais – São Germano e Lorenza (no papel de Ardha-Narisha-Kumara, o Andrógino Divino): em relação ao Eterno, a Shamballah, ao Ishwara ou Logos da Cadeia, a Astaroth, aos Assuras, ao Theotrim. Divinização.

2) Pais adoptivos – Jeffersus e Moriah (Jesus e Maria, o Quinto Bodhisattva): em relação ao Atmã, a Agharta, ao Kumara ou Planetário da Ronda, a Karuna, aos Agnisvattas, a Melki-Tsedek. Entronização.

3) Pais adoptivos – Barões da Silva Neves (Henrique e Helena): em relação ao Astral (Psicomental), a Duat, aos Dhyanis, a Yama, aos Barishads, a Kohen-Tsedek, o Exaltado como Filho de Deus. Exaltação.

4) Pais adoptivos – Honorato e Amélia de Souza (sendo a alma da criança trocada à nascença por outro Ser mais elevado): em relação ao Físico, à Face da Terra, aos Jivas, ao Manu, a Adonai-Tsedek, ao Rei-Mendigo, ao Revelador. Revelação.

É o próprio JHS quem a si se define:

– Quando de Mim falarem, podem dizer: tenho por Raiz o Segundo Trono (Akasha), por ser o da Árvore dos Kumaras; por Morada original na Terra, Agharta; por Berço cíclico a Bahia (Salvador); por Berço histórico, Portugal (Sintra). Portanto, diversos nomes, sendo que o verdadeiro é EL RIKE (Henrique).

JHS - Sol do Novo Pramantha

Concluiu-se que JHS passou por várias fases de adaptação desde o mais profundo ou divino do Globo até ao mais material ou a sua superfície, indo paulatinamente revestir-se das características Mental, Causal, Intuicional e Espiritual a ver, respectivamente, com a genealogia dos 4.º, 5.º, 6.º e 7.º Senhores da Criação, mais o 8.º como Eterno de onde a sua Consciência se particularizou no acto da manifestação. De maneira que esses nascimentos são adaptações, para que finalmente pudesse ser trocado na Face da Terra.

Acrescento ainda que, em 1948, o Professor Henrique José de Souza revelou que os Gémeos Espirituais nasceram na 1.ª Lua Nova de 1789, o que por si só define a Origem Divina dos seus veículos e as sucessivas trocas ou adaptações que sofreriam como limitação veicular.

Acompanhando a manifestação dos Gémeos Espirituais viriam a reencarnar sucessivamente no solo brasílico os antigos discípulos dos Bhante-Jauls, eles mesmos originalmente “Irmãos de Pureza” antes de terem decaído mas malhas falazes do lodo imoral que os corrompeu, cujas Essências eram as mesmas dos originais Assuras tombados com o seu Líder, o Quinto Senhor, do Segundo Trono no Terceiro, mas que o Sexto senhor resgataria para si aquando da sua manifestação original quando o Jiva se tornou efectivamente Homem, corriam os meados da 3.ª Raça-Mãe Lemuriana.

Tal explica aquela passagem da Yoga Pentalfa (Astrológica) onde se profere: “(…) Presto a homenagem da minha eterna gratidão aos Gémeos Espirituais, Henrique e Helena, como fazendo parte da sua Corte de 111 Makaras e 777 Assuras em formas duais”.

O movimento cíclico das Mónadas Assúricas, sobretudo de natureza ibero-africana, trasladando-se de Portugal ao Brasil fez-se pela Rota SW (a mesma seguida em 1500 pelo Cumara ou Caprino Pedro Álvares Cabral, de Sagres à Baía Cabrálica em Vera Cruz, chefiando a sua Cavalaria do Mar beijada pelas estrelas do Cruzeiro sidéreo), indo abrir o sulco por onde discorreriam as energias vitais propícias ao nascimento de uma Nova Civilização no Grande Ocidente do Mundo, o que tão bem previu Almada Negreiros num feliz tirocínio, conforme as suas palavras reproduzidas no Jornal Expansão, 3/1993:

“Se existe um pilar-mestre em torno do qual volteja a orientação de OCIDENTE-SUL, ele tem sido, mais ou menos exteriorizadamente, a teimosia de afirmar que se Portugal simbolizou ou cumpriu (talvez ainda hoje o faça) a ânsia, tantas vezes em busca de condições humanas mais condignas, o Brasil não menos simboliza e cumpre a missão de absorver e integrar toda a diversidade existente no mundo, que aí adquire, por força da sua poderosa gravidade continental, uma dinâmica de integração completamente insuspeitada, a caminho de uma Raça-síntese que consiga erguer uma civilização mais perfeita e humana do que aquelas que conhecemos até agora.”

Como muito bem disse Alberto Pinto Gouveia (in Quadrantes Geográficos, revista Dhâranâ, Série Superação, n.º 9, 1993), essa não se trata de uma afirmação literária, épica ou duplamente patriótica, nem da declaração de princípios de uma nova religião ou filosofia criada para satisfação de um qualquer ideário luso-brasileiro; nem ainda tendo por detrás os interesses mercantis hoje tão em voga, com o empresariado brasileiro visando o grande mercado comunitário através do seu estabelecimento em Portugal, aliás, sempre bem vindo desde que respeitando os sãos princípios económicos de “investimento sem constrangimento” ou de “laboração sem exploração”.

Sim, porque realmente trata-se do nascimento de uma nova Civilização acompanhando o surgimento de um novo biótipo Humano em conformidade à Era nova que desde 2005 faz-se sentir cada vez com maior intensidade, a Era da Raça Dourada, Crística ou de Maitreya, como seja a Bimânica (Budhi+Manas despertados) cuja semente racial já aflora sobre a Terra como 6.ª Sub-Raça Ibero-Ameríndia servindo de protótipo à 6.ª Raça-Mãe com esse nome de Bimânica dado por JHS, acrescentando que ela advirá em simultâneo a 7.ª Raça Púrpura Atabimânica (Atma+Budhi+ Manas, a Mónada Humana desperta ou formada), a Ameríndia a urgir no horizonte do Mundo e que disporá o Brasil como Centro do mesmo. Idealmente na escatologia dos ensinamentos da Obra de JHS, o Brasil já é Centro Espiritual do Mundo, mas falta-lhe sê-lo efectivamente no plano sociopolítico mundial, o que não é trabalho para só para uma ou duas gerações. Ainda assim, segundo o Desígnio do Logos, esse país maior que a Europa está destinado a sê-lo. Para tanto, para o Brasil, sobretudo para São Lourenço das Lavras de Minas Gerais do Sul, concorrem as influências das energias despendidas do trabalho oculto e público dos sete Postos Representativos de países distintos, na hora presente com destaque, queira-se ou não, para Portugal. Motivo para o eubiota Olímpio Gonçalves (em seu estudo 40 anos de Eubiose em Portugal, in revista Graal, 1996) concluir com justa razão:

“Sim, caros eubiotas, não se seja mais papista que o Papa. A Eubiose portuguesa e brasileira, constitui duas Ramas da mesma Árvore. E se o Brasil se perfila no horizonte próximo como futura Capital Espiritual do Mundo, só o virá a ser na medida em que a acção catalisadora, a gesta dos portugueses promova e irradie o V Império, para que o Quinto Reino do Espírito Santo, o do Preste João, o seja. No escrínio do porvir, por determinação do plano do Logos, se firma o duplo privilégio de que o jovem Brasil (o Filho) e Portugal (o Pai) formem a literalidade da acção obreira. Brasil e Portugal como a Balança Mística da Nova Era.”

Os principais obreiros da nova Civilização do Grande Ocidente seriam os da Corte Assúrica entretanto reencarnando e se perfilando junto a JHS, seu Pai Espiritual, através da Instituição que o mesmo fundaria mudando ciclicamente os seus nomes: Samyama – Comunhão de Pensamento (1916), Dhâranâ – Sociedade Mental-Espiritualista (1924), Sociedade Teosófica Brasileira (1928), esta durando até 1969, ano em que modificou-se em Sociedade Brasileira de Eubiose por iniciativa do filho primogénito do segundo casamento do Professor Henrique José de Souza (1883-1963), senhor Hélio Jefferson de Souza.

Esses obreiros integrados na Instituição de JHS por via da afiliação legal para que legalmente pudessem trabalhar na Obra de Akbel, foram sendo instruídos e formados num crescendo de revelações iniciáticas que pudessem desfechar na sua Redenção final no ano 1963, assunto a que voltarei mais adiante. Essas revelações eram acompanhadas de práticas espirituais e intervenções sociais, objectivando a elevação das consciências partícipes da Consciência de JHS na demanda da integração à mesma, e projectarem-na, cada qual a seu modo, nos vários sectores religiosos, culturais, políticos, económicos e até militares da sociedade brasileira, levando-a a uma modificação radical nos hábitos e costumes a favor da sua completa higienização intelectual e moral, mas no mais tolerante e heterodoxo padrão teosófico de maneira a nunca resvalar no pietismo beato próprio do exclusivismo religioso, este que ademais é o pior inimigo da Tradição e Iniciação podendo mesmo fazer implodir psicossocialmente uma organização esotérica, por mais sólida que tenha sido, quando o seu número de afiliados excede o razoável em pietismo devocional, por a razão esclarecida vagar sempre para a idolatria irracional.

Aparte esse factor incidental, a Instituição e Obra de JHS reconhecem-se nos seus membros legalmente afiliados à Instituição para que por ela sirvam a Obra que aquela representa, como o mesmo Mestre repetiu amiúde ao longo da sua vida. Não existe nenhuma modalidade capaz de contornar esse princípio, ademais impeditivo pedagógico e profiláctico de dispersões improdutivas como são todas as quimeras, pois o mais que haja não passará de iniciativas de foro exclusivamente pessoal alheias aos status oficiais do mesmo Mestre JHS. Ele assim o decretou in perpetuum. Por isso fiz sempre questão, repito o que já disse em outro lugar, de manter a relação social à sua Instituição (onde fui afiliado tanto em Portugal como no Brasil, conservando ao meu lado as respectivas credenciais ou carteiras de identidade na mesma) e desenvolver cultural e espiritualmente a sua Obra, motivo de ter intervindo na fundação da Comunidade Teúrgica Portuguesa entre 1978 e 1982, posto o nome Teurgia (θεουργία) significar em grego o mesmo que Obra Divina.

É assim que se poderá entender o que seja Família Espiritual JHS a caminho da Família Espiritual Maitreya, isto é, os discípulos do Mestre JHS no seu aprimoramento para poderem integrar efectivamente as fileiras da Grande Loja Branca liderada por Maitreya, o Cristo Universal cuja Parúsia acontecerá durante o Ciclo de Aquarius iniciado em 2005.

Acerca das duas Famílias Sagradas unidas pelo Sangue e o Espírito, o Professor Henrique José de Souza escreveu na sua Carta-Revelação de 20.06.1947:

“Sabemos que estamos no fim de uma Civilização e que somos a Geração de Elite, a Semente da Nova Civilização, etc. Sabemos, ainda, dos destinos imediatos do Mundo e, finalmente, da nossa volta à Face da Terra, com MAITREYA à frente… e portanto não devemos nos confundir com os já perdidos, embora que seja nosso dever envidar todos os esforços para salvar o maior número possível dos que permanecem indecisos.

“Honrando-nos, devemos também honrar aos nossos Irmãos, como Membros da mesma Família. Família Espiritual JHS e Família Maitreya, são uma só e a mesma coisa. O Grande lar da Humanidade Futura. “Vinde prestes, ó Senhor Christus (ou Maitreya), para que a Terra seja Bendita com a vossa Presença”, é evocação bem nossa, como a é: ADI-BUDHA VAHAM MAITREYA.”

Para tanto JHS laborou em toda a sua vida, abrindo largos sulcos ao Advento de Cristo sobre a Terra, não medindo esforços para tanto, no que contou com a preciosa colaboração de todos os 888 Assuras humanizados (uns encarnados e outros não) liderando as fileiras da sua Instituição. Por isto, a Sociedade Teosófica Brasileira desde cedo foi considerada “Barca de Salvação” de todos os náufragos da vida e o próprio Henrique José de Souza (JHS) e suas duas Colunas Vivas, António Castaño Ferreira (J) e Tancredo de Alcântara Gomes (B), as expressões representativas no Mundo da Tríade dirigente do Governo Oculto do Mundo – Melki-Tsedek (JHS), Kohen-Tsedek (CAF) e Adonai-Tsedek (TAG), nas respectivas funções de ensino e administrativa.

JHS - CAF - TAG

António Castaño Ferreira (8.11.1903 – 28.1.1958), Coluna CAF ou J de JHS, cunhado deste casado com a sua irmã Helena Jefferson Ferreira, depois Helena Jefferson de Souza. Segundo JHS, CAF em aghartino significa “O que vê de frente”, isto é, recebe em primeira mão as Revelações e comentando-as está oferecendo-as em segunda mão aos Munindras.

Tancredo de Alcântara Gomes (28.9.1876 – 9.4.1936), Coluna TAG ou B de JHS. Segundo JHS, a palavra TAG provém do tibetano com o significado de “Montanha”, Coluna, Colosso, Baluarte, Contraforte e, portanto, Justiça.

O Professor Henrique José de Souza depositou as esperanças de continuidade da Sociedade Teosófica Brasileira nos seus familiares mais próximos, sobretudo os filhos, e ao agir desse modo justificava o preceito antiquíssimo de transmissão hereditária, dando foros de genealogia sagrada à mesma família por a considerar descendente do sangue e da carne de Akbel encarnado e a que chamou Apta (“Presépio, Manjedoura, Sagrada Família”), portanto, em conformidade com a transmissão iniciática que o próprio justificou na sua Carta-Revelação emitida de São Paulo em 13.4.1963 com o título Cristianismo, Budismo e Teosofia Eubiótica, inserida no seu último Livro de Revelações Vitória dos Bhante-Yaul:

“O Adam-Kadmon e o Adam-Heve dos Gémeos Espirituais, no Aspecto Feminino ou de ISHWARA (…). Respeita-se o Peixe mas não se respeita a Carne… E ambos morrem com o próprio Cristo, revivendo depois em Saturno, ou AQUARIUS, que é MAITREYA. Os filhos dos Gémeos são: HÉLIO em JÚPITER ou PISCIS, terminando em HERMÉS em SATURNO ou AQUARIUS. E SELENE em MERCÚRIO para JEFFERSON em TAURUS ou VÉNUS, ficando assim MERCÚRIO E VÉNUS EM DOIS e JÚPITER E SATURNO NOS OUTROS DOIS, como assinalou o céu quando os dois Avataras nasceram. (…) Na Obra nada existe errado. Tudo é cabalístico, tudo é REAL, como a própria VONTADE DE DEUS ou da Lei.”

4 Filhos do Casal HJS

O Professor Henrique José de Souza adiantou ainda na sua Carta-Revelação de 01.03.1953, intitulada Aniversário de Hélio:

“Todos os filhos de Henrique e Helena reproduzem no nome o JHS ou HJS do mistério do Buda Terreno. Enquanto os Pupilos da Obra o mistério do Avatara Apavanadeva ou Aktalaya, do mesmo modo que a Montanha Sagrada. Sim, LPD, Laudate Pueri Domine, Lourenço-Prabasha-Dharma. Mas também LOURENÇO, PAULO E DANIEL. Henrique José de Souza, Helena Jefferson de Souza, os Pais. Seus filhos: Hélio Jefferson de Souza, Selene Jefferson de Souza, ou a dos SS nas extremidades desaparecendo o H, pois que sendo ela o reflexo da Mãe só poderia ser Lua ou Selene; Jefferson Henrique de Souza e Hermés Jefferson de Souza. Eis a razão da escolha dos referidos nomes que, diga-se de passagem, tantas confusões deram para os Pais e para a própria Obra através da Instituição.”

Casal HJS

Acerca da Família Espiritual agregada em uma Egrégora comum, Mário Roso de Luna referiu-se a ela em termos significativos apontando a ancestralidade da sua tradição (in El Velo de Isis o Las Mil y Una Noches Ocultistas, Editora Pueyo, Madrid, 1923):

“A peregrina história (…) não é senão o relato alegórico do acontecido com o culto lunissolar primitivo nos últimos tempos da Atlântida, coisa confirmada por muitos outros contos. Com efeito, o velho casa-se com a “filha de seu tio”, ou seja, do irmão de seu pai. Um dos detalhes em que mais se aprecia o espírito de verdadeira fraternidade característico dos cavaleirescos costumes antigos, herdeiros directos de uma Idade de Ouro perdida, é o que essas frases, frequentíssimas em As Mil e Uma Noites, simbolizam. Os heróis casam-se sempre “com as suas primas”, ou seja, com mulheres das suas mesmas crenças, filhas, portanto, de “irmãos de seu pai”, não tanto pelo sangue quanto pelo espírito. Este ponto, que parece trivial, dá-nos a chave de porque os homens forasteiros (vendedores, etc.), dando-lhes ainda o nome de “tios” nos povoados, sem por isso pretender ofendê-los, também são assim denominados os “sogros”. Em outra ordem de considerações, explica-se assim mesmo os pretensos incestos nas lendas, tais como o de Siegmund e Sieglinde em A Walkyria, de Wagner, ou os dos reis dos incas, irmãos, sim, porém não pelo sangue mas pelo que vale muito mais: pelo espírito!”

Espiritualmente como acção profícua dos Mestres Reais, os Adeptos Independentes, é que o Homem, principalmente os Munindras irmanados na Família Espiritual JHS (nisto, sim, por via da Integração entram efectivamente os factores transmissão hereditária – Família Física e Espiritual, nisto o sendo pelos seus próprios esforços plenamente integrada na ambiência físico-mental do respectivo Pai e Mestre, esteja ou não presente em corpo físico – e transmissão iniciática – Revelações e Realizações espirituais destinadas à mesma Família), chega a tornar-se mais e maior que os Deuses, que dele recebem os conhecimentos usufruídos de experiências jamais realizadas no Universo, que de outra forma jamais as receberiam porque nunca terem descido mais baixo que o Plano Etérico, nem tal lhes seria possível, tanto por ausência como por incapacidade de criar veículos afins ao Plano Físico. A Teosofia afirma que o corpo mais denso dos Assuras (Arqueus) é o Mental Concreto, o dos Agnisvattas (Arcanjos) é o Astral e o dos Barishads (Anjos) é o Etérico. Razão porque ao Jiva, o Homem, a Tradição Aghartina cognomina de JAVAT-AGAT, “o que participa da natureza do Oitavo Logos manifestado”.

Certamente por isso, Fernando Pessoa afirmou um tanto prosaicamente apesar de certeiro: “Os Deuses, fá-los o Homem…”

Para que o trabalho assúrico tivesse êxito garantido a partir do Brasil, JHS encetou diligências para que o centro germinal do mesmo Brasil fosse povoado por membros da sua Família Espiritual de maneira a irem influir positivamente na restante sociedade brasileira e mundial. Esse centro germinal era e é o Sistema Geográfico Sul-Mineiro, o qual marca o final do Itinerário de Io na presente 5.ª Raça-Mãe Ariana e no mesmo o final dos padecimentos kármicos dos antigos Deuses caídos. Sobre o assunto, diz o Mestre sob o pseudónimo Laurentus (in Ocultismo e Teosofia, Rio de Janeiro, 1949):

“Pois bem, o ITINERÁRIO DE IO indicava, para a privilegiada SEMENTE DA ERA DO AQUÁRIO, os 23º de latitude sul no Trópico de Capricórnio, que é S. LOURENÇO, onde a mesma já começou a se firmar através de um Templo dedicado à Paz Universal, ao mesmo tempo que ao futuro Avatara Maitreya. O número de residências dessa mesma Semente já é bem regular. Além do cabalístico por Lei exigido, nele ficam faltando outras tantas famílias nas sete cidades que cercam a referida estância hidromineral. Trata-se de um Sistema Geográfico servindo de reflexo de um Sistema Planetário, ou seja, “o que está em baixo é igual ao que está em cima…”, como disse Hermes, no sentido geral e cabalístico, na sua Tábua de Esmeralda.

“Mas, falta dizer que cada Raça desenvolve um estado de consciência superior ao antecedente. Estamos em pleno domínio do Mental, o que tem o nome, nas escrituras teosóficas, de MANAS-TAIJASI, a caminho de BUDHI-TAIJASI. No entanto, raro é o homem que possui semelhante estado de consciência, que requer o do “raciocínio”. Por isso que necessita de Guias ou Seres Superiores que lhes apontem o Caminho, o final do ITINERÁRIO, a que se refere o texto.”

Assim, JHS decretou aos da sua Corte de 777+111 Seres que fossem viver 111 Assuras (Instrutores) em cada uma das 7 cidades sul-mineiras consignadas, com as respectivas famílias, logo, 111 x 7 = 777, e mais 111 Makaras (Sacerdotes) com as suas contrapartes na 8.ª cidade central de São Lourenço. Ele mesmo o diz na sua Carta-Revelação de 05.01.1953, com o título Sinais dos Tempos: “O Sistema Geográfico revela melhor o mistério: 777 pares circundam os 111 pares ou 222… Assuras e Makaras… Duas grandes investidas já foram feitas no presente Ciclo: a que foi destruída com a Tragédia Tibetana, mas que terminaria no Ocidente, e a do mesmo Ocidente (ou Brasil), sem que a primeira tivesse destruído a segunda devido aos recursos de que Lei teve de lançar mão, inclusive encarnando Seres de Hierarquia Superior.”

O Sistema Geográfico Sul-Mineiro foi formado pelo Manu da 7.ª Sub-Raça Ariana, LORENZO PRABASHA DHARMA, o qual levou a semente monádica escolhida para a Montanha Sagrada MOREB altaneira à cidade sanlourenceana, a fim de a espalhar pelas restantes 7 cidades em volta pela ordem de inauguração das suas respectivas Embocaduras, conforme o revelado por JHS no seu Livro da Pedra:

Esquema 0

Este Sistema Geográfico Sul-Mineiro, como 8.º dentre os 7 existentes no Mundo, funciona como acionador da Evolução do presente para o Futuro no Ciclo que ora se atravessa. Ele é a garantia da continuidade e solução do Futuro.

Para tanto, cada uma das suas oito cidades está ligada a um ramo da Ciência em desenvolvimento na Humanidade, o que representa um novo estado de consciência a ser conquistado.

Cada cidade está ainda sob a égide dirigente a que se dá o nome de DHYANI, tanto BUDHA (Humano) como KUMARA (Celeste), por os mesmos se revezarem numa tessitura contínua, de sete em sete anos, de acordo com as necessidades cíclicas.

Assim sendo, POUSO ALTO está ligado à Alquimia e sob a égide do Dhyani-Budha António José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Mikael. O seu Posto Representativo é MACHU-PICHU (JIVA-LOKA), no Peru.

ITANHANDU está ligado às Artes em geral (música, poesia, etc.). Está sob a tutela do Dhyani-Budha Bento José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Gabriel. O seu Posto Representativo é ITCHEN-ITZA (ANANDA-LOKA), no México.

CARMO DE MINAS está ligado à Estética, à Política Social e Ética. Está sob a tutela do Dhyani-Budha Carlos José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Samael. O seu Posto Representativo é EL MORO (RISHI-LOKA), na América do Norte.

MARIA DA FÉ está ligada à Mecânica e Física. Está sob a tutela do Dhyani-Budha Daniel José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Rafael. O seu Posto Representativo é SIDNEY (KARANA-LOKA), na Austrália.

SÃO THOMÉ DAS LETRAS está ligado à Literatura em geral, Linguística e História. Está sob a tutela do Dhyani-Budha Eduardo José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Saquiel. O seu Posto Representativo é SINTRA (SURA-LOKA), em Portugal.

CONCEIÇÃO DO RIO VERDE está ligada às Línguas Antigas, Filosofia e Origem das Religiões. Está sob a tutela do Dhyani-Budha Francisco José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Anael. O seu Posto Representativo é CAIRO (JINA-LOKA), no Egipto.

AIURUOCA está ligada à Teurgia e Taumaturgia como medicina Universal. Está sob a tutela do Dhyani-Budha Godofredo José Brasil de Souza e do Dhyani-Kumara Cassiel. O seu Posto Representativo é SRINAGAR (AJUR-LOKA), na Índia.

SÃO LOURENÇO (ZOARACY ou COROACÍ) é a cidade coordenadora de todo o trabalho avatárico do Futuro no Presente, como síntese (VIBHUTÎ) de todo o estado de consciência.

Dhyanis Novo Pramantha

Vê-se assim que o Sistema Geográfico Sul-Mineiro está ligado ao Sistema Geográfico Internacional, dando à Obra Divina carácter Mundial, fazendo incidir nesses lugares privilegiados as tónicas correspondentes e daí se espalharem para toda a Humanidade.

Os Dhyanis-Budhas representam a soma evolutiva já alcançada neste 4.º Sistema nesta 5.ª Raça-Mãe Ariana, a ser vertida nas futuras 6.ª e 7.ª Raças-Mães Bimânica e Atabimânica, e o farão transferindo esses aproveitamentos aos Dhyanis-Kumaras, seus Paraninfos representantes da futura evolução do 5.º Sistema onde aqueles também se integram consciencialmente.

Sendo assim, eles fazem o revezamento entre si nos Postos Representativos e nos Subpostos Sul-Mineiros: quando os Dhyani-Kumaras estão nos Postos Representativos, os Dhyanis-Budhas estão nos Subpostos, e vice-versa. As suas Cortes são constituídas por 111 Adeptos Vitoriosos, ao todo 777 Adeptos Jivas, portanto, Jivatmãs, que assim passaram à categoria de Assuras Luminosos. Conquistaram essa honra por terem se oferecido para realizar um Trabalho Aghartino sobre a Terra que não lhes cabia, e sim aos Assuras de Arabel que no Passado decaíram por seus próprios deméritos.

Sendo o Sistema Geográfico Sul-Mineiro ou de MOREB o lugar escolhido pela Lei no presente Ciclo da Evolução Humana para garantir a solução do futuro e desfechar a Ronda actual com a Vitória da Humanidade, desde já sendo ele o embrião geográfico da Nova Raça Dourada portadora de um mais amplo e perfeito estado de consciência, necessário se faz prepará-lo cada vez mais com a assiduidade física e intervenção superior, privada e pública, de um e todos os Munindras de Akbel. Com o seu trabalho nesses lugares serão canalizadas para a Face da Terra as vibrações dos Mundos Subterrâneos necessárias à boa preparação do Sistema Geográfico. Os Rituais da Ordem do Santo Graal são de suma importância para o efeito, por prepararem psíquica e espiritualmente a aura dessas cidades indo propiciar nelas o nascimento de Mónadas competentes, possuídas de vasto quinhão evolutivo. Tudo isto preciso ser feito da melhor maneira possível, criando as condições favoráveis ao Advento de Maitreya e sua Corte sobre a Terra, dando início ao seu Reinado de 10.000 anos, ou seja, a duração deste 8.º Ramo Racial com que fechará esta 5.ª Sub-Raça Germânica (Teuto-Anglo-Saxónica).

Remata Laurentus na sua obra já citada:

“Voltemos ao lugar onde dissemos o que representava na face da Terra a Evolução Humana, que agora deve ter ficado compreendido, e passemos ao Mundo de Duat. Este é o Lugar dos Imortais. O lugar para onde foi o próprio Jesus, “descendo aos Infernos e no terceiro dia ressuscitando dos mortos”. Ninguém acreditaria que Jesus fosse a um lugar de castigo, como se faz crer aos ignorantes. In-fera que dizer Lugar inferior, “seio da Terra”, etc. Por isso que o mesmo Jesus ressurge dos mortos, isto é, dos que passam por tal, como prova ser muito maior o número dos que verdadeiramente não morreram. O túmulo de Jesus não foi encontrado vazio? Orfeu também vai aos Infernos em busca de Eurídice, como alegoria da Sabedoria Divina, pois no Mundo de Duat, além de viverem tais Seres (os Imortais), existe uma Biblioteca sem fim, com tudo quanto a Humanidade já fez no decorrer da sua existência até àquela data. Por isso se diz que “debaixo de S. Lourenço, centro de um Sistema Geográfico, existe enorme biblioteca abrangendo também as referidas 7 cidades do Sul de Minas”. Cada Raça ou estado de consciência percorrido, pelo ITINERÁRIO DE IO, exige um desses Sistemas, até chegar ao final que a bem dizer será no Pólo Sul, hoje não ainda em condições de ser habitado.”

Posto isso e para ficar mais clara a forma como o Globo está organizado, tem-se a relação dos Mundos Subterrâneos com os Corpos subtis do Logos Planetário como sendo a seguinte:

Esquema 1

Nesses Mundos do nosso Mundo (Bhumi, a Terra) dispõem-se as seguintes Hierarquias Espirituais, segundo JHS revelou:

Esquema 2Trikaya e 3 Budas

Sendo Maitreya o Senhor das “Três Vestes” ou Trikaya (Dharmakaya, Shambogakaya, Nirmanakaya), que se repartem interligadas pelos Mundos Espiritual, Psicomental e Físico, originadas de uma “Coisa Única” que é a Essência Absoluta do Pai Eterno de quem o Filho é, então será verdade que a maravilhosa expressão do Amor-Sabedoria Universal ou Segundo Logos Celeste, o Divino Maitreya, Filho da Terra ou Eva mas há muito tendo superado a esta, que:

Esquema 3

Por isso, é verdade quando se diz que “a Essência permanece a mesma, desde Shamballah à Face da Terra”. Sim, porque o que diverge são as frequências vibratórias das Vestes, mas não a imutabilidade da Essência primeva que as anima.

Essa é Essência Única, Cristina ou Crística Chama latejando no imo de cada ser vivente, o próprio Cristo Interno ou Mónada (Anupadaka) cuja intensidade faz-se sentir por Budhi, a Intuição que afinal caracterizará a Raça Futura Bimânica (Budhi+Manas).

Tem-se assim o Avatara como J.H.S. (Dharmakaya), L.P.D. (Shambogakaya) e Geminal (Nirmanakaya), como seja:

Esquema 4

Munido desses princípios, o Venerável Mestre JHS deu início ao Novo Esplendor Divino na Terra propiciando as condições favoráveis ao Advento de Cristo sobre a mesma, ou seja, laborando para a Parúsia ou “Segunda Volta” do Avatara Maitreya, ciente de que Este adviria para toda a Humanidade e não para um exclusivo organismo social, seja qual for, dando como início do Advento a data padrão das 15 horas de 28 de Setembro de 2005, começo astrológico da Era do Aquário. Ele é o Cristo Universal, o Emmanuel, Manuel ou El-Manu, o Condutor Divino, assim reconhecido universalmente no Ocidente, inclusive tanto na Igreja como na Maçonaria. Não é, pois, um cidadão vulgar e tampouco um vulgar “espírito superior”, e sim a própria expressão viva de Amor-Sabedoria da Divindade em quem “tudo e todos somos”, parafraseando Santo Agostinho.

Realmente, toda a Vida e Obra de JHS focou-se no Advento de Cristo sobre a Terra, em guisa de restaurar, recuperar e realizar a Missão abortada no Tibete da Vinda do Avatara no ano 985 d. C. causada pela queda dos Bhante-Jauls. Tanto assim foi que a Coluna J do Mestre, António Castaño Ferreira, preferiu numa sua aula teosófica em 03.03.1948: “Do dia 26 de Fevereiro em diante a nossa Obra passou a ter o nome oculto de Missão do Avatara Aquarius. O mundo profano não saberá essa denominação. Somente os Adeptos a conhecerão com esse nome”.

Para a consumação final da divina Parúsia em solo sul-americano, nomeadamente o Brasil, desde a primeira até à última hora de vida JHS realizou um Trabalho Solar, evolucional, por excelência e natureza, inclusive chamando-o de Missão dos Sete Raios de Luz (consubstanciado na chamada Missão Y), procurando agregar os países da América do Sul em torno da sua Pátria Brasileira e sobretudo da futura Pátria Espiritual do Mundo: São Lourenço do Sul de Minas Gerais, cujo Templo de Mitra-Sherim é já hoje um Farol aceso iluminando as esperanças de toda a Humanidade.

Já na Conferência Pan-Americana realizada no Rio de Janeiro em 1942, a Sociedade Teosófica Brasileira soube aproveitar essa oportunidade intervindo no acontecimento, inclusive publicando um número especial do seu órgão oficial, a revista Dhâranâ, onde colaboraram todos os embaixadores creditados junto ao Governo da República Federativa do Brasil, a escritora Gabriela Mistral, Prémio Nobel da Literatura, e outros nomes de grande valor no mundo político e intelectual da época. Toda a imprensa nacional e estrangeira foi unânime em afirmar que se tratava de “algo inédito na história da Imprensa”, chegando o Correio da Manhã, periódico do Rio de Janeiro publicado desde 1901 a 1974, a dizer que “em Imprensa especializada nunca se vira coisa igual”.

pan-americanismo - Miranda Júnior

Eram assim lançados os caboucos da futura 7.ª Sub-Raça Sul-Americana que desfechará a actual 5.º Raça-Mãe Ariana, dando viabilização às intuídas palavras proféticas do etnólogo mexicano José Vasconcelos Calderón (in Mision de la Raza Iberoamericana – Notas de viajes a la America del Sur, Agencia Mundial de Libreria, Barcelona, 1925):

“É dentre as bacias do Amazonas e do Prata que sairá a Raça Cósmica, realizando a Concórdia Universal, porque será filha das dores e das esperanças de toda a Humanidade.”

As quais se encontram com aquelas outras de Mário Roso de Luna insertas na sua obra Conferencias Teosóficas en América del Sur (Editora Gregorio Pueyo, Madrid, 1911, com reedição por José Rubio Sánchez em 2015, onde o meu nome tem a subida honra de figurar):

“O País de Pinzon, Cabral, Lepe e Souza, por sua maior vizinhança com a Europa e a África; por sua mescla de raças e por inúmeras outras razões, demonstra excepcionais características, que nos dão o direito de dizer que os seus futuros destinos são semelhantes aos do Norte-América; que, em cultura, no litoral nada fica a dever à Europa; do mesmo modo que, em belezas naturais e espiritualidade, faz lembrar o berço do povo ário, a Índia, como se no desenrolar dessa nobre Raça – da Ásia à Europa e desta à América – coubesse ao Brasil a glória de ser o remate e epílogo daquele grande povo, com uma civilização fluvial e costeira igual à de todos os grandes rios chamados Ganges, Indo, Oxus, Iaxarte, Nilo, Tigre e Eufrates, Danúbio, Ródano, Reno, Mississipi, etc., cada um deles legando ao humano futuro um florão da sua coroa. Não resta a menor dúvida que as bacias do Amazonas e do Prata, com o decorrer dos tempos selarão, nas suas ribeiras, os destinos do mundo.”

Palavras notáveis ressoando fundo traduzidas na limpidez da Mensagem que a Sociedade Teosófica Brasileira lançou ao Mundo através da Rádio Cruzeiro do Sul pela boca do ilustre homem de letras e teósofo Dr. Edmundo Cardillo, onde figura a memorável passagem:

“O clima espiritual das Américas propicia o renascimento interno e dá extraordinário alento para vencer-se o umbral da descrença, que afoga outros povos no infortúnio. O Novo Mundo é o decantado hipogeu da iniciação humana, onde as almas se religam para maior glorificação da Fraternidade. Colombo foi o Messias do Eldorado – ontem, sonho, hoje realidade. Sim, dizemos nós, os povos americanos estão ligados com elos da mesma cadeia fraternal, imposta pela Lei que rege os destinos de homens e coisas. E, contra semelhante Lei, ‘nenhum outro poder mais alto no mundo se alevanta’.”

Sendo o Brasil a Terra das Brasas do Fogo Sagrado, bem vai com o seu signo natal Virgem (domicílio de Mercúrio, o Sol Oculto) exaltada a Leão (o Sol Visível), assim mesmo com o Trabalho Solar, Avatárico ou Evolutivo de JHS, filosoficamente resumido na sua Yoga do Sol Místico Surya-Suryaj.

“Eu vos Surya-Suryaj (Sol Central do 4.º Sistema de Evolução Universal), Olhos Místico do Logos Eterno abarcando os Mundos Divino, Celeste e Terreno, Manto Akáshico (Pradhana) da Divina Mãe Universal síntese dos Quatro Maharajas e do Adam-Kadmon, como Quinta Essência Divina, todos posicionados na 8.ª Cidade de Agharta, Shamballah, onde se acham os Quatro Kumaras Primordiais projecções dos Ishvaras do Sistema, sendo o Quinto Arabel e o Sexto Akbel, ambos coadjuvando o seu Quarto Irmão Atlasbel, na preparação para a vinda do Avatara Redentor do Mundo em seu Corcel Branco, Maitreya, contendo as Divinas Essências de Henrique-Helena em Jeffersus-Moriah, em conformidade à Lei que a tudo e a todos rege. Adveniat Regnum Tuum. Bijam.”

8 Raios Místicos do Sol

Isso também por só uma Obra Solar poder redimir a actividade lunar, involucional do passado dos caídos dessa mesma Obra, o que só poderia acontecer em Terra Virgem ou isenta de Pecado Original, como é o Brasil, assim viabilizando a Promessa de Advento sobre a Terra do Cristo Universal na sua forma Geminal, aliás, já nascida em Shamballah às 00 horas de 23 para 24 de Fevereiro de 1949. Sobre isto, diz o Mestre JHS na sua Carta-Revelação de 26.02.1962, Esmagando a Morte para poder Escrever:

“E os dois Avataras: o da esquerda, moreno claro ou “Raça Doirada”, o Buda Terreno ou Mitra-Deva. Os seus negros cabelos emolduram a sua magnífica cabeça, que deles se destaca como se fosse a própria Terra saída do Limbo como Fénix ressuscitada das Águas, fazendo o papel da Deusa Narada num aspecto masculino e feminino. O Loto nascido do fundo das Águas, ou “Amitabha sai do Loto que Te encerra”! Om Mani Padme Hum! Salve ó Jóia preciosa do Loto! O da direita, o Buda Celeste ou Maitreya, alvo, de louros cabelos como Surya, o Sol Místico descido do Céu para se encontrar com o seu Irmão na Terra, tal como na Yoga de Akbel, Fohat com Kundalini, Luz e Fogo… centralizado no Equador mas vivendo ainda no Seio da Terra, de olhos fechados mas abertos no dia de ontem, no mais excelso de todos os Esplendores!”

Tema retomado na Carta-Revelação de 22.04.1962, O Mistério dos Cabelos, onde o Mestre diz:

“Sim, o Buda Celeste ou Maitreya com os seus cabelos louros representa o próprio Céu, o Além-Akasha ou 1.º Trono, como Atmã em descida, mas também Satva; Mitra-Deva, de cabelos castanho escuros, para Tamas, mas também Terra ou vermelho cor de barro, etc. A Raça Doirada é, pois, nascida de MAITREYA, mas com AKBEL e ALLAMIRAH. O THEOTRIM provoca não o LOURO bem seu, e sim o louro morenado ou quase alaranjado.”

Já antes, em Conversa com JHS em 27.05.1961, ele proferira: “Baal-Bey na Chefia e com 777 Devas irá construir o Halo, a Coroa, a Aura de Maitreya-Buda no ano 2005. Esses Devas estão em relação com a gente da Instituição e, consequentemente, com o Novo Pramantha”. Falando na vinda de Maitreya, deu como alegoria a Serpente mordendo a própria cauda formando no espaço um grande Círculo ou uma Coroa. Segundo JHS, Maitreya virá da seguinte maneira: “Como Rei, sentado no Trono Terreno, com uma capa vermelha; como Alma terá a luminosidade azul, formando uma terceira coisa ou Surya, a luminosidade amarela. Como Rei terá a capa vermelha porque está relacionado com o 4.º Senhor; como parte Anímica terá a auréola azul relacionada com o 5.º; e finalmente o círculo amarelo constituído de Devas afins ao 6.º. O conjunto chamar-se-á Maitreya Buda.”

Nessa altura, JHS já dissera na Carta-Revelação de 24.05.1961, Queda do Colosso: “Da mesma maneira que um Buda Terreno é formado pelo Bem que a Humanidade fez durante um Ciclo ou Idade, assim o do Mal é a mesma coisa. O Celeste é a Recompensa Celeste ou Deus que se manifesta para dar Novo Impulso na Tónica da Verdade. Sim, “Amitabha sai do Loto que Te encerra” é com o Terreno. E “Sancti, Santi, Sancti” está com o Celeste. Água e Fogo, Fohat e Kundalini, etc., com os dois Sistemas. Luz de Chaitânia para o 6.º ou Celeste, e Ara-Kunda para o 5.º ou Terrestre”.

Com isso, volvo novamente à questão da integração da Família Espiritual JHS na Família Espiritual Maitreya, como derradeiro propósito de Akbel encarnado na recuperação de todas as Mónadas Assúricas entretanto caídas no lodo visco da corrupção material desde os dias iniciais da presente 4.ª Ronda, assim lhes devolvendo as perdidas “asas de anjos” para que finalmente pudessem voar aos Céus e evolar-se no Trono do Altíssimo. Ele próprio o diz (in Carta-Revelação de 28.07.1958):

Dhâranâ foi a palavra escolhida no começo da Obra. E tal nome exige profunda meditação, excluindo qualquer pensamento intromissor no mental. Não seria isso, desde o começo, uma realização?… Ninguém a viu… porém ela estava presente no Globo Azul com o Pax amarelo, nos Cinco Elementos e finalmente, depois de longas lutas… no ODISSONAI. Esta realização representa um banho espiritual que lava inteiramente o coração e a mente daquele que pretende servir à Lei, ou a Deus se o quiserem. Sim, este é o Povo Eleito, o Povo do Senhor, a Família Espiritual JHS que se transformou em Família Maitreya.”

“Os Gémeos nasceram no ano 1883. A sua soma é XX, o Julgamento. Não foi para outra coisa que eles nasceram: escolher a sua Corte, e com ela se avatarizarem na Família Maitreya. Eles como o Pai-Mãe no Filho, ou Theotrim… e os demais preenchendo os vácuos para a Grande Realização: o Andrógino final, auxiliando o seu Irmão o 5.º. Duas Montanhas se defrontam: Ararat e Moreb, o 5.º e o 6.º.” – Carta-Revelação de 10.11.1959.

Ararat e Moreb são as duas Montanhas Sagradas do Roncador (Mato Grosso) e de São Lourenço (Minas Gerais) que fazem “pendant” com a terceira de Airu, em Itaparica (Bahia), respectivamente para o Quinto Senhor, representado por São Germano, para o Sexto Senhor, representado por Crivatza, e para o Quarto Senhor, representado por Lorenza. Essas três Montanhas Sagradas ou Montes Santos, no dizer de Fra Diávolo, servem balizas geográficas ou vértices do enorme triângulo que ocupa quase todo o mapa do Brasil, o Triângulo Geográfico JHS.

Triângulo do Brasil

A preparação mental, emocional e física que paulatinamente os Munindras receberam da Iniciação JHS desde o começo da Obra no presente ciclo, sobretudo a partir de 1924, foi a de libertarem-se do lastro kármico passado e adaptarem os seus veículos para receberem o poderoso e transcendente impacto do mais grandioso evento acontecido na data gloriosa de 23 de Março de 1963, o da sua Redenção final, motivo de ficar conhecida nos Anais da Obra como Triunfo do Trono de Deus ou a Vitória dos Bhante-Jauls. Tanto valeu por a Vitória da Obra de Deus para sempre, in aeternum.

O Ritual da Redenção ou Vitória dos Bhante-Jauls com o Despertar dos Manasaputras, os seus Corpos Imortais (Vas Insigne Devotionis) a que se uniram finalmente alcançando a Imortalidade na Terra, teve a duração de três dias, de 21 a 23 de Março de 1963, de maneira a ficar em conformidade ao Theotrim ou Trindade como Deus Trino na manifestação em Si sendo a Unidade.

Dia 21 – EQUILÍBRIO DOS TRÊS MUNDOS. RESSURREIÇÃO DO ESPÍRITO NA CARNE. AS SETE TROMBETAS CELESTES ANUNCIAM O DERPERTAR DA CONSCIÊNCIA.

À Zero hora o Sonido agudíssimo do Logos despertou os Manasaputras e os Matra-Devas do Segundo Trono, assim como a forma dual flogística dos Gémeos Espirituais em Shamballah. Daí se transferiram para Agharta. Isso foi acompanhado no Templo de São Lourenço pelos Hinos Ressurreição e Ode Avatárica, compostos por JHS, além de toda a Ritualística realizada que aqui não descreverei como não descreverei o movimento encetado pelos Deuses dos Mundos Jinas nessa hora sagrada.

Dia 22 – GLORIFICAÇÃO DO OITAVO SISTEMA, COMO OITAVO PRINCÍPIO NO HOMEM. EXALTAÇÃO AO TEMPLO DO CAIJAH. EXALTAÇÃO AO LIVRO DO KÂMAPA.

À Zero hora, os Deuses Despertos passaram para o Duat indo instalar-se no seu 8.º Templo de Caijah, expressivo do 8.º Princípio Monádico do Homem. Aí, exaltando a Taça do Santo Graal com um milhão de anos, abriram uma nova página no Livro do Kâmapa ou da Evolução Humana. No Templo da face da Terra, soaram os acordes gloriosos do Hino Exaltação ao Graal, da autoria de JHS.

Dia 23 – TRIUNFO DO TRONO DE DEUS OU A VITÓRIA DOS BHANTE-JAULS. EXALTAÇÃO AO MEKA-TULAN, LIGADO ÀS SETE GALERIAS QUE O UNEM ÀS SETE CIDADES DO SISTEMA GEOGRÁFICO SUL-MINEIRO.

À Zero hora, os Deuses Despertos transferem-se para Badagas indo ocupar o seu Templo central de Meka-Tulan, e deste vibram durante todo o dia sobre o Templo de Maitreya na Face da Terra. Enquanto isso, tocou-se o Hino ao Amor do Supremo Intérprete da Ode ao Som, JHS. Depois, os Deuses Despertos, os Manasaputras tendo vibrado nos corpos físicos dos seus moradores originais, os Munindras finalmente redimidos, iniciaram o regresso a Shamballah onde voltaram a adormecer.

Vitória BJ

Alea jacta est. As sortes estavam lançadas. Meses depois, em 9 de Setembro, JHS regressava definitivamente a Agharta, deixando o seu corpo físico. Daí em diante, a responsabilidade da Instituição e Obra ficariam com os seus exclusivos detentores no que fizessem com as mesmas, fosse em que sentido fosse, porque, de facto, as sortes já haviam sido lançadas ao terreno do Futuro. Com isso JHS findou o seu Ciclo de Vida Avatárica, onde numa só vida realizou o trabalho de toda uma Ronda como Planetário que realmente foi, sim, Akbel humanizado para a Redenção final dos Deuses brasílicos, assim desfechando na maior e mais deífica apoteose.

Remata a Fala Oficiante do Ritual Vitória dos Bhante-Jauls, aqui com inibição das particularidades ritualísticas do verbo do gesto, conforme se inscreve no Livro do Sacerdote:

– Makaras! Assuras! Munindras, enfim! Caminhemos como Welsungos e Walquírias, desafiando o Bem e o Mal, na Neutralidade fiel do Equilíbrio! Todos vós de nossa Obra, que sois os mesmos de sempre, transformastes as vossas Chispas em Luminares da Era de Aquarius, pois a Vitória de 1963 anulou os fracassos de outrora, revertendo-vos à condição de Dignos. Arhats de Fogo! Bhante-Jauls!… Glória aos Gémeos Espirituais, os Padrões da Humanidade, o Casal Elite, os Dois Deva-Pis do “Vishnu-Purana”! Glória, igualmente, aos casais da nossa Obra, tenham ou não contraparte visível, porque ela de qualquer maneira existe!… Bendita a Hora em que JHS fez, no Templo, a fusão entre “os de cima” e “os de baixo”, no Dia do Licor Universal, ao descer sobre os cálices pseudo-“vazios”. Ritual Eucarístico JHS, na Taça deste mesmo nome. Taça Eucarística de Maitreya, pois que dava aos Oficiantes o título de Rei ou recente do dia, por isso mesmo, idênticos a Akbel. Depois vieram a Yoga Akbel e o Odissonai, como pontes de ligação entre discípulo e Mestre. Hoje é uma só mesma coisa, pela Virtude inefável de nosso Pai!… Deixemos a nossa condição temporária de Jivas. Nós somos Makaras e Assuras! Transformação! Chispas sibilantes chicoteiam o Akasha assoprando na nossa Mente!… Ah!… Vemos claramente todos os destinos humanos e suas consequências, boas ou más… Pairemos acima delas!… Superação! A nossa Mente se torna clara como cristal!… É o Avatara que desperta no nosso Corpo!… Metástase! Sim! É Ele! É Deus que desabrocha em nossa consciência e transcende as nossas limitações físicas! Agora, de facto, nós somos Ele! Neste momento sem igual, na História da nossa Obra, nós somos os Seres originais, veículos e sub-veículos do Grande Senhor das Eternidades! É o Despertar da Consciência!

AT NIAT NIATAT

– UM POR TODOS E TODOS POR UM –

BIJAM

Anúncios