Sempre que este assunto é abordado, por norma em recato no óbvio receio do seu conhecimento público, o incómodo é manifesto e o arremate é sempre “deixe-se para lá” como final abrupto de tema indesejado, malquisto, de todo incompreendido. Refiro-me a Helena “Iracy” Gonçalves da Silva Neves, a Hercília Gonçalves de Souza e a Helena Jefferson de Souza, as misteriosas mulheres de Henrique José de Souza.

Os biógrafos do assunto – Sebastião Vieira Vidal e Carlos Lucas de Souza, sobretudo estes que afirmariam e selariam o seu entendimento por um colectivo institucional que o aceita por crença irreflectida, impensada, havendo minoria que suspeita por reflexão pensada  – afirmam que Helena Iracy faleceu vítima de acidente em Lisboa no ano 1899, que Hercília Gonçalves casaria com Henrique José de Souza no início do século XX e tiveram vários filhos, um deles uma menina que recebeu o nome da primeira que entretanto fora trocada pela original algum tempo depois de nascida, de modo que essa segunda Helena, para efeito imediato, seria sempre filha de Henrique e Hercília, e que um membro da família Ferreira – António Castaño Ferreira – registaria depois essa criança como sua “irmã” para evitar a fama de pederasta a Henrique José de Souza, de quem era amigo e seguidor das suas crenças esotéricas, assim o furtando à justiça penal se o caso viesse a ser denunciado, como de facto aconteceu.

Este assunto “explodiu” por volta de 1932-34, por ocasião da morte Hercília Gonçalves e antes do casamento com Helena Jefferson de Souza, quando Henrique José de Souza junto de pessoas da sua confiança encetou explicações esotéricas relativas às mulheres de sua vida, baseado nos conhecimentos do Budismo Tibetano relativos ao chamado Tulkuísmo e Avatarização. Tais confidentes, gente “prática”, manhosa até nas lides metafísicas, dotada de precaríssimos conhecimentos que não iam mais além do simplismo da linguagem dos conceitos do espiritismo kardecista (como ainda hoje acontece), ouviram tudo isso como coisa exótica intragável, bizarra, para todo o efeito, absolutamente ininteligível, e ficaram só pelo “óbvio” da pederastia de Henrique José de Souza. Vieram para a praça pública e denunciaram o caso nos jornais, deu-se o escândalo e Henrique José de Souza acabou envolvido com os tribunais. A polémica varreu a opinião pública brasileira e sul-americana de lés-a-lés. Ele foi ilibado mas a má-fama ficou até hoje, a ponto de quando no ano 2002 me entrevistei, em São Paulo, com conhecido editor e maçom de alto grau brasileiro, ter-me avisado para ter cuidado com essa seita muito malvista, que até o seu líder estuprara e engravidara a própria filha!!! Tentei explicar que esse era um grande equívoco, ignoro se debalde ou não.

1941 foi o ano do início da campanha difamatória contra Henrique José de Souza, por consequência afectando a Sociedade Teosófica Brasileira por ele fundada em 1928, começada por Armando Salles, colaborador da revista A Cigarra, e movida pela chamada tríade “TEB” (Taba – Edmundo – Bento, ou sejam Tabaja Bolanos Barbosa, Edmundo Gouveia Cardillo e Bento Martins), campanha que só terminou em 1944 depois de ter sido desmascarada em tribunal, ficando provada a sua má conduta cívica e moral. No ano anterior, 15 de Junho de 1943, essa tríade publicara num jornal no Norte do Brasil, em Belém do Pará, um artigo contra o Professor Henrique José de Souza e a S.T.B., mas a campanha difamatória não foi adiante. Com efeito, em 15 de Setembro de 1943, foi arquivado o Processo de Inquérito Judicial contra o Professor Henrique José de Souza, instaurado em virtude da denúncia feita à polícia pelos supraditos, sendo o despacho de arquivamento do mesmo feito pelo Procurador do Distrito Federal (Rio de Janeiro), dr. Romão C. Lacerda, e publicado no Jornal do Comércio. Por fim, em 24 de Setembro de 1944, a pedido da Directoria da Sociedade Teosófica Brasileira, para que o público geral fosse esclarecido acerca da campanha sinistra da tríade “TEB” (espécie de segundo tomo do casal Coulomb detrator de H. P. Blavatsky) e o bom nome do Professor Henrique José de Souza, da sua família e da S.T.B. ficassem limpos de toda e qualquer infâmia, nessa data foi publicado no Jornal do Comércio a notícia seguinte com valência jurídica:

JORNAL DO COMÉRCIO DE 24 DE SETEMBRO DE 1944

Publicações a pedido – A Sociedade Teosófica Brasileira ao Grande Público do País.

Relativamente a uma publicação dos Srs. Bento A. Martins e Edmundo G. Cardillo, feita na secção “a pedido” deste jornal, número do dia 17.09.1944, a Sociedade Teosófica Brasileira, com o único objectivo de esclarecer o grande público do País, tem a dizer o seguinte:

1.º) Os Srs. Bento A. Martins e Edmundo G. Cardillo foram sócios da Sociedade Teosófica Brasileira, durante seis anos.

2.º) Afinal, por motivos graves e devidamente comprovados, acabaram sendo eliminados dos quadros sociais da S.T.B.

3.º) Tudo fizeram os sócios eliminados para arrastar consigo os outros membros da S.T.B. o que, como é notório, jamais conseguiram; e, assim, dos três directores que iniciaram a campanha de difamação, só restam eles dois (Bento Martins e Edmundo Cardillo), de vez que o terceiro deles já se desligou, conforme carta endereçada à Directoria da S.T.B., em 28.10.1943.

4.º) Tomados de verdadeiro acesso de ódio e despeito, Bento e Edmundo continuam, por todos os meios e modos e a propósito de tudo, uma pertinaz e insidiosa campanha de vingança, campanha que não atemoriza e nem sequer atinge aqueles contra os quais é dirigida.

5.º) Ao contrário do que falsamente afirmam os Srs. Bento A. Martins e Edmundo G. Cardillo, o Professor HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA não está sendo e nunca foi processado por qualquer das Varas Criminais desta Capital; quem no-lo afirma, desmentindo-os, são os próprios Distribuidores da Justiça, segundo se vê das certidões que, linhas abaixo, vão transcritas. Já a mesma coisa não poderá dizer Edmundo Gouveia Cardillo, funcionário do Ministério da Justiça, exercendo as funções de secretário do Director do Serviço de Obras do citado Ministério, que, por um crime contra a família, que confessou ao ser lavrado o respectivo flagrante, ESTÁ SENDO PROCESSADO pelo Juízo da 6.ª Vara Criminal desta Cidade. São estas as explicações que a “SOCIEDADE TEOSÓFICA BRASILEIRA” deve ao grande público do País.

CERTIDÃO DO DISTRIBUIDOR DO 8.º OFÍCIO

Eu, bacharel Aníbal Monteiro Machado, serventuário do Oitavo Ofício de Distribuidor de Justiça local do Distrito Federal, CERTIFICO que, revistos os livros de registo de distribuições de INQUÉRITOS, FLAGRANTES, CONTRAVENÇÕES E DEMAIS FEITOS aos Juízes de Direito das Varas Criminais, no período de quinze de Setembro de mil novecentos e trinta e quatro até quinze de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro, deles nada consta contra o nome por extenso de HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA.

O referido é verdade e dou fé. Capital Federal, em vinte de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro. Eu (rubrica ilegível), escrevente juramentado a dactilografei e eu, Paulo Mello Gouveia, substituto, a assino. Ass.) Paulo M. Gouveia.

CERTIDÃO DO TERCEIRO OFÍCIO

CERTIFICO que, dos livros criminais deste Cartório e, nos termos do pedido supra, nada consta contra o nome por extenso de Henrique José de Souza, de primeiro de Janeiro de mil novecentos e trinta e quatro (1934) a dezoito de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro. O referido é verdade e dou fé. Distrito Federal, dezoito de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro. Ass.) João Máximo de Andrade.

CERTIDÃO DO SEGUNDO OFÍCIO

O Doutor Hermes Valverde da Cunha Vasconcelos, serventuário do Segundo Ofício e Distribuidor da Justiça local do Distrito Federal, nomeado na forma da lei, CERTIFICA, depois de ter revisto os livros de seu cartório relativamente às distribuições CRIMINAIS, que NÃO CONSTA distribuição alguma contra o nome por extenso de HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA, desde dezoito de Setembro de mil novecentos e trinta e quatro. O referido é verdade e aos mesmos livros me reporto e dou fé. Eu, João Valverde de (ilegível), escrevente auxiliar a dactilografei. Eu, João Silveira, escrevente substituto subscrevo e assino. Distrito Federal, dezanove de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro. Ass.) João Silveira.

CERTIDÃO DO PRIMEIRO OFÍCIO

O Doutor Olegário da Silva Berrardes, serventuário vitalício do Primeiro Ofício Distribuidor da Justiça do Distrito Federal, nomeado na forma da lei, CERTIFICA, depois de ter revisto os livros de seu cartório relativos às distribuições criminais desde dezoito de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro, NÃO CONSTA distribuição alguma contra HENRIQUE JOSÉ DE SOUZA. Certifica mais que esta certidão abrange as varas ímpares criminais e todas as outras a partir de primeiro de Março de mil novecentos e quarenta. O referido é verdade e aos mesmos livros me reporto e dou fé. Capital Federal, dezanove de Setembro de mil novecentos e quarenta e quatro (19.09.944). Eu (ilegível), primeiro distribuidor, a subscrevo e assino. Ass.) Olegário Berrardes.

Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 1944. J. HENRIQUE DA SILVA QUEIROZ, Director Geral da S.T.B.

Apesar de todos os desmentidos formais da Justiça brasileira sobre a pressuposta pedofilia pederasta de Henrique José de Souza, ilibando-o a toda a linha, o boato ganhou raízes e inclusive até hoje faz estremecer e duvidar muitos dos afiliados na Sociedade por ele fundada. A coscuvilhice e a intriga têm muita força nas mentes emocionais, sempre prontas para o assassínio moral seja de quem for, por isso não raro a crença feroz de hoje amanhã pode ser descrença odiosa. Déjà vu… Deixo isso na poeira da pobreza d´espírito dos que têm pudor em falar do que não houve e despudor em dizer o que não há, e passo de imediato aos factos biográficos dos personagens em causa, dando-lhes interpretação iniciática à luz desta Obra Divina em colisão aberta com o conspurco das estreitas mentes ordinárias, “práticas” e “espertas” do comércio da manipulação, mesmo que seja com o mais sagrado e puro, como recentemente disse a familiar próximo de António Castaño Ferreira, o tal «comparsa» de Henrique José de Souza:

Bom dia ————-

Recebi a sua correspondência a contento, muito obrigado pela atenção. Primeiro que tudo, devo lamentar – como já lamentei diversas vezes, em privado e em público – o descaso que a directoria da antiga Sociedade Teosófica Brasileira fez do respeitável Sr. Eng.º António Castaño Ferreira, num momento em que ele e a família necessitavam urgentemente de apoio humano, moral, económico, etc., deixando-o e aos seus entregues à triste sorte. Isto foi, é e será profundamente reprovável indigno de humanidade minimamente saudável psicomentalmente (em emoções e pensamentos), além de demonstrar ingratidão desmedida de gente de mau trato e inculta, pois se sabe que quanto mais inculto mais fanático, beato se torna. Henrique José de Souza, fundador desse movimento teosófico no Brasil em 1928, assim como a sua (segunda) esposa Helena Jefferson de Souza, sobretudo esta, quiseram auxiliar o Eng.º Ferreira mas as directorias dos departamentos da S.T.B. em São Paulo e no Rio de Janeiro, sobretudo a de São Paulo, obstaculizaram de maneira a mais descarada, infame e desprezível. Por que? Tão-só por ciúmes, vaidade e fanatismo.

António Castaño Ferreira foi um sábio, foi o primeiro a introduzir e a divulgar a Teosofia (“Sabedoria Divina”) nos departamentos da Sociedade Teosófica Brasileira, falava mais do que escrevia e era dotado de uma intuição invulgar. Conhecia obras literárias, de cunho esotérico e académico, de cor e salteado. Dotava-se de uma memória e dicção extraordinárias. Era ímpar e Henrique José de Souza tinha-o na maior das considerações, motivo de inveja para muitos outros.

Nos anos finais da sua vida (faleceu em 28 de Janeiro de 1958 no Hospital das Clínicas, em São Paulo, estando sepultado no cemitério do bairro da Vila Mariana, na Rua Lacerda Franco, na mesma capital paulista), cansado de tanto fanatismo e idolatria à pessoa de Henrique José de Souza que pedia constantemente que não o fizessem – tenho documentação particular nesse sentido, agora mesmo a meu lado – para não o cobrirem ainda mais de ridículo na praça-pública, e vendo os seus ideais de pensamento superior substituídos por crencismo cego, fanático, idólatra, Castaño Ferreira afastou-se da S.T.B. e foi para o Sul do Brasil, para o Paraná, onde viveu algum tempo. Quando regressou a São Paulo, a sua relação com a S.T.B. havia esfriado irremediavelmente, ainda frequentou algum tempo a sede do departamento paulista da S.T.B., mas já não era a mesma coisa, a organização já lhe era estranha e considerava-a nada teosófica por causa dos comportamentos dos mais destacados da mesma, arrastando atrás de si um rebanho enorme de “marias vão com as outras”, de “vaquinhas de presépio”, de “puxa-sacos ouve aqui, conta ali”, deficiência psicológica de quem se revela psiquicamente fraco, débil, inseguro de si, “manada de impuberdade” que até hoje preenche essa organização. O próprio Henrique José de Souza disse e escreveu várias vezes, nessa ocasião, que se arrependia de ter fundado a S.T.B. ante o rumo que a mesma tomara.

Acerca do regime frugívoro. Um dia este poderá ser, quando o espécime humano estiver dotado de organismo mais compatível com ele, a principal dieta, mas não actualmente, só servindo para purificações orgânicas com prazo limite, como a própria Medicina prescreve. O regime misto – frutas, legumes, carne e peixe, etc. – continua a ser o mais indicado para o Homem. Admito que o Eng.º Ferreira tenha sido extremado nesse regime que adoptou por sua própria iniciativa e que em si mesmo não faz mal, a não ser que seja exagerado. Jejuns e frugívoros são aconselhados, repito, até pela Medicina, mas com prazos muito limitados para não causar danos irreversíveis no organismo.

Seja como for, a postura e o pensamento metafísico de que se dotava o Eng.º António Castaño Ferreira, assim como qualquer outro(a) com as mesmas postura e pensamento, inevitavelmente entra sempre em choque com o meio humano geral de quem possui postura e pensamento “práticos” desafins a qualquer expressão religiosa ou metafísica, consequentemente não entendendo essas posturas e até as censurando por as considerar anormais no comportamento e lógica do senso comum. Nisto, o pensamento místico, metafísico, colide sempre com o pensamento “prático” comum estranho e até hostil àquele.

Compreendo a revolta do senhor seu pai nas notas que me repassou. Era filho, certamente não gostou e revoltou-se por ver o pai, a mãe e os irmãos passarem tão mal como passaram e que seria perfeitamente evitável se, repito, houvessem pessoas de boa índole capazes de dar a mão – invés de só apontar e criticar – nem que fosse por gratidão ao que fora, logo a seguir a Henrique José de Souza, o mais importante dessa organização. Haviam pessoas de muitas posses nessa ocasião que podiam ter ajudado facilmente, e não o fizeram por estarem mentalmente envenenadas por outros com cargos de destaque.

Com essa revolta e incompreensão, para mim ambas compreensíveis, aparecem algumas contradições nas notas que me repassou, que também compreendo. Aliás, a questão Henrique – Helena é o grande “calcanhar de Aquiles” nessa organização até hoje. Henrique José de Souza, por volta de 1932-34, deu a um ou a dois confidentes, inclusive ao Eng.º Ferreira, sobretudo a este, uma explicação esotérica para essa relação e a do seu primeiro casamento, mas o que disse extravasou para fora e foi de imediato interpretado com o senso comum de incesto, pederasta, etc. A coisa chegou a tribunal três vezes, e três vezes Henrique foi absolvido – a meu lado estão os documentos das sentenças dos juízes. Não foi isso que ele disse aos seus confidentes, mas as cabecinhas ordinárias da gente “prática” levou o assunto para o plano da sexualidade e incesto. O facto é que o rumor pegou e mantém-se vivo até hoje, não importando o que foi dito e provado três vezes em tribunal.

Henrique José de Souza – nascido em Salvador em 15 de Setembro de 1883 e falecido em São Paulo em 9 de Setembro de 1963 –  ainda não tinha quatro anos de idade quando foi assistir com os pais à exibição do Circo “Pery”, tendo ficado encantado com as façanhas de uma trapezista, Laureta ou Laurete Sabatini. Chegado a casa, morando no Portão da Piedade em Salvador da Bahia, foi imitar o que viu a artista fazer empoleirando-se nas grades com lanças do portão da casa. Desequilibrou-se e caiu, perfurando o peito. Aconteceu no dia 13 de Maio de 1887.  Por volta de 1914, Henrique perdeu a fortuna que herdara do pai no negócio de trapiche por causa do deflagrar da I Guerra Mundial, saiu de Salvador e foi até Nazaré procurar novos negócios que lhe possibilitassem a sobrevivência e a dos seus. Regressou depois a Salvador e mudou-se para o Rio de Janeiro, indo viver em Niterói. Nessa altura ele já era casado, desde 1903, com Hercília Gonçalves, filha de José Gonçalves e Custódia Gesteira Gonçalves, nascida em 18 de Setembro de 1886 e falecida em 17 de Agosto de 1931. Henrique casaria depois em segundas núpcias com Helena Jefferson de Souza – Helena Jefferson Ferreira, adoptando o sobrenome “de Souza” após casada – em 4 de Abril de 1937, na Conservatória do Registo Civil no Rio de Janeiro. Ele jurou até ao fim da tarde que antecedeu a noite em que morreu, na Clínica São Lucas, na capital paulista, que até à data do casamento nunca tocara sexualmente Helena, mesmo sentindo uma grande afeição por ela a que Hercília nunca fora alheia e por isso tinha muitos ciúmes, posto os seus dotes mentais e empatia metafísica serem muito restritos, era mais uma senhora “prática” com a sua vaidade feminina que os bens herdados da sua família lhe permitiam ter. Doente cardíaca foi sempre apoiada por Henrique, que a assistiu, foi-lhe dedicado e fiel até à hora de fechar os olhos. Henrique tivera o nome de batismo Honorato José de Souza por ter sido batizado à pressa em casa – o batismo repetiu-se depois e tenho aqui a certidão do seu batismo na Bahia – por doença de varíola que quase o fulminou sete dias após nascido. Depois o seu nome foi mudado para Henrique.

António Castaño Ferreira nasceu em São Paulo em 8 de Novembro de 1903, teve como irmãos Helena Jefferson Ferreira (de Souza) nascida em Pontalete, Minas Gerais, em 13 de Agosto de 1906, e Clementina Castaño Ferreira nascida no Rio de Janeiro em 12 de Outubro de 1914. Os seus pais foram João Augusto das Neves Ferreira, português natural da cidade do Porto com negócios em Viana do Castelo, e Agostina Castaño Ferreira, espanhola galega de Muxia ou de Orense nas proximidades de Santiago de Compostela, capital da Galiza. Fizeram parte das emigrações luso-galegas que no último quartel do século XIX embarcaram de Vigo e de Viana do Castelo para o Brasil, em busca de vida melhor. O famoso poeta e político Abílio Manuel Guerra Junqueiro foi primo direito de João das Neves Ferreira, e de facto um dos seus tios, João Maria Ferreira do Amaral, foi Governador de Macau em 1846, tendo antes se distinguido nas armas em 24 de Fevereiro de 1823 no Brasil, tomando parte na Batalha de Itaparica, onde foi ferido perdendo um braço. Depois, já em Macau, participou na Primeira Guerra contra o Ópio. Foi assassinado a cutiladas por chineses do narcotráfico na cidade macaense, em 22 de Agosto de 1849. Nasceu em Lisboa em 4 de Março de 1803.

Posto isso, tudo isso não desculpa o tratamento indigníssimo que o digníssimo Sr. Eng.º António Castaño Ferreira e seus familiares receberam da parte daqueles que tudo lhe deviam, no sentido doutoral de transmissão de conhecimentos sagrados até à época inéditos no Brasil. Não tem justificação possível tais atitudes e prova bem quanto baixa e doentia pode ser a condição humana sob o pretexto de uma crença qualquer que, bem parece, nem se sabe qual seja realmente. A minha visão e postura sobre Henrique José de Souza e António Castaño Ferreira são absolutamente diversas do que se apregoa nesse meio pseudo-esotérico. O que sei de ambos colide abertamente com o apregoado, tanto em teoria como em prática.

Mais uma vez, muito obrigado pela sua atenção e queira aceitar os meus mais respeitosos cumprimentos com os votos dos maiores sucessos para si e seus familiares.

Acerca do “Mistério Hercília”, para levantar o véu do seu enigma profundo torna-se necessário dispor os personagens seguintes:

HONORATO JOSÉ DE SOUZA – O sósia e tulku de Henrique José de Souza, na realidade, o Adepto AT-NIAT-DWIJA. Estava programado para casar com Hercília Gonçalves e tal aconteceria se não fosse a ocorrência trágica do acidente de Lisboa, no cruzamento da Rua Augusta com a Rua da Conceição, com Helena Gonçalves, na 5.ª feira de 27 de Julho de 1899 (Lua Nova), fazendo com que Henrique voltasse ao Brasil, mesmo assim tendo ido antes até ao Norte da Índia, a Srinagar, “Lugar dos Jinas”. Este Adepto leva o nome HONORATO  (HONORATUM, HONRADO) por ser aquele dado à pressa a Henrique quando do seu batismo apressado após sete dias de nascido e caindo às portas da morte fortemente atacado de varíola, como já disse, doença que foi debelada com o auxílio visível de dois médicos da família (drs. Manuel Vitorino Pereira e Manuel Pereira de Mesquita) e o invisível dos Auxiliares espirituais do mesmo Henrique, nomeadamente Maximus Tertius, Akadir, Kadir, Rabi-Muni, Senhor dos Munis”, e Samael, o famoso John King das façanhas psicomentais de H. P. Blavatsky, ou seja, o “Rei João” ou “Rei dos Jinas” (Todes).

HERCÍLIA GONÇALVES (DE SOUZA) – Casou-se com Henrique José de Souza, em primeiras núpcias, em 1903. Nasceu em 29 de Agosto de 1886 e faleceu em 18 de Julho de 1931, sendo filha de José Gonçalves, falecido em 1900, e de Custódia Gesteira Gonçalves, falecida em 1885 (parecendo inverosímil a data 1935 dada por alguns biógrafos para o seu falecimento), ambos brasileiros. Do casamento de Hercília com Henrique houveram oito filhos: Valter Orion de Souza, Carlos Gonçalves de Souza, Alberto de Souza, Isabel de Souza, Alzira de Souza, Altair de Souza, Selene de Souza e Altina de Souza, segundo Carlos Lucas de Souza; ou então Alberto, Isabel, Helena Iracy, Carlos, Alzira, Alina, Altair, Selene e Valter, segundo Sebastião Vieira Vidal.

Que o casal teve prole vasta é facto provado em registo notarial e em fotos de família, e é também facto impossível o que aparece nas notas do filho de Castaño Ferreira dizendo que Henrique casou Hercília que era viúva rica já mãe de filhos. Ora, Hercília na ocasião do seu casamento com aquele ainda não teria 17 anos de idade, o que torna impossível já ser viúva e mãe de vários filhos. Bastava apontar essa discrepância para derrubar todas as mais insinuações inventadas no controverso processo.

Segundo as Revelações Iniciáticas, HERCÍLIA era uma Mónada sob a égide do 4.º Senhor ATLASBEL que, por “favor kármico” devido aos bons resultados do seu casamento com Henrique, evoluiu para o nível superior do 5.º Senhor ARABEL, portanto, do Emocional ao Mental, o que vai bem como significado do seu nome, “Orvalho Matutino”, e motivo para HENRIQUE ter nomeado o seu filho Valter Orion de Souza “Guardião da Montanha Sagrada Moreb” (São Lourenço, Sul de Minas Gerais) e “representante do Senhor dessa, Rabi-Muni”. Mas o verdadeiro consorte de HERCÍLIA no Plano Interno era o próprio HONORATO, este claramente para o 5.º Senhor e que serviu de elo ou ponte para a transição de Hercília ao seu nível, ficando equiparados. Mas, “Hercília foi a Mãe de Helena Gonçalves manifestada como Helena J. Souza”. Dito assim, há algo que não confere e até sugere o travo amargo de um incesto póstumo. A verdade é a seguinte: Hercília foi a Mãe ADOPTIVA ou Tutora de Helena J. Souza que fora para a sua família (isto é, do Professor Henrique) ainda bebé, por os familiares desta – o pai viúvo e pobre – na ocasião não terem meios pecuniários para a sustentarem, e o Professor na altura fazer parte das famílias ricas de Salvador. Neste processo inter-famílias entrou também a SILVA NEVES que apadrinhou o processo. É daí que vem o realce do sobrenome paterno, das Neves, dado a Hercília, também pelos motivos que se seguirão. Quanto a Helena Gonçalves, tão-só manifestava a sua Consciência no Duat através da novel Helena na face da Terra, tendo esse processo de “avatarização sumária”, direi assim, sido encetado na Rua do Pilar, n.º 63, de São Salvador da Bahia, com a bebé de tenra idade. A saúde débil (obesidade afectando o sistema cardíaco) de D. Hercília e as privações que teve de suportar após a perda da fortuna do marido em 1914, por causa da Conflagração Mundial que então estourara afectando as Bolsas do Mundo, levou-a a morrer ainda nova, em 18 de Julho de 1931, com 45 anos e alguns meses de idade. Dessa sua “esposa morganática” (por não ser a sua verdadeira contraparte ou Shakti original), disse o Professor Henrique José de Souza no Livro da Reconstrução do Pramantha do Ciclo de Aquarius (Carta-Revelação de 2.1.1962):

Examinemos superficialmente o mistério de Hercília. Como se sabe, era ela e Honorato os dois nossos Tulkus que deviam fundar Dhâranâ, etc., por causa real ou verdadeira da Obra como nossos Anunciadores, mas não o foram devido ao acidente de Lisboa. Como minha esposa, Hercília foi mãe de filhos que, a bem dizer, foram frutos cármicos do 5.º, por sinal que todos dignos e valiosos. Sim, os primeiros não tendo sido meus (isto é, do 6.º Senhor, esotericamente falando – nota VMA), e mais quatro meus (do segundo casamento – nota VMA), isto é, aqueles sob a influência do 5.º, sendo que Walter, como se sabe, foi criança trocada, em 1922, por Ser do Duat, etc., e a quem armei Cavaleiro Rosacruz e dei outros privilégios bem merecidos. Hercília, como minha primeira esposa, espécie de esposa morganática, apresentava-se ao meu lado nos teatros e cinemas, que foram meus, ricamente vestida e coberta de jóias. Toda a plateia não tirava os olhos do nosso camarote. Viveu feliz a meu lado até que me levaram toda a fortuna. Então, a mesma mulher chegou ao ponto de cozinhar, de lavar roupa, etc. Morreu no colo de Helena, como seu Tulku. Não devemos falar do muito que sofreu, pois foi uma grande mártir na vida, mas recebeu a devida recompensa indo ter a Goberum, onde hoje se acha ao lado de Arabel. Ainda hoje os nossos inimigos continuam armando intrigas ou cigarreando injúrias, calúnias e difamações, que nós vamos vencendo à custa da nossa inteligência. Enquanto eles, asfixiados na sua ignorância, pedem esmolas aos “pés do Mestre”, ou no colo da Mestra, como quem mama na Vaca Astral.

HELENA “IRACY” GONÇALVES (DA SILVA NEVES) – Nasceu em 1884. Pressuposta irmã de Hercília Gonçalves, para a sua educação esmerada foi entregue bebé ainda aos cuidados da família dos padrinhos, os ricos armadores Barões Henrique e Helena da Silva Neves, sendo levada para Goa, antiga Índia Portuguesa, onde viveu na Vila Neves (com uma linda estátua desse deus solar Apolo no jardim dianteiro da residência) na Rua das Flores, n.º 19, nas proximidades da igreja de São Lourenço, em Agaçaim. O tupi Iracy, “Lua Faceira”, é alcunha teatral que lhe foi dada depois, possivelmente no Brasil, onde esteve com a Companhia Teatral Infantil “Tim-Tim por Tim-Tim”, que em 1899 actuou no Teatro São João de Salvador, capital baiana. Foi aí que conheceu Henrique José de Souza, tomaram-se de amores que consumaram em Caixa-Pregos, nos encantos da paradisíaca Ilha de Itaparica, fronteira à cidade, e com ela grávida (dos corpos predestinados aos Bodhisattvas AKDORGE E AKGORGE, dizem as Revelações) Henrique fugiu da casa paterna, embarcando após assinar o livro de bordo com o nome Honorato da Silva Neves, querendo passar também ele por afilhado do Barão, para acompanhar Helena no regresso a Lisboa, onde ainda nesse ano desapareceria de forma trágica num acidente de carruagem na Rua Augusta, mas antes já tendo ambos viajado a São Lourenço de Ansiães, Trás-os-Montes, e a Sintra, para que o Mistério ficasse completo. Esta é a PRIMEIRA HELENA, a ORIGINAL, cujas vestes kármicas ou corpo psicomental (kama-manásico) subsistiu até 1949, sendo incinerado em 24 de Dezembro desse ano no Caijah, capital do Mundo de Duat, mas cuja essência das mesmas vestes integrou-se em Helena Jefferson Souza, isto é, esta tomou posse plena da consciência das suas experiências do passado.

HELENA JEFFERSON FERREIRA (DE SOUZA) – Nasceu em 13 de Agosto de 1906 em Pontalete, Minas Gerais, filha de João Augusto das Neves Ferreira, português, falecido em 25 de Dezembro de 1945, e de Agostinha ou Agostina Castaño, espanhola, falecida em 1935. Helena Jefferson Ferreira teve como irmãos António Castaño Ferreira, nascido em São Paulo em 8 de Novembro de 1903 (dizendo as Revelações que a sua Mónada ou Essência Espiritual havia saído pela Embocadura de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, indo reencarnar em São Paulo), e Clementina Castaño Ferreira, nascida no Rio de Janeiro em 12 de Outubro de 1914. Após a morte da sua mãe adoptiva, D. Hercília Gonçalves de Souza, casou no cartório carioca com Henrique José de Souza, de quem teve os quatro filhos conhecidos de todos (Hélio, Selene, Jefferson e Hermés). Esta é a SEGUNDA HELENA, a “CONSEQUÊNCIA KÁRMICA” DA ORIGINAL.

Observando a coisa do ponto de vista estritamente profano, de acordo com o senso comum do ordinário ou vulgar, já antes a primeira ida em 1921 do Professor Henrique José de Souza a São Lourenço (MG) com a jovem Helena Ferreira, ele mesmo o jura nas suas cartas privadas e manteve até á hora de cerrar os olhos para o mundo, não se deveu a quaisquer interesses sexuais inconfessados a consumar longe dos olhares da sociedade, mas exclusivamente a ela ser tratada de mal de saúde nessa estância hidromineral, aproveitando a ocasião para também visitarem os familiares dela em Pontalete. O grande respeito do Professor por D. Hercília e pela sua memória póstuma, levou a que só passados sete anos de viuvez casasse com D. Helena, no Registo Civil do Rio de Janeiro em 4 de Abril de 1937, nascendo o primogénito do casal, Hélio Jefferson de Souza, em 1 de Março de 1938, e em 26 de Agosto de 1940 Selene Jefferson de Souza, depois Jefferson Henrique de Souza em 13 de Maio de 1942 e o falecido Hermés Jefferson de Souza em 6 de Fevereiro de 1944.

Como se observa, tendo ao meu lado toda a documentação oficial e oficiosa, tanto jurídica como esotérica, sobre o caso, a história humana desta família é como a de tantas outras e não se lhe descobre alguma mácula referente a incestos e outras coisas baixíssimas do género ou piores… Confesso que o assunto é-me sumamente enojante, e se tomou as proporções conhecidas foi porque nenhum dos seguidores (?) de JHS soube interpretar devida e correctamente o problema iniciático que ele lhes propusera na intimidade da confiança depositada (e traída), muito pelo contrário, levaram tudo para o pior possível no ser humano e fizeram alarde disso na praça pública da época, redundando em escândalo de grande alarido pelos jornais e tribunais cujo eco ressoa até hoje.

Mas também não foi só por isso que ele ficou malquisto e malvisto na sociedade profana e nos meios espiritualistas no quase geral brasileiro: foi e é igualmente por ciúme e despeito, não conseguindo o emocional de muitos superar o mental de um único, e pela sua relação próxima com certos políticos de nomeada da época (Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, Adhemar de Barros, etc.) que fizeram a História Contemporânea do Brasil, alguns deles hoje considerados o pior que o país já teve política-economicamente. A incompreensão grassa, e a sociedade dita esotérica fundada em 28 de Setembro de 1969 pelo primogénito do Professor Henrique, invés de desfazer os equívocos gerais quanto a JHS, desgraçadamente aparenta aumentá-los com exemplos distónicos do apregoado à vista geral, que descareço descrever. O imediatismo profano parece impor-se ao sentido sagrado, iniciático ou espiritual que assiste à História da Obra do Eterno na Face da Terra.

HELENA (DOLORES GUZMÁN ou GUSMÃO ou GUSMÕES) DA SILVA NEVES – Espanhola, possivelmente nascida no povoado de Mariz, próximo de Oviedo, Astúrias, foi esposa do Barão HENRIQUE ÁLVARO ANTUNES DA SILVA NEVES (Portugal, 1849 – Brasil, 20.11.1944), abastado português transmontano, consignado Chefe Temporal da ORDEM DE MARIZ sob o nome secreto Malaquias (considerado Dharani de 1.ª Categoria), que enriqueceu prosseguindo o negócio de armador marítimo da família, repartindo a sua residência entre Lisboa, Goa e finalmente São Salvador da Bahia. Reservado mas muito activo, subsidiou a Companhia Teatral Infantil “Tim-Tim por Tim-Tim” em 1898-1899, e serviu de paraninfo do jovem Henrique José de Souza na vinda deste a Portugal, acompanhando Helena Iracy. Na capital portuguesa, o insigne casal residiu nas cercanias da Rua do Barão (de Alvito) que é vizinha da Sé Patriarcal.

De origem judaico-cristã, sabe-se que a família Neves fixou-se na Covilhã ainda no século XII, e nesse século ou no seguinte terá misturado o seu sangue com o tronco familiar dos Silvas, donde Silva Neves.  Está provado que a família Neves possui raízes judaicas sefarditas, e com a adesão ao Cristianismo de alguns dos seus membros terá adoptado por Orago Nossa Senhora das Neves, evoco máximo associando-a a Santa Maria Maior, por certo bem aceite pelos não conversos do tronco familiar identificando-a à “Santa Ester” expressiva da Virgem Branca, forma titular de descrição da própria Shekinah, a “Presença Real de Deus” associada ao Espírito Santo. Os Silva Neves espalharam-se por quase todo o Norte do País, desde o Douro Litoral e Interior até Trás-os-Montes e Minho (neste fixados próximo de Barcelos, em Mariz, berço genealógico da família deste nome), daí migrando mais para Sul, para Coimbra e Lisboa.

O casal de Barões da Silva Neves teve vários filhos, um deles António da Silva Neves, o “Antoninho”, que ficou por Goa mas acabou mudando de residência para Benares. Helena da Silva Neves foi a Mãe adoptiva de Helena Iracy em Lisboa e em Goa, a qual teve por Tutor o pintor francês, apodado “Adepto de Pondicherry” por Henry Stell Olcott, Jean Dubonnet Beauville (Abraxis), que a foi aprimorando física e espiritualmente até finalmente se tornar veículo perfeito da Consciência Celeste da Mãe Divina, Allamirah – “Olhos do Céu” – ou Maria, tanto vale.

Para demonstrar que a vinda a Portugal dos jovens enamorados em 1899-1900 não foi mera “blague” ou “lenda de fundação” inventada pelo Professor Henrique José de Souza, e que tampouco a família dos Barões da Silva Neves é pura invenção, como a de ter vivido em Goa, Lisboa e Salvador, respigo dois apontamentos históricos. O primeiro: ao fim de 18 dias de governação, em Fevereiro de 1835, o Governador da Índia Portuguesa, o goês Bernardo Peres da Silva, por carta régia de D. Pedro, Duque de Bragança, é impedido de exercer o seu cargo por uma revolta dirigida pelo governador militar, e refugia-se em Bombaim de onde ainda tentou repor a legalidade, em vão. Regressará a Lisboa em 1838 como deputado por Margão, frustrando-se assim a merecida governação da Índia Portuguesa por um goês, em parte devido às suas medidas reformistas tidas por demasiado rápidas. Médico, participante das lutas liberais na metrópole, no Brasil, publicara um Diálogo entre um Doutor em Filosofia e um Português na Índia sobre a Constituição Política de Portugal.

O segundo apontamento: por volta de 1937, em Lisboa subiu a cena a revista teatral “Zás-Trás-Pás”, na qual ficou famosa a canção de nome “Cinzas” interpretada pela cantora Maria das Neves. A dado trecho, cantava-se: “Cinzas da fogueira de um grande amor… envolto nas brumas da lenda”. E toda a Lisboa da época andava com a cantiga na boca trauteando, afinal… a memória de 1899 dos amores inflamados na Ilha de Itaparica entre os Gémeos Espirituais, deixando para trás as cinzas, as brumas e a lenda que, com “arte e manha”, no Teatro em Portugal, se poria toda a Lisboa a cantar o idílio amoroso, mesmo sem o saber, de Henrique e Helena com o Mar Grande a beijar-lhes os pés e os corpos se estreitando num amor puro como é o primeiro. E depois para a mesma Lisboa vieram…

Posto tudo isso, indispensável para clarificar todas e quaisquer situações, algumas e não poucas as mais desagradáveis, avançarei agora para o mistério avatárico de Hercília e os três Luzeiros (Ishvaras) que ao manifestarem-se tomam a forma de Planetários (Kumaras). Tudo baseado no fenómeno do Tulkuísmo, este que consiste na projecção da Consciência de um Mestre sobre o seu discípulo que pode ou não ter noção imediata disso. No seu estudo acerca dos Jinas Tibetanos e seus Tulkus (publicado na revista Dhâranâ n.º 106, Outubro-Dezembro 1940), o Professor Henrique José de Souza assim define o termo:

Por diversas vezes temos falado dos Shamanos ou Jinas (Homens Régios conquistadores, Sábios, Imortais, etc.), porém, até agora, não nos ocupámos da maneira como os mesmos se comunicam com os homens vulgares (ou “mortais”), ou, se o quiserem, como com os mesmos estão ligados directamente. Tal maneira de “comunicação” ou “ligação” possui no Tibete o nome de tulku, que anagramaticamente (por temura ou permutação de sílabas) faz-nos lembrar a palavra latina cultus, ou a veneração dispensada pelos “mortais” a tudo aquilo que desconhecem, por isso mesmo reconhecendo como superior, inclusive, as fugazes aparições astrais, ou mesmo físicas, daqueles “Imortais”, como ainda as manifestações tangíveis operadas através dos tulkus.

Se o tulku é um “Buda Vivo”, ou melhor, a mayávica ou ilusória sombra viva projetada por um Buda ou Mestre, o la-ma ou lha-ma é o seu discípulo encarnado, na razão das duas raízes lha, espírito, e ma, matéria, Mãe Natureza ou Mater-Rhea, etc., onde o Espírito tomou o seu corpo astral. O neófito, ou seja, aquele que não alcançou ainda o necessário desenvolvimento psíquico para o grau do “discipulado”, é por sua vez um trapa ou aluno.

A palavra tulku significa literalmente “uma forma criada por processo mágico”. Assim, de acordo com o que ensinam os sábios e místicos tibetanos, devemos considerar os tulkus uma espécie de fantasmas, emanações ocultas, verdadeiros arlequins (mas nunca um frankenstein, um monstro humano) fabricados por um mago, para que fiquem às suas ordens ou serviço, digamos, uma espécie de “estátua viva” onde se reflete a vontade do seu criador ou ”escultor”.

Uma grosseira interpretação para o fenómeno tulkuístico, é aquela da repercussão hiper-fisica que se dá entre o hipnotizador e o seu sujet: sendo o primeiro tocado por um estranho, o segundo acusa o lugar, justamente em que aquele foi tocado. O mesmo se dá quando, por meio de um alfinete, o sujet lançando um grito de dor leva a mão, automaticamente, ao lugar onde o operador foi ligeiramente espetado. E isso porque tal sujet não é mais do que um autómato da vontade do operador. Por isso mesmo, seu duplo ou tulku.

Sobre o que seja Avatara, o Professor Henrique José de Souza define-o em termos sucintos: “Avatara, Avatar, Avata, é termo sânscrito que significa – A encarnação ou manifestação cíclica do Espírito de Verdade, do Verbo, de Deus na Face da Terra”. Indo ao encontro do que dissera antes Helena Petrovna Blavatsky no seu Glossário Teosófico: “Avatara é a descida da Divindade na forma ilusória de uma personalidade que no Plano Físico toma aparência objectiva, mesmo realmente não a sendo. Essa aparência ilusória, essa forma ilusória não tem passado nem futuro, em virtude de não possuir encarnações anteriores e nem subsequentes nascimentos, pelo que nela não há intervenção da Lei do Karma, da Lei do Equilíbrio Universal. Muito misteriosas são, sem dúvida, essas encarnações que fogem ao círculo geral dos renascimentos”.

Trata-se do Mistério da Divina Encarnação num corpo humano, previamente preparado para tão transcendente desiderato, em cada um dos Ciclos em que se reparte a Vida Universal, onde cada Avatara ou Messias poderá trazer consigo a potencialidade de 100%, 75% ou 50% da Consciência do Absoluto, donde a sua classificação como Avataras Totais, Parciais e Momentâneos. Há ainda o avatara tulku, que foi comum no Budismo Tibetano, onde uma consciência poderosa podia agir num corpo físico alheio como se fosse o seu, algo semelhante mas não idêntico ao fenómeno espírita das “incorporações” mediúnicas.

Conforme está nas Cartas-Revelações no Livro de Tsong-Kapa (B), do Venerável Mestre JHS, ainda assim propositadamente truncadas (por isso fazer parte da mecânica do processo de Iniciação Assúrica ou Mental – rumo ao Intuicional e o Espiritual – do mesmo JHS), observa-se que Hercília – Honorato faziam parte da Corte do 4.º Luzeiro ATLASBEL, ela sendo mesmo Arauta Dele, mas que por influência benéfica, impulsionando-a para um escalão imediatamente acima, de Helena “Iracy” e de Henrique “Honorato”, passou a integrar a Corte do 5.º Luzeiro ARABEL. Helena Iracy, de quem Hercília foi Tulku, era Arauta do 5.º Senhor ou Dhyan-Choan (Logos Planetário), e todo o Trabalho inicial da Obra fez-se sob a égide da mesma Divindade – desde Lisboa e Sintra, como 5.º Posto Universal, até aos Dois Bodhisattvas AKDORGE e AKGORGE, “frutos” do 5.º Senhor dos quais ela abortou, vítima do Acidente de Lisboa, mas para os brotar finalmente em 10 de Fevereiro de 1935, no Mundo de Duat!… Honorato – Hercília passaram de Colunas do 4.º Senhor a Colunas do 5.º, com isso a Vasos de Eleição ou Veículos da Consciência Universal dos respectivos ARABEL e GOBERUM, esta a forma humana (ADAMITA) da estrela ALGOL, a contraparte sideral do antigo desterrado para a Terra, para a Geração Humana, Terceiro Luzeiro (A)LUZBEL, acompanhado da respectiva Corte de Anjos “Assúricos” revoltados – em 1963 redimida por AKBEL, enquanto aquele em 1948 – que sonegaram a Ordem do Eterno (Oitavo Logos) em prosseguir avante a Evolução que haviam iniciado no terceiro Globo da anterior Cadeia Lunar.

Entretanto, António Castaño Ferreira e Tancredo de Alcântara Gomes aprimoraram-se em vida junto de JHS, adquirindo os elementos que careciam à integralidade das suas consciências humanas, isto é, Ferreira à Sabedoria inata acrescentou o AMOR, e Tancredo à Devoção natural juntou a SABEDORIA. Foram Colunas de empréstimo do 5.º Senhor ARABEL à forma humana (JHS) do 6.º Senhor AKBEL. Após falecerem, eles voltaram ao seu verdadeiro Senhor, ou seja, o Quinto.

Norteando todo o processo de manifestação tulkuística no desenrolar humano no seio da Obra Divina, na sua cúspide está o 6.º Ishvara e a sua divina contraparte ou Shakti, como sejam AKBEL (Mercúrio) e ALLAMIRAH (Vénus), apossados das formas físicas de Henrique J. Souza (El Rike) e Helena J. Souza (El Lena), integralmente naquele, parcialmente naquela; após a desencarnação e volvimento das suas Colunas humanas, Ferreira e Tancredo,  ao Mundo de Duat, RABI-MUNI e TARA-MUNI passaram a ser as suas Colunas internas, cujos corpos ocuparam após a morte física. Como Arauta do 6.º Senhor aí está LORENZA Feliciani Domiciani, Shakti de LORENZO Paolo Domiciani (vulgo Monsieur le Comte Saint-Germain, assim reconhecido na França e restante Europa do final do século XVIII), representada sobre a Terra por Helena J. Souza, algumas vezes veiculando parcialmente a sua Consciência, sobretudo no Templo.

A fim de facilitar o entendimento de todo este intricado, exponho a seguir um pequeno esquema, posto ser este assunto que quase ninguém hoje sabe interpretar com a correcção e decência mínimas, tornando-se igualmente, por factores puramente imediatos os mais profanos, para não dizer os mais ordinários possíveis, ainda mais melindroso.

No mistério do tulkuísmo das consciências e dos avataras dos corpos está a solução deste problema magno, que, verdade se diga, não é para qualquer cabeça. Mesmo assim, creio que agora o assunto fica suficientemente clarificado.

À luz das Revelações da Obra, “cavando cada vez mais fundo [para servir ao Rei do Mundo]”, falarei agora de ADAMITA, a “Primeira Mulher”, a “Primeira Mãe”. Esta é a Filha primogénita de AKBEL e ALLAMIRAH, seus progenitores celestes, o que significa ser irmã de AKDORGE, o Filho dos mesmos Pais, aparelhando ao lado do consorte ARABEL, ela como a mesma primitiva Rainha atlante GOBERUM, que deu de si os 7 Dhyanis-Budhas do Novo Ciclo e com aquele “Deus da Ara” chefia-os da direcção humana e espiritual do Mundo desde o escrínio do Templo Jina do Roncador (Mato Grosso, Brasil), o de ARAKUNDA.

Agora discorrerei um pouco agora sobre o mistério da partogénese a ver com a mesma ADAMITA. Desde domingo de 17 de Setembro de 1899 até ao próximo 24 do mesmo mês, os Adeptos encabeçados por ABRAXIS (ou GABRIEL, o “ANJO DO NATAL”), já no Norte da Índia, levaram o jovem Henrique José de Souza – com a sua Essência Espiritual ocupando temporariamente o corpo de Lorenzo Paolo Domiciani – em sono paranishpânico (paranirvânico, monádico ou divino) ao Templo Subterrâneo de Srinagar (Jara-Lagpa ou Jara-Khan-Lhagpa), situado no Mundo de Badagas, indo juntar-se a Helena Iracy Gonçalves da Silva Neves que para aí fora levada desde o escrínio jina de Lisboa – Serra de Sintra, aquando do seu acidente “fatal” na capital portuguesa quase um mês antes, com a sua Essência Espiritual ocupando temporariamente o corpo de Lozenza Feliciani Domiciani. Apadrinharam-nos dois Kumaras, com dois outros, SANAT e sua contraparte KALI, acompanhando depois a sua viagem iniciática; estando o jovem casal em completo sono físico mas inteiro despertamento espiritual, esses seus corpos físicos constituíram um 8.º casal, ou 8.ª Essência Paranirvânica ou Monádica, que serviram de base a 7 outros casais, igualmente em sono paranishpânico, que nada mais eram que os “Meninos e Meninas do Tim-Tim por Tim-Tim”, indo ser avatarizados pelas 7 Krittikas (Plêiades) e os 7 Rishis (Ursa Maior) enquanto os seus Espíritos imortais desprendiam-se dos invólucros físicos (só permanecendo o duplo etérico, para manter a vida corporal), indo directamente para Agharta onde cada casal foi acolhido por um dos sete casais de Reis e Rainhas do Gar-Edon. Foi assim que tiveram início os 7 Rituais Manúsicos em 7 dias consecutivos.

Esses corpos vazios serviram de base física ao 8.º casal que agiu como MAHA-RISHI e MAHA-KRITTIKA, e durante sete dias consecutivos ocuparam cada casal dos sete, vibrando nele no mais transcendente dos consórcios amorosos, indo bem a sua Chave de Pushkara corporal com o nome do lugar da 7.ª Cidade Aghartina onde se realizou a divina Geração, onde se geraram os 7 Rebentos do Futuro, os Príncipes de Srinagar – vindo a ser os 7 Dhyanis-Jivas, e depois, a partir de 1949, Dhyanis-Budhas – que nasceriam 9 meses depois, sendo levados por excelsos tutores e tutoras para lugares determinados do Mundo onde receberiam primorosa educação, ficando alguns deles assinalados nos anais históricos sob nomes diversos.

Do consórcio amoroso de Henrique-Helena nos corpos de Lorenzo-Lorenza, expressando a Consciência do Andrógino Celeste ARDHA-NARISHA-KUMARA, por sua vez incarnando a Consciência Dhyan-Choânica de AKBEL – ALLAMIRAH, tendo por apoio imediato as Consciências Supremas dos Mundos de Duat e Agharta, como sejam RABI-MUNI – TARA MUNI e BAAL-BEY – BAAL-MIRAH, nasceu em SIMLAH, cidade pouco abaixo de Srinagar, ADAMITA, no domingo de 8 de Julho de 1900. A Essência Espiritual de ADAMITA passou a vibrar em Agharta, na contraparte feminina do “5.º Kumara de Projecção”, que era a própria LORENZA, aí vibrando ao lado de LORENZO, como forma concreta do mesmo Kumara. A Essência Psicomental dessa Dhyani passou a vibrar no corpo kama-manásico de HELENA IRACY, que depois seria levada para o Duat mas mantendo-se o seu corpo físico em Badagas. De maneira que só lhe faltava uma veste corpórea na Face da Terra, para por ela puder manifestar a sua consciência hiperfísica, supra-espiritual…

Isso aconteceu com uma segunda Helena (H2), a mesma Helena Iracy novamente reencarnada (ficando os seus antigos corpos em custódia nos Mundo Jinas), nascida em 13 de Agosto de 1906 em Pontalete, Minas Gerais, filha dos supraditos srs. João Augusto das Neves Ferreira e Agostinha Castaño Ferreira. Devido às grandes dificuldades económicas por que passava esse casal de emigrantes, entregou a sua filha recém-nascida, no final desse ano, aos cuidados amigos do empregador rico de João Augusto no trapiche no porto de São Salvador da Bahia, precisamente o Professor Henrique José de Souza e a sua primeira esposa, Hercília Gonçalves de Souza.

Em 24 de Fevereiro de 1907, morando o Professor Henrique José de Souza na Rua do Pilar, n.º 63, em São Salvador (BH), nessa noite chuvosa riscada pelos relâmpagos de furiosa trovoada, aconteceu que o Chefe das Forças do Mal pretendeu raptar a criança, o que resultou debalde após luta terrível com JHS de espada em riste (arrancada de sua própria coluna vertebral como a flamejante de Kundalini materializada), coadjuvado por AKADIR (Adepto ocultado na aparência ilusória do ferreiro baiano António Maceió), tendo a atenção diabólica sido atraída pelo facto das energias psicomentais da consciência de ADAMITA, nessa data, terem começado a vibrar na menina Helena, o que constituiu uma «troca» mas não tanto de corpos e sobretudo de consciências… questão francamente tulkuística. Aos poucos, com o passar dos anos, a consciência da menina – que viria a ser Helena Jefferson de Souza – foi se adaptando à da Grande Mãe, até se integrar definitivamente Nela na Noite de NATAL de 24 de Dezembro de 1949.

Em SIMLAH foi gerada ADAMITA, e em SRINAGAR foram gerados os 7 DHYANIS-JIVAS, todos como Filhos da Terra ou Eva, consequentemente, do 4.º Luzeiro ATLASBEL, e aprovados pelo Rei do Mundo, RIGDEN-DJYEPO (“Rei dos Jivas”), que os assinalou como “Jóias da Coroa”, a Cúspide Monádica expressiva da mais alta evolução do Género Humano.

Conceição ou concepção amorosa sem paixão, da qual Henrique e Helena, nos corpos de Lorenzo e Lorenza, foram os principais protagonistas, acto físico mas da maior transcendência espiritual onde estiveram implicadas diversas Hierarquias, desde o Céu do Segundo Logos (ADAM-KADMON) perpassando a Face da Terra (ADAM-HEVE) e chegando ao Seio do Mundo (ADAM-CHEVAOTH), a Shamballah mesma, cujo Sol é a expressão do 4.º Logos Planetário afim à 4.ª Cadeia em que tudo e todos estamos.

Tanto que não houve paixão cobiçosa que Henrique, servindo de intermediário ou expressão de AKBEL no consórcio sexual entre os 7 Meninos e as 7 Meninas do novo e transcendente “Tim-Tim por Tim-Tim”, chegou a confessar que na ocasião “nem sequer viu as Sri-Aghartinas” (Carta-Revelação de 17.02.1957). Para arredar de vez qualquer insinuação enviesada erótico-passional (afirmando as Revelações que o hímen rompido das jovens foi refeito após os seus partos, graças às mesmas Santas Virgens Rainhas Sri-Aghartinas desse Mundo), vale o decreto capital inserto na Mensagem provinda da Confraternidade de Simlah (Confraternity of Simlah), como consta na Carta-Revelação de 15.11.1948: – Morte ou loucura para quem se aproxime da Sacerdotisa-Mãe com segundas intenções!

Adianto ainda mais alguns pormenores relativos a este tema, respigados às Revelações da Obra dos Deuses. Quando se deu o Acidente de Lisboa, Henrique e Helena foram recolhidos ao Templo Badagas de L∴N no escrínio da Serra de Sintra. Aí foram depositados sobre duas aras onde já estavam os corpos adormecidos de Lorenzo e Lorenza, vigiados por dois Kumaras Primordiais (DHYANANDA e SANAT-SUJAT ou SANAT-BERUM como afim ao próprio Lorenzo ou São Germano). As almas dos Gémeos Espirituais transferiram-se para os corpos daqueles, cujas almas desceram para Agharta. Nesses corpos de Lorenzo e Lorenza, Henrique saiu por cima, pela Face da Terra onde tinha a sua Missão, a caminho do Norte da Índia, e Helena prosseguiu por baixo rumo ao mesmo destino. Encontraram-se em SIMLAH como Oitavos Dirigentes dos Sete Meninos (avataras dos Rishis – Agnisvattas) e das Sete Meninas (avataras das Plêiades – Barishads) onde consumaram o “Tim-Tim por Tim-Tim”, ou seja, como Assuras (Maha-Rishi e Maha-Krittika) deram origem à Oitava Dhyani-Jiva ou Mãe Humana, que Henrique batizou de ADAMITA. Por isso são Oitavos. Todo o processo da partogénese deu-se em Badagas e não na Face da Terra, que “apenas” veio a acolher os frutos do consórcio amoroso entre os deuses terrenos, frutos benditos de milhares e milhares de anos de evolução pelos próprios esforços.

A Consciência ASSÚRICA dos Gémeos Espirituais na Terra junto à Consciência ISHVÁRICA de Akbel e Allamirah no Céu, produziram do atrito amoroso a manifestação de EVA, isto é, a Oitava Dhyani-Budhai ADAMITA, tal qual ALLAMIRAH é a Oitava Dhyan-Choan ou Luzeira Mãe dos 7 Luzeiros manifestados. São sempre os Oitavos os Originais da Criação, seja a que nível for. Se Akbel identifica-se à Face Masculina do Eterno (Oitavo Logos Original ou Sol Central do Sistema de Evolução Universal), Allamirah identifica-se à Face Feminina do Eterno. Por isso é a Mãe dos Deuses, e leva o nome aghartino ZIONE (Mãe), enquanto Ele o de ZAIN (Pai).

Houveram duas Helenas que coexistiram até 1949, não raro uma por vezes fazendo as vezes da outra, como seja a Iracy (H1) substituindo a Souza (H2), coisa que o dentista de família suspeitou quando verificava a dentição prejudicada de uma, para logo a “sósia” apresentar dentição perfeita. O homem nunca percebeu como isso era possível. Isto pode muito bem explicar o facto de Helena J. Souza assinar muitas vezes como Helena Iracy, como se verifica, por exemplo, na certidão de batismo (consagração) do seu primogénito Hélio Jefferson de Souza, datada do Rio de Janeiro, 17 de Abril de 1938.

Tal como coexistiram duas Helenas, assim também houveram duas Blavatskys. Uma, a verdadeira, era a aventureira das várias partes do mundo, discípula e emissária dos Mahatmas orientais, como também a escritora profícua. O seu nome, Helena Petrovna Fadeev van Blavatsky, a UPASAKA. Outra, a Blavatsky Adepta, a própria UPASIKA que avatarizou H.P.B. quando esta foi lanceada mortalmente durante a batalha de Mentana, onde perfilou ao lado do general Garibaldi contra as forças papais, ou melhor, do “papa negro” dos jesuítas. Recolhida para uma tenda de campanha esvaindo-se em sangue já moribunda, eis que momentos depois reaparece ressuscitada como se nada tivesse acontecido. Mas aconteceu: a UPASIKA original havia ocupado o seu corpo, substituindo a sua consciência pela dela. A partir de então, findaram as viagens e aventuras, e aparece a Blavatsky mestra, grave, serena, fundadora da Sociedade Teosófica e “embaixatriz” da Grande Loja Branca.

Como os restos kármicos da personalidade da Blavatsky original vibraram durante algum tempo na 1.ª Helena Iracy e na 2.ª Helena Ferreira, admito as palavras do Professor Henrique José de Souza sobre essa “Tulku de HPB reencarnada numa filha de Selene e Udomeri”. O que esse viu por clarividência seria a entidade afim a HPB junto da criança, como seu guia espiritual, tendo usado o trocadilho astral para dizer o que afirmou. O nome da criança: Lísia Helena Jefferson de Souza Carvalho, filha do casal Selene Jefferson de Souza e Udomeri Jorge de Carvalho. O mesmo vale para a segunda filha desse casal, Ana Maria Jefferson de Souza Carvalho Ribeiro, de quem se diz “ter sido Annie Besant”, coisa que as apetências e capacidades imediatas da própria desmentem de cima a baixo. Igualmente para o terceiro filho Henrique Alcides Jefferson de Souza, dizendo-se “ter sido um grande navegador espanhol”, isto é, o próprio Francisco Pizarro. Ou que o recentemente falecido Hélio Jefferson de Souza Filho tivesse sido Assoka e depois Henry Stell Olcott, ou Glória Helena Fernandes Jefferson de Souza fosse a reencarnação de Anita Garibaldi, ou Neusa Fernandes Jefferson de Souza tivesse sido a santa Joana d´Arc. Tudo isso é impossível à luz das vidas dos actuais. Admito terem sido projecções astro-mentais dos seus guias espirituais nas suas infâncias e adolescências, talvez e com dúvidas ainda hoje, mas quanto a serem efectivamente essas personagens históricas é coisa afigurando-se impossível aceitar, porque não vejo como se possa “andar de cavalo para burro”, ou seja, ser ontem uma criatura muito evoluído e hoje o que se vê e sabe… em contradição flagrante com o mais elementar da Lei de Evolução da Vida e da Consciência.

Finalmente, repasso mais alguns traços biográficos acerca das Colunas Vivas, CAF e TAG, de JHS.

ANTÓNIO CASTAÑO FERREIRA era natural de São Paulo, tendo nascido no dia 8 de Novembro de 1903. Instrutor e orador emérito da Sociedade Teosófica Brasileira, a sua ficha de inscrição nas fileiras de Dhâranâ – Sociedade Cultural-Espiritualista consta do dia 30 de Agosto de 1925, mas é bem possível que em 1924, segundo diversos relatos, já militasse na mesma. Levando de nome real ou espiritual CHELA-TAIJASI, como COLUNA J actuava ao lado do Professor Henrique ocupando-se, principalmente, das responsabilidades de ensino, conforme pode ler-se na interpretação que o Mestre fez do seu nome: CAF, que em aghartino significa “O que vê de frente”, isto é, o que recebe em primeira mão as Revelações e, comentando-as, as oferece em segunda mão aos discípulos avançados. Estes, por sua vez, oferecem como instrutores da Instituição e Obra, como Templos Vivos onde quer que estejam, essa mesma sabedoria amoldada ao grau de consciência de cada ser humano seu auditor. Os discípulos mais antigos definem o Engenheiro (agrónomo) António Castaño Ferreira como um “homem extraordinário”, que pela sua proximidade com o Professor Henrique também era chamado de Professor Castaño Ferreira. Em São Paulo, em 28 de Janeiro de 1958, a dolorosa separação provocada pela morte arrancou-o do convívio terreno no meio teosófico.

TANCREDO DE ALCÂNTARA GOMES era natural do Estado do Paraná, tendo nascido no dia 28 de Outubro de 1876, filho do Dr. Leonel Pereira Gomes, natural do Paraná, casado com D. Francisca Raymundo Xavier de Alcântara (falecida no Estado do Espírito Santo), natural do Rio de Janeiro, filha do Comendador da Ordem de Torre e Espada e Capitão de Mar e Guerra da Marinha Imperial Brasileira, Francisco Xavier de Alcântara, “O Envinagrado”. Tancredo de Alcântara Gomes foi batizado no dia 25 de Novembro de 1876 na Catedral de Nossa Senhora da Luz, cidade de Curitiba, Paraná, conforme consta no seu registo paroquial: “Aos vinte e cinco dias do mês de Novembro de mil oitocentos e setenta e seis nesta matriz de Curitiba, o Reverendo José Rodrigues baptizou e pôs os Santos Óleos ao inocente Tancredo nascido aos vinte e oito de Outubro deste ano, filho legítimo de Leonel Pereira Gomes e Dona Francisca Raymundo Xavier de Alcântara. Padrinhos Joaquim Pereira Gomes e o Tenente Coronel Pedro de Alcântara Buarque, todos paroquianos. Para constar mandei fazer este assento”.

Seguindo a carreira militar na Marinha de Guerra, Tancredo de Alcântara Gomes foi Primeiro Tenente Armador e depois Capitão de mar e Guerra. Casou-se no dia 14 de Maio de 1904 com Marieta de Paula Toscano, natural do Rio de Janeiro, filha do Capitão de Mar e Guerra Clemente de Alcântara Toscano e de D. Maximina Eulydes Galvão Toscano, conforme consta no seu registo de casamento na Capital Federal (Rio de Janeiro): “Aos quatorze de Maio de mil novecentos e quatro nesta Capital Federal em a Casa número 50 da Rua Dona Mariana onde veio o Doutor José Calheiros de Mello, Juiz de Direito (…), comigo abaixo assinado nomeado e na presença das testemunhas Orlando Marcondes Machado e António Tancredo Castro Menna receberam-se em matrimónio o Primeiro Tenente Armador Tancredo Alcântara Gomes, com vinte e sete anos de idade, solteiro, natural do Estado do Paraná, Militar, morador a Rua São Pedro número trinta e seis, e Dona Marieta de Paula Toscano, com vinte e seis anos, filha legítima do Capitão de Mar e Guerra Clemente de Alcântara Toscano e de Dona Maximina Eulydes Galvão Toscano, solteira, natural desta Capital e moradora nesta casa os quais neste acto declaram que não são parentes entre si nem tem impedimento algum que os inibam de casar um com o outro. Preenchidas as formalidades legais o M. Doutor Juiz os declarou legitimamente casados desde este momento e mandou lavrar este termo que lido assina com os nubentes. Eu, António Afonso de Miranda Sobrinho escrevente (…) o escrevi. Eu Francisco José Pinto de Macedo escrivão que subscrevo”.

A ficha de inscrição de Tancredo de Alcântara Gomes nas fileiras de Dhâranâ – Sociedade Cultural-Espiritualista consta do dia 4 de Março de 1926. Membro honrado da depois Sociedade Teosófica Brasileira exerceu a função de Director-Social da mesma, encarregando-se da sua administração, e levando de nome real ou espiritual SKANDHA-BHANTE-NAZAR teve a nobre missão de ser a COLUNA B do Supremo Dirigente, Professor Henrique José de Souza. O capitão Tancredo, ornamento da Instituição, ao transpor pela primeira vez o Portal do Templo, dentre dezenas de discípulos já presentes no Santuário, alguns dos quais estavam procurando-o por toda a parte para que prestasse o seu compromisso de admissão ao Colégio Iniciático, foi recebido pelo Mestre JHS com palavras que outros jamais ouviram: “Este sim, é o meu verdadeiro Amigo e Discípulo de outras encarnações”. No dia 9 de Abril de 1936, no Rio de Janeiro, deixou a sua veste física e desapareceu para sempre na penumbra do escrínio dos Deuses. No dia 15 de Abril desse mesmo ano, foi homenageado pelo Professor Henrique com um estudo iniciático acerca do seu nome: TAG, palavra que provém do tibetano com o significado de “Montanha, coluna, colosso, baluarte, contraforte” e, portanto, Justiça ou Bohaz, para completar com a anterior da Sabedoria ou Jakim, ambas permeio a JHS.

Os Três juntamente com Helena (H2) expressaram na Obra Divina o Excelso CRUZIAT (Cruzeiro do Pramantha, “Ciclo”) concorrendo para o Centro florido assinalado pelo Rei do Mundo (CHAKRAVARTI). Num esquema significativo de JHS no seu Livro da Pedra, têm-se os dois palos laterais do cruzeiro em neutralidade: o de Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) afim a CAF, e o de Porto Seguro (Bahia) afim a TAG. Essa neutralidade ou EQUILÍBRIO PERFEITO está para o positivo do palo superior assinalado pelo Roncador (Mato Grosso), Fraternidade “Masculina” (CABAYU) donde proveio a Mónada “feminina” de EL LENA para reencarnar em Salvador da Bahia. O palo inferior é o negativo indicativo de Vila Velha (Paraná), Fraternidade “Feminina” (GARÁ) de onde saiu a Mónada “masculina” de EL RIKE para se manifestar no mesmo Salvador da Bahia. Todos concorrendo para o Centro (SHAMBALLAH) indo “cavar (obrar) cada vez mais fundo (maior desenvolvimento espiritual e humano) para servir ao Rei do Mundo” (CHAKRAVARTI, MELKITSEDEK, ROTAN, etc.). Era assim que representavam o Governo Oculto do Mundo (G.O.M.) na Face da Terra, encaminhando os antigos Marambas do Quinto Senhor para o estado integrado de Munindras do Sexto Senhor. Com tudo, compreende-se o provado da afirmação de JHS às portas da morte na Clínica São Lucas: “Realizei numa única vida o trabalho inteiro de uma Ronda”!

JHS entre as Mulheres, também poderia ser o título deste trabalho. Por respeito exclusivo à sua pessoa, fi-lo de uma assentada nesta noite e dia de Natal de 2017. Com o mesmo tentei mais que refutar, eliminar os pressupostos libidinosos e incestuosos com que alguns e algumas mancham o seu Nome. Particularmente, não posso admitir que esbanjei a minha vida enganado pelo carisma de um licencioso da pior espécie. Não posso admitir nem acredito a pretexto algum. Também já passei por isso, não sou alheio à perversão de conceitos superiores em considerandos libidinosos: quando, perante certo auditório reservado, eu falei do Andrógino do Futuro Quinto Sistema (Ronda), pormenorizando o que seja, com tudo essa questão do Homem endócrino substituindo o actual Homem cérebro-espinal foi por alguns interpretada como apelo sub-reptício ao homossexualismo (!!!). E vão para a praça pública alardear que eu faço propaganda de actos perversos, indo os pobres de espírito que se perdem em intrigas e maledicências, sempre prontos a assassinar moralmente o alheio, efeminadamente pseudo-fraternos, acreditar nisso. Que mais posso dizer? Como entendo Henrique e como entendo Ferreira.

Descarece dizer que todos os personagens retratados neste estudo, assim como os lugares onde viveram e deixaram registo, são do meu conhecimento e relação pessoal desde há largos anos. Com isso, poderia dar à estampa muitíssima mais documentação, inclusive as certidões de nascimento e batismo de Henrique, Helena e Hercília, e até as moradas e as trocas de correspondência pessoal com descendentes em Lisboa e Goa dos Barões da Silva Neves, mas basta o que aí está. Não disse tudo o que sei, mas disse mais que o suficiente para assombrar a muitos, demasiados com a presunção de estarem, ante esta Instituição e Obra, em mais algum esquisso anárquico conformado ao simplismo indiscriminado tipológico do “new age”, próprio para “casas de maria joana sem rei nem roque”, ou seja, sem Ordem nem Regra. Aqui, neste Portugal “pai” do Brasil, a Ordem que mantém a idiossincrasia lusa no chão Pátrio, e a Regra que sustém na alma Mariz o potentado aghartino assegurado pelos Makaras e Assuras de JHS.

Termino respigando um trecho do Livro Vozes Celestes, de Fra Diávolo, que deixo à reflexão do leitor como chave d´ouro neste desfecho de quanto ficou dito:

Qualquer Vaso Corporal, formado com a argila ou barro da Terra mas que se torne Eucarístico, pode receber a mais excelsa de todas as Essências, inclusive a da contraparte de Akbel… Só o Espírito se assenta na Matéria. Tesouros desta natureza não podem ser guardados em qualquer Escrínio. Mister se faz que este seja o mais valioso possível, para ser condizente com os mesmos Tesouros. “Os Tesouros de Deus não se guardam na lama”. Todas as pedrarias do Seio da Terra são poucas para construir o precioso Escrínio onde os mesmos devem ser conservados. Assim também o corpo humano, donde um dia se irradiará o precioso Sol da Consciência Imortal, como fragmento desse mesmo Deus num Escrínio Humano.

Por isso, conforme o Hino dos Serapis – Sétima Linha do Novus Palux:

Viemos de Shamballah
Velsungos somos nós
Do Reino dos Serapis
Não podíamos vir sós.

E assim, com as nossas damas,
Em formas duais,
Ao mundo apresentamo-las,
Valquírias sem iguais…

Um tão grande e puro Amor,
Pelas Sibilas cantado,
É a Era do Redentor,
Do Deus Vivo, coroado!

 

BIJAM

Anúncios